Notícias

Trabalho por turnos: alteração de hábitos tem riscos para a saúde

26 abril 2017
Trabalho por turnos: alteração de hábitos tem riscos para a saúde

26 abril 2017
Alterações no apetite, aumento de peso, perturbações de sono e fadiga são alguns dos problemas de saúde de quem trabalha por turnos. Grávidas e portadores de deficiência podem pedir dispensa.

Início

O trabalho por turnos é uma realidade cada vez mais comum para responder às novas necessidades das empresas. Apesar de, nalguns casos, haver um acréscimo de 25% na remuneração se o trabalho for realizado em horário noturno, há riscos para a saúde a ter em conta. Por exemplo, quem trabalha por turnos tem tendência a ingerir alimentos mais calóricos e ricos em gordura saturada.

A alteração dos hábitos de vida, alimentares e de sono resultantes do trabalho por turnos aumenta o risco de obesidade, diabetes tipo II, doenças cardiovasculares, problemas digestivos e deficiência de vitamina D - se houver baixa exposição solar. As alterações no apetite e comer fora de horas levam a uma maior apetência para alimentos e bebidas ricos em açúcares e à tentação de recorrer aos snacks (ricos em gordura saturada, sal e açúcares) em vez de se fazer uma refeição saudável e equilibrada. Como resultado, é normal verificar-se um aumento de peso e alterações gastrointestinais (prisão de ventre, gases, dificuldade de digestão e dor abdominal). Fazer uma refeição pesada à noite também é desaconselhável, porque dificulta a digestão e pode perturbar o sono e contribuir para a fadiga. A ingestão indiscriminada de cafeína - sem ser pontualmente, para tarefas que exijam maior alerta - é outro dos fatores que contribuem para as alterações de sono.

Regras apertadas para o horário noturno

O trabalho noturno pode implicar maiores riscos para o organismo. Por isso, a lei não define um tempo máximo de permanência, mas aperta as regras relacionadas com a segurança e a saúde. Antes de integrar um trabalhador no horário noturno, as empresas devem avaliar os riscos inerentes à atividade e considerar a condição física e psíquica do trabalhador. Além disso, também devem proporcionar-lhe um exame médico gratuito e sigiloso para avaliar o seu estado de saúde (a lei obriga a que as empresas realizem exames anualmente ou de 2 em 2 anos, de acordo com a idade do trabalhador).

Quando a saúde se ressente

Caso, nos exames médicos, se verifique que o trabalhador apresenta problemas de saúde persistentes que podem estar relacionados com os turnos, devem ser implementadas ações para minimizar esses efeitos. Essas ações podem passar por planeamento de horários (rotação dos turnos e folgas, por exemplo) ou por estratégias do trabalhador para minimizar os problemas.

Se, mesmo assim, os problemas de saúde persistirem, para não prejudicar o trabalhador, deverá ser articulada com a empresa a possibilidade de atribuição de horário diferente ou a recolocação noutro posto de trabalho (desde que compatível com a atividade e habilitações do trabalhador). No entanto, esta solução nem sempre é fácil para as empresas.

Grávidas, portadores de deficiência e menores de 16 anos dispensados

Por ser considerado mais exigente para o organismo do que o diurno, o trabalho noturno não é recomendado a todos. As grávidas podem pedir para não trabalhar à noite, desde que apresentem um atestado médico que comprove que tal é necessário para a preservação da sua saúde ou do bem-estar do bebé. No caso de uma trabalhadora que desempenhe sempre a sua profissão à noite, deve ser-lhe atribuído um trabalho diurno compatível com as suas funções. Se não for possível, será dispensada do trabalho e terá direito a um subsídio da Segurança Social equivalente a 65% da remuneração de referência (variável consoante o salário). Um trabalhador com doença crónica ou portador de deficiência também pode pedir esta dispensa se o trabalho noturno prejudicar a sua saúde ou puser em causa a sua segurança. Já os menores de idade só excecionalmente podem trabalhar em horário noturno. E nunca entre as 20 e as 7 horas, se tiverem menos de 16 anos. Mesmo nesta idade, está interdito o trabalho entre a meia-noite e as 5 horas.