Notícias

Como escolher o melhor crédito pessoal

Para financiar uma pequena obra em casa ou até umas férias num destino paradisíaco, um crédito pessoal é muitas vezes a solução para investimentos que vamos adiando. Mas há cuidados a ter para que o investimento não saia demasiado caro.

  • Dossiê técnico
  • Margarida Zacarias
  • Texto
  • Ana Rita Costa e Alda Mota
26 julho 2021
  • Dossiê técnico
  • Margarida Zacarias
  • Texto
  • Ana Rita Costa e Alda Mota
saco de dinheiro

iStock

O valor de crédito atribuído às famílias tem crescido de ano para ano. De acordo com a Pordata, em 2020, ano em que muitas famílias sofreram uma quebra nos rendimentos, foram emprestados, em Portugal, 6575 milhões de euros, o segundo valor mais alto desde 2011. Aceder a um crédito pessoal é cada vez mais fácil e com apenas alguns cliques, e sem ter de sair de casa, consegue ter o dinheiro na conta à ordem em apenas algumas horas.

Para aumentar a proteção dos consumidores junto das instituições de crédito, em 2010 foi criado o regime de taxas máximas, que limita as taxas que estas podem praticar. Trimestralmente, o Banco de Portugal publica as taxas máximas que podem ser praticadas para os diferentes tipos de créditos (pessoal, automóvel, cartões de crédito). No terceiro trimestre deste ano, nos contratos de crédito pessoal, os bancos não podem cobrar uma TAEG (taxa anual de encargos efetiva global) superior a 13,0%. Quando esta taxa é ultrapassada, os bancos ajustam algum parâmetro para que a proposta se enquadre no limite. Se isso não acontecer e lhe apresentarem uma TAEG superior à permitida, não aceite e reclame.

Fazer contas antes de contratar um crédito

Embora a ideia de realizar alguns sonhos sem ter de esperar até amealhar o valor de que necessita possa parecer atrativa, deve lembrar-se que quando se contrata um crédito o capital é devolvido com os respetivos juros.

As instituições de crédito devem avaliar a solvabilidade dos clientes quando estes solicitam algum crédito, reunindo toda a informação e documentação necessárias para perceber se o cliente tem a capacidade de pagar o crédito que está a pedir. Contudo, o consumidor também deve fazer uma avaliação aos seus próprios rendimentos antes de contratar um crédito. O peso de todas as prestações que tem para pagar não deverá ultrapassar 35% do seu rendimento mensal líquido. 

Se depois de fazer estas contas concluir que consegue pagar uma nova prestação, é importante que escolha a melhor opção. O ideal é que tenha o menor custo possível com o crédito pessoal.

Deve fazer várias simulações, iguais em montante financiado e prazo, e comparar a TAEG (taxa anual de encargos efetiva global), que contempla juros, comissões, impostos e custos com seguros.

O nosso simulador ajuda-o a encontrar o crédito pessoal mais vantajoso.

Simular crédito pessoal

É frequente as instituições de crédito proporem a contratação de alguns produtos, como seguros, em troca de uma redução na taxa de juro aplicada ao crédito que está a solicitar. Nesse caso, analise se a subscrição destes produtos tem custos associados e se estes não anulam a poupança que terá na prestação. Se for o caso, prefira o crédito sem produtos associados. Poupar no crédito para depois acabar por ter mais custos devido aos produtos associados não é a melhor solução. Ainda assim, se lhe propuserem produtos sem custos, como a domiciliação de vencimento ou a adesão ao homebanking, aproveite.

Qual o melhor crédito pessoal?

No início de julho, analisámos 30 produtos de crédito pessoal, de 18 instituições de crédito, e calculámos as prestações e TAEG para as diversas ofertas de cada instituição. São poucas as ofertas que não cobram comissões pela análise ou pela contratação das propostas de crédito. Na maioria das instituições, esse valor é cobrado e pode ir desde 1%, como é o caso do ActivoBank, a 3,75%, como no Santander.

5000 euros pagos em 24 meses

No primeiro cenário, para um financiamento de 5000 euros, pagos em 24 meses, a escolha acertada é o Super Crédito Pessoal, do Crédito Agrícola. Com uma TAEG de 7,6%, teria uma prestação de 218,64 euros e um custo total do crédito de 5379,39 euros, o que permitiria uma poupança ao longo dos dois anos de 309,53 euros face à média do mercado. Na tabela abaixo, apresentamos as três melhores ofertas do mercado para este cenário.

Instituição de crédito Designação Custos iniciais
Prestação
TAN
%
TAEG
máxima
%
MTIC
Crédito Agrícola Super Crédito Pessoal 0 218,64 4,5 7,6 5379,39
Caixa Geral de Depósitos Caixadirecta Multifinalidade 0 219,84 5,02 8,1 5408,22
Banco BPI Crédito Imediato 33,8 220,74 5,4 9,3 5463,53

10 000 euros pagos em 48 meses

No segundo cenário, para um financiamento de 10 000 euros, pagos num prazo de 48 meses, a melhor opção é o Crédito Pessoal Caixadirecta Multifinalidade, da Caixa Geral de Depósitos. De contratação exclusiva online através do homebanking, este crédito pessoal apresenta a TAEG mais baixa, com 6,8%. A prestação seria 231,28 euros e no final dos quatro anos teria um custo total de 11 365,23 euros, o que permite uma poupança de 1098,66 euros durante a duração do contrato. Veja, na tabela abaixo, quais as três melhores ofertas para este cenário.

Instituição de crédito Designação Custos iniciais
Prestação
TAN
%
TAEG
máxima
%
MTIC
Caixa Geral de Depósitos Caixadirecta Multifinalidade 0 231,28 5,02 6,8 11365,23
ActivoBank Crédito Multiúsos 104 240,76 7 9,6 11924,66
Banco Montepio Crédito Pessoal 312 240,76 7 10,9 12132,66

25 000 euros pagos em 84 meses

Já no último cenário, para um financiamento de 25 000 euros, pagos em 84 meses, a opção que se destacou foi o Crédito Multiúsos, do Activo Bank. Esta opção pode ser pedida à distância, através da aplicação do banco, e tem uma TAEG de 8,6%. Com este crédito, teria uma prestação mensal de 380,75 euros e pagaria ao banco 32 798,84 euros ao longo dos sete anos, conseguindo uma poupança ao longo do contrato de 2648,38 euros. Saiba qual o "top 3" das melhores ofertas para este cenário na tabela abaixo.

Instituição de crédito Designação Custos iniciais
Prestação
TAN
%
TAEG
máxima
%
MTIC
ActivoBank Crédito Multiúsos 156 380,75 7 8,6 32798,84
Banco Montepio Crédito Pessoal 780 380,75 7 9,5 33422,84
Crédito Agrícola Crédito ao Consumo Taxa Variável 260 398,44 8,37 10,4 34388,89

Poupar no crédito

Além das simulações e de uma análise cuidada das condições oferecidas pelas instituições bancárias, há dicas que o podem fazer poupar no seu crédito pessoal.

  • Os bancos podem cobrar comissões pela análise e contratação do crédito. Alguns propõem juntar ao valor que solicitou os custos destas comissões, seguros e ainda o imposto do selo sobre a utilização do crédito. Opte por não juntar, pois irá estar a pagar juros sobre esse valor, o que irá encarecer o crédito no total;
  • Escolha o menor prazo que lhe permita ter uma prestação confortável para o seu orçamento mensal. Com um prazo superior terá uma prestação mais baixa, mas estará mais tempo a pagar, o que implica um valor maior de juros pagos. Por exemplo, num financiamento de 5000 euros, aumentar o prazo de dois para cinco anos pode aumentar o custo total do crédito em 370 euros.

Junte-se à maior organização de consumidores portuguesa

A independência da DECO PROTESTE é garantida pela sustentabilidade económica da sua atividade. Manter esta estrutura profissional a funcionar para levar até si um serviço de qualidade exige uma vasta equipa especializada.

Registe-se para conhecer todas as vantagens, sem compromisso. Subscreva a qualquer momento.

Junte-se a nós

 

O conteúdo deste artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais com o consentimento expresso da DECO PROTESTE, com indicação da fonte e ligação para esta página. Ver Termos e Condições.

Exclusivo subscritores

Descubra todas as vantagens durante 2 meses, por apenas € 2

Além do acesso ilimitado ao portal, tem mais de 50 juristas ao seu dispor, o cartão DECO + para descontos imediatos e revistas com estudos independentes.

Se já é nosso subscritor, faça login.


Subscrever