Dossiês

Como travar o sobre-endividamento

19 outubro 2022
Dados sobre o sobre-endividamento em Portugal

Antes de avançar com um empréstimo, verifique se o total das prestações ultrapassa 35% do rendimento mensal líquido.

Cuidados no crédito

Se pretende contratar um empréstimo para comprar casa ou carro, junte uma boa parte do dinheiro primeiro. Além de reduzir o seu nível de endividamento, poderá obter condições de financiamento mais vantajosas quanto maior for o valor da entrada. No caso do crédito à habitação, a entrada é obrigatória, já que os bancos no máximo podem financiar 90% do valor da compra ou da avaliação do imóvel (o que for inferior).

Antes de avançar com o empréstimo, avalie a sua situação financeira: o total das prestações não deve ultrapassar 35% do rendimento mensal líquido. Para escolher a melhor proposta, não se esqueça de utilizar a taxa anual de encargos efetiva global (TAEG), como principal indicador comparativo.

Sempre que o orçamento familiar permitir, amortize (mesmo que parcialmente) o crédito. Assim, pagará menos juros. Mas tenha em conta eventuais penalizações bancárias. No crédito à habitação é de 0,5% sobre o capital amortizado nos empréstimos de taxa variável, e de 2%, nos de taxa fixa. Nos créditos pessoais não há penalização se tiver taxa variável. Já nos de taxa fixa está fixada em 0,5%, se faltar mais de um ano para terminar o contrato, e em 0,25%, se faltarem menos de 12 meses.

SOBRE-ENDIVIDAMENTO: COMO EVITAR?
Produtos bancários Conselhos
Crédito à habitação
  • Simule diversos montantes para vários prazos de pagamento no maior número possível de bancos. Quanto mais longo for o prazo, mais caro ficará o empréstimo, mas pagará uma prestação mais baixa.
  • Informe-se sobre todas as despesas, como comissões e seguros.
  • Acautele uma eventual subida das taxas de juro: some entre 1% e 4% à taxa anunciada e verifique se consegue suportar a prestação.
Crédito ao consumo
  • Compare várias simulações de diferentes instituições de crédito e opte pela que apresentar a menor TAEG.
  • Se pretende comprar carro e não se importar de prescindir da sua propriedade imediata, opte pelo leasing. Trata-se da modalidade de financiamento mais barata para quem não tem um imóvel ou uma aplicação financeira para dar como garantia.
  • Existem finalidades de crédito com taxas de juro menores. Se a finalidade do crédito for educação, saúde, energias renováveis ou crédito automóvel, a TAEG será inferior.
  • Cuidado com as ofertas de crédito fácil que proliferam na internet através das redes sociais. Muitas delas são burlas.
Cartões de crédito
  • Pague as despesas na totalidade, recorrendo ao período de crédito sem juros (entre 20 e 50 dias). Se tiver de utilizar o crédito, verifique as condições da conta-ordenado e se existem alternativas mais baratas. Antes de optar por um cartão de crédito, analise não só a primeira anuidade, mas também as anuidades dos anos seguintes.
  • Não utilize o cartão de crédito para pagar outros créditos nem para as despesas de primeira necessidade, como supermercado. Esse tipo de utilização pode tornar-se numa bola de neve.