Notícias

Tecnologia 5G tem riscos para a saúde?

Circulam “notícias” alarmistas sobre os perigos das ondas eletromagnéticas e há até a teoria de que a 5G está relacionada com o coronavírus. Nenhum estudo científico concluiu que o risco vai aumentar e é falsa a ligação à covid-19.

  • Dossiê técnico
  • Joana Almeida e João Miguens
  • Texto
  • Cécile Rodrigues e Fátima Ramos
08 abril 2020
  • Dossiê técnico
  • Joana Almeida e João Miguens
  • Texto
  • Cécile Rodrigues e Fátima Ramos
5G

iStock

A implantação das redes móveis de quinta geração (5G) está prestes a acontecer. Vários consumidores têm-nos contactado, preocupados com “notícias” alarmistas que circulam na internet e nas redes sociais, que alertam para o aumento dos riscos das radiações eletromagnéticas: cancro do cérebro, leucemia, dores de cabeça, depressão e pensamentos suicidas são alguns problemas frequentemente citados. Recentemente, a tecnologia 5G foi associada à propagação do coronavírus, o que é falso.

Os autores daqueles boatos defendem que estas consequências irão ser potenciadas com as frequências mais elevadas das redes 5G e com o aumento do número de antenas que esta nova tecnologia requer. Eis as respostas às principais questões que nos têm chegado.

As frequências do 5G são muito mais elevadas e mais nocivas para a saúde?

O 5G faz uso da radiação eletromagnética, com um efeito semelhante às redes móveis 2G, 3G e 4G para o corpo humano. O 5G em Portugal irá usar sobretudo duas faixas de frequência: 700 MHz e 3,6 GHz. A primeira é inferior às frequências utilizadas nas tecnologias móveis atuais e a segunda, embora mais elevada, não coloca os utilizadores em risco. Os alarmismos não se justificam. Até porque estudos verificaram que quanto mais elevadas são as frequências, menor é a penetração das ondas no tecido humano: a pele atua como um filtro para as ondas eletromagnéticas com frequências mais elevadas. Quanto mais elevadas as frequências, menor é a penetração das ondas, reduzindo a exposição dos órgãos internos.

Mais antenas aumentam o nível de radiação?

Com o 5G, a paisagem urbana será marcada por novas antenas em toda a parte: prevê-se um número muito maior de antenas e de estações de base, mais próximas do solo e dos utilizadores, o que tem gerado ondas de pânico junto de alguns grupos da população. Nas zonas urbanas, o 5G irá utilizar faixa de frequências mais elevada e, consequentemente, as ondas terão menor alcance. Serão, por isso, necessárias mais antenas e estações de base. No entanto, mais antenas e menor distância não significa maior exposição às radiações eletromagnéticas: as múltiplas antenas 5G serão mais pequenas e irão operar com níveis de potência mais baixos.

As ondas eletromagnéticas aumentam o risco de cancro do cérebro?

O conhecimento científico nesta área continua a evoluir e os dados de novos estudos serão importantes para enquadrar cada vez melhor as questões de segurança. No entanto, até à data, não existem evidências científicas robustas que permitam concluir que a radiação eletromagnética aumenta o risco de cancro do cérebro ou causa outro tipo de danos. Este tipo de cancro continua a ser raro e a sua incidência não tem aumentado (ver gráfico em baixo), apesar de a utilização de smartphones se ter massificado. Despendemos, hoje, muito mais tempo ao telemóvel, mas com outro tipo de tarefas: ao usar as aplicações e as redes sociais, por exemplo, o smartphone está nas mãos e não encostado à cabeça.

Gráfico cancro do cérebro não aumentou 

Utilização prudente do smartphone

São muitos os que temem as radiações das antenas e das estações de base, mas a verdade é que um telemóvel ao ouvido sujeita-nos a um nível de radiação muito superior ao de uma antena instalada a centenas de metros. A razão é que o nível de radiações é fortemente atenuado com a distância.

Com chamadas prolongadas, os tecidos junto à orelha tendem a aquecer. Devemos, por isso, ser cautelosos no uso do telemóvel. Sugerimos-lhe algumas medidas.

  • Evite ou encurte chamadas em espaços com má receção, como no elevador, na cave ou nos parques de estacionamento subterrâneos.
  • Não durma com o telemóvel na mesa de cabeceira, a não ser que o desligue ou ative o modo de voo.
  • Sempre que possível, use auriculares ou o modo mãos livres. Os auriculares com fios são preferíveis: os sem fios funcionam com Bluetooth que emite radiações na faixa dos 2,4 GHz, embora a potência máxima destes dispositivos seja centenas de vezes mais baixa do que a de um telemóvel.
  • Aproxime o telemóvel do ouvido só após o primeiro toque, quando liga, ou depois de atender, quando recebe uma chamada.

5G: a revolução nas telecomunicações móveis

A nova geração de redes móveis irá permitir um desempenho muito superior face ao 4G, em termos de fluxo de dados, capacidade e velocidade da resposta da rede. 

A tecnologia 5G tem uma velocidade de transmissão que pode alcançar os 10 Gbps, 10 vezes superior à tecnologia atual; uma resposta de rede que vai ser 6 vezes mais rápida (ou seja, inferior a 6 milissegundos) e a possibilidade de ligação a um número mais elevado de equipamentos (entre 10 a 100 vezes mais).

A internet móvel será quase instantânea, com repercussões práticas, nomeadamente na área da inteligência artificial, da saúde e da indústria automóvel, como, por exemplo, na condução remota de veículos automóveis e drones, condução autónoma ou serviços de emergência.

É nosso subscritor e precisa de esclarecimentos personalizados sobre este tema? Contacte o nosso serviço de assinaturas. Relembramos ainda que pode aceder a todos os conteúdos reservados do site: basta entrar na sua conta

Se ainda não é subscritor, conheça essas e as demais vantagens da assinatura.

Subscrever

 

O conteúdo deste artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais com o consentimento expresso da DECO PROTESTE, com indicação da fonte e ligação para esta página. Ver Termos e Condições.