Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos. A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pela DECO PROTESTE. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização. Ao utilizar o nosso website você aceita desta Política e consentimento para o uso de cookies. Você pode alterar as configurações ou obter mais informações em aqui.

Velocidade da internet não é o máximo!

07 mar 2019

Em 2018, a Delegação do Minho da DECO recebeu 75 reclamações relacionadas com incumprimento contratual das operadoras de telecomunicações, sendo que a maioria se refere a problemas com a velocidade do serviço de Internet fixa. Dificuldades em visualizar vídeos sem interrupções, descarregar ficheiros do e-mail ou aceder às redes sociais são apenas algumas das falhas apresentadas pelos consumidores.

Confrontados com a realidade da fraca velocidade do serviço, alguns consumidores procuram cancelar o contrato sem ter de pagar penalizações, mas a resistência das operadoras é grande. Por outro lado, os consumidores que solicitam às operadoras assistência técnica também veem as suas expetativas goradas, pois esta ou não é prestada, ou não é eficaz ou bastante demorada.

 

 

Quando o consumidor celebra um contrato para o serviço de internet, muitas vezes incluído num pacote de telecomunicações, é indicado o acesso a determinada velocidade de internet. Porém, essa é a velocidade máxima, isto é, aquela que o consumidor pode esperar, pelo menos, num determinado período do dia e que o convence a contratar o serviço. Mas, na prática, a velocidade que consegue raramente é a máxima.

 

 

O contrato tem de estabelecer também a velocidade mínima garantida (a velocidade medida em qualquer momento nunca pode ser inferior ao valor indicado) e a velocidade normalmente disponível (valor que o consumidor pode esperar, a maioria das vezes). A operadora deve ainda indicar o período de tempo tomado como referência para cada uma das velocidades.

 

 

Assim, se verificar que existem falhas recorrentes no serviço de internet que não são solucionadas pela operadora, o consumidor tem motivo para cancelar o contrato sem custos.

 

 

A DECO Minho manifesta a sua preocupação sobre este problema, salientando-se que, frequentemente, a dificuldade de acesso ao serviço existe desde a instalação, o que significa que as operadoras vendem velocidades que não conseguem cumprir.

 

 

Caso necessite de apoio para resolver esta questão, procure-nos na Avenida Batalhão Caçadores 9, em Viana do Castelo, através do 258 821 083 ou do endereço de correio eletrónico deco.minho@deco.pt.