Dicas

Ração para gatos: poupe € 215 por ano

28 dezembro 2015

28 dezembro 2015

As marcas testadas falham sobretudo na gordura e na proteína. Ainda assim, encontrámos boas opções para alimentar o seu gato e poupar no orçamento familiar.

Início

Cerca de 200 a 300 quilocalorias por dia é o que um gato normal precisa para se manter saudável: a quantidade depende sobretudo da atividade. Fora de casa, é obrigado a caçar. Um rato ou um pássaro representa cerca de 30 quilocalorias. Para ficar bem alimentado, precisa de uns sete a dez animais todos os dias, e a sorte nem sempre bate à porta. Além disso, os gatos de rua estão sujeitos a ingerir refeições deterioradas e a contrair doenças.

Mas a comida para seres humanos também não é a solução. O metabolismo dos gatos é diferente do nosso, pelo que nem sempre consegue digerir aquilo que comemos. Por exemplo, os gatos conseguem manter os níveis de glucose estáveis e não precisam de fontes de hidratos de carbono. Neste caso, quanto menos, melhor. Também não digerem a lactose. Daí o leite poder provocar diarreia nos mais sensíveis. Problemas de saúde ou mesmo a morte são possíveis consequências da ingestão de alimentos convencionais.

Para um gato doméstico viver longos anos, o mais adequado são as rações completas de comida seca, que fornecem todos os nutrientes necessários. Bastam 100 gramas diários para um gato com 5 quilos. Duas a três vezes por semana, pode consumir alimento húmido, que contém mais gordura e é bastante mais condimentado. “A ração seca estimula o consumo de água e ajuda a prevenir o tártaro: em termos simples, é como uma escova de dentes”, explica a veterinária Catarina Cruz, que entrevistámos.

A veterinária Catarina Cruz comentou os hábitos alimentares de quatro gatos da Grande Lisboa.
A veterinária Catarina Cruz comentou os hábitos alimentares de quatro gatos da Grande Lisboa.

Imprimir Enviar por e-mail