Dicas

Como e quando limpar chupetas e biberões

Limpar a chupeta com a saliva não é a melhor opção e é difícil chegar a um consenso sobre a esterilização de chupetas e de biberões. Desfazemos dois mitos que têm gerado dúvidas nos consumidores.

15 fevereiro 2018
chupetas

Thinkstock

Algumas entidades e fornecedores de produtos para bebés informam nas suas divulgações que as chupetas e os biberões não precisam de ser esterilizados. Outras defendem que a esterilização deve ser feita nas primeiras semanas de vida do bebé ou até aos seis meses de idade. E se a chupeta cair no chão, os pais devem limpá-la com a sua própria saliva? As questões chegaram-nos de leitores na nossa página no Facebook.

Chupeta e biberão não precisam de esterilização frequente

Em condições normais de higiene, desde que se lavem as mãos bem e com frequência, as doenças infeciosas são mais difíceis de propagar.

Há entidades que defendem que os biberões, tetinas e chupetas não necessitam de ser esterilizados com frequência. Basta lavá-los com água quente, detergente e um escovilhão, como defende a Sociedade Pediátrica Canadiana, ou na máquina de lavar a loiça.

Outras entidades referem que é importante fazer a esterilização nas primeiras semanas de vida do bebé ou até aos seis meses de idade.

O único ponto de unanimidade entre as várias entidades indica que estes produtos devem ser esterilizados antes da primeira utilização. Para tal, deve colocar a chupeta ou biberão (e tetina) em água a ferver, durante 5 minutos, antes do primeiro uso. Garanta que o produto está completamente frio antes de dá-lo ao bebé.

No caso de a chupeta cair no chão, a melhor forma de limpá-la é lavá-la com água quente e detergente, se houver essa possibilidade. É comum ouvir-se relatos de pais que limpam a chupeta com a própria boca depois de esta cair no chão. Sobre esta prática, em junho de 2013, um estudo da revista científica Pediatrics realizado na Suécia, com 184 bebés, concluiu que poderia haver alguns benefícios imunológicos para o bebé quando os pais limpavam as chupetas com a própria saliva. De acordo com o estudo, este procedimento poderia diminuir o risco de desenvolvimento de alergias nas crianças.

No entanto, depois da publicação deste estudo, a American Dental Association (ADA) veio alertar para os riscos de limpar a chupeta com a sua própria boca. De acordo com a ADA, desta forma, os pais transferem para o bebé microrganismos que podem ser potencialmente perigosos para a saúde, como é o caso das bactérias responsáveis por cáries.

Outras entidades, como a Mayo Clinic ou a Sociedade Pediátrica Canadiana, também não recomendam que a limpeza da chupeta seja feita com a boca dos pais, pelo risco de transmitir microrganismos prejudiciais à criança.

Para evitar que a chupeta caia no chão, prenda-a à roupa do bebé com um clip com corrente ou fita. Nunca a coloque à volta do pescoço do bebé devido ao risco de estrangulamento.