Notícias

Carros elétricos: apoios à compra e condições

23 julho 2020
carros elétricoscarros elétricos a abastecer num posto de carregamento

São já quase 50 mil veículos elétricos a circular no País. Em 2020, o incentivo do Estado é de 3 mil euros. Os carregamentos da bateria nos postos de acesso público deixaram de ser gratuitos. 
 

Início

O carregamento de veículos elétricos em postos de carregamento normal (PCN) de acesso público passou a ser pago a 1 de julho de 2020. Quem já era detentor do cartão da MOBI.E, a gestora da mobilidade elétrica, deverá obter um novo cartão de um dos novos comercializadores privados, para ter acesso a toda a rede pública de carregamento.

Os postos de carregamento rápido, bem como os carregadores localizados em espaços privados, já tinham iniciado a cobrança deste serviço, em 2018 e 2019 respetivamente. Agora é a vez dos postos de carregamento da rede pública (PCN). Para ter acesso, o utilizador é obrigado a ter um contrato com um dos seis comercializadores de eletricidade para a mobilidade (CEME). Antes de pedir o cartão, compare as propostas uma vez que as condições variam.

São várias as marcas que comercializam carros elétricos, para todas as carteiras. Atraídos pelo incentivo do Governo, muitos consumidores avançam para o negócio. Em Portugal, o parque automóvel já conta, hoje, com mais de 48 mil carros elétricos (100% elétricos ou híbridos). Há várias soluções: 

  • híbridos convencionais, em que o motor elétrico complementa o térmico, a gasolina ou a gasóleo;
  • híbridos plug-in, que têm baterias e a possibilidade de as carregar numa tomada ou carregador. Garantem uma autonomia superior com o motor térmico, sendo a autonomia elétrica suficiente para pequenos percursos;  
  • modelos 100% elétricos;
  • fuel-cell, onde o hidrogénio produz a eletricidade que alimenta o motor elétrico.

A autonomia é o maior travão à massificação dos modelos elétricos, apesar de, nos últimos tempos, ter vindo a aumentar significativamente a oferta de veículos com autonomias que rondam os 400 quilómetros. A pergunta impõe-se: precisamos de carros com uma autonomia de 800 quilómetros quando, diariamente, conduzimos, em média, menos de 100 quilómetros?

A mobilidade elétrica é um importante contributo para a mobilidade sustentável. Além disso, sai mais barato. Com um carro amigo do ambiente, poupa no combustível e na manutenção do veículo, mas também nos impostos, já que os veículos 100% elétricos estão isentos de impostos (IUC e ISV), sendo que, em muitos municípios, o estacionamento é mais barato ou até gratuito.

Decidido a adquirir um carro elétrico e contribuir para um Planeta mais verde? O nosso simulador do custo de utilização por quilómetro pode ser uma ajuda preciosa: além do valor de compra do carro, consideramos combustível, seguro, imposto, manutenção e pneus. Revelamos o custo real por quilómetro de quase 5 mil carros e nenhuma tecnologia escapa: gás, gasolina, gasóleo, elétrico, híbrido e híbrido plug-in.

Se apostar num modelo 100% elétrico, explicamos-lhe tudo o que precisa de fazer para obter o financiamento do Governo. Para mais esclarecimentos, contacte o nosso serviço de informação.

Se ainda não é subscritor, descubra esta e outras vantagens.

Tornar-me associado