Dicas

7 regras para evitar o roubo de identidade online

Créditos ou compras indevidas podem ser as consequências de um roubo de identidade. Saiba como agir e prevenir, com uma navegação online segura.

  • Dossiê técnico
  • Sofia Lima
  • Texto
  • Cláudia Sofia Santos
28 outubro 2020
  • Dossiê técnico
  • Sofia Lima
  • Texto
  • Cláudia Sofia Santos
Impressão digital sobre algoritmos num ecrã de computador

iStock

O furto ou roubo de identidade não é considerado um crime “per si”. Trata-se de um fenómeno que, dependendo da forma como é realizado e do que fizerem com a identidade da vítima, pode resultar na prática de diferentes tipos de crime, como o acesso ilegítimo (phishing),  burla informática e nas comunicações (transferência de dinheiro da conta da vítima para outra) ou violação de correspondência ou de telecomunicações (abertura de cartas ou encomendas).

O roubo de identidade acontece tanto no mundo físico como no digital. Contudo, os seus autores recorrem cada vez mais às novas tecnologias para o concretizar. Este fenómeno tem registado um aumento exponencial no nosso país, nomeadamente o praticado no mundo digital. De acordo com o Relatório Anual de Segurança Interna de 2019, registou-se uma subida de 66,7% dos casos de burla informática e nas comunicações, relativamente ao ano anterior. A falsidade informática, subiu também a 57,3 por cento.

Cuidados para uma navegação online segura

Adotar precauções e medidas de segurança online para evitar o roubo de identidade é essencial, uma vez que este é um fenómeno com um aumento exponencial em Portugal.

Evite o phishing 

Antes de inserir uma palavra-passe, confirme se o site é conhecido e se o endereço de URL coincide com o nome da empresa ou a informação que procura. Também deve confirmar se o URL começa com https:// precedido de um pequeno cadeado. Esteja também atento a pop-ups (janelas que se abrem no navegador ao visitar um site ou ao aceder a um link específico) do estilo spam (envio de publicidade em massa). Certifique-se ainda de que o e-mail ou a página de internet não apresenta uma oferta demasiado boa para ser verdade (por exemplo, ganhar muito dinheiro sem esforço) e se o texto tem gralhas ou erros ortográficos graves ou aparenta uma tradução inadequada. Se for vítima de phishing, altere imediatamente as palavras-passe de todas as contas online e avise as pessoas que constam na sua lista de contactos. Estas podem vir a ser os próximos alvos.

Não envie dinheiro a anunciantes

Não acredite em anúncios de trabalho que lhe peçam para transferir dinheiro como pretexto de pagamentos de futuros “serviços de recrutamento”. A única finalidade é ter acesso ao máximo possível de informação, tal como contas bancárias e usurpar dinheiro.

Use bem os serviços bancários

Escreva sempre o nome do banco no navegador de internet, para garantir a entrada no site oficial do banco. Não forneça mais de três números do cartão matriz para efetuar o login. Um pedido desse tipo pode ser vírus. Não aceda a informação sensível, como contas bancárias, através de redes de wi-fi públicas ou abertas, nem a partir de computadores desconhecidos. Logo que termine a operação, feche a sessão no site ou aplicação do banco.

Desconfie de telefonemas, e-mails ou sms suspeitos

Se receber um telefonema, e-mail ou sms a dar-lhe instruções para fazer algo ou a dizer-lhe que ganhou um prémio, confirme a legitimidade de quem está a pedir as informações (por telemóvel, e-mail ou por outro meio), bem como a necessidade de fornecer esses dados. Se a resposta não o convenceu, termine de imediato a chamada ou apague o e-mail ou sms.

Nos e-mails de origem desconhecida ou suspeita, não descarregue anexos, não responda, nem clique em links. Se tiver dúvidas em relação a um e-mail de uma instituição bancária, por exemplo, contacte-a para confirmar se a mensagem é fidedigna.

Proteja as palavras-passe e acessos a contas e equipamentos

Assim que o router (dispositivo que fornece wi-fi) for instalado, altere a palavra-passe para uma pessoal e intransmissível. Para tal, aceda ao site do administrador do router e introduza o nome de utilizador e a palavra-passe que aparecem no próprio dispositivo. Altere a palavra-passe para uma segura e nas opções de segurança da rede wi-fi, procure os parâmetros que permitem utilizar autenticação (WPA2-PSK) e a encriptação (AES). Por último, desative o modo WPS. É desejável que a palavra-passe escolhida seja complexa e contenha diversos caracteres. Pelo menos, oito caracteres diferentes formados por maiúsculas, minúsculas, números e símbolos, e não deve ser constituída por dados pessoais, como nomes de familiares ou números de telefone.

Utilizar uma única palavra-passe para aceder a todas a contas, dispositivos e redes sociais não é uma boa opção, uma vez que se alguém conseguir aceder a uma conta facilmente conseguirá aceder às restantes. Pode também proteger o acesso às suas contas (de e-mail, por exemplo) através de uma verificação em dois passos. Assim, de cada vez que a palavra-passe é utilizada, é enviado um código para o telemóvel, que permite aceder à conta ou dispositivo em questão.

Nos computadores ou equipamentos móveis, os antivírus, anti-spyware, firewall e proteção anti-spam devem estar sempre atualizados. Utilize sempre uma palavra-passe e encerre a sessão antes de os desligar ou sair das respetivas aplicações. Se vender ou deitar fora os equipamentos, remova toda a informação pessoal.

Não partilhe dados privados em redes sociais

Tudo o que se partilha numa rede social pode ser tornado público, logo não divulgue informações pessoais, como data de nascimento, morada, número de telefone, localização, nem fotografias ou vídeos que considere privadas, especialmente com crianças. Não aceite pedidos de amizade de pessoas que não conhece e leia com atenção os termos e condições e política de privacidade da rede social em questão.

Evite autorizar a fotocópia do cartão de cidadão 

Reproduzir o cartão de cidadão sem o consentimento do titular era um ato banal por parte de bancos, empresas de telecomunicações ou até o Estado, mas há anos que a lei o proíbe. Quem quebrar as regras sujeita-se a coimas entre 250 a 750 euros.

Os dados dos cidadãos devem ser introduzidos num sistema informático, num formulário ou noutra plataforma, na sua presença. Para quê ficar com a reprodução de um documento com dados pessoais, quando este pode ser pedido às pessoas para verificação de identidade e depois devolvido? Nem mesmo online é legítima a exigência uma vez que o cartão tem um chip e um código PIN que permitem fazer a identificação à distância.

Esta proibição visa evitar o roubo de identidade através da falsificação ou alteração do cartão de cidadão, que contém informações sensíveis, como o número de identificação, da Segurança Social, a identidade fiscal e a assinatura. É fácil substituir a fotografia e assinar um contrato com os dados pessoais do verdadeiro titular, prejudicando-o.

Não havendo legislação que autorize fotocopiar o cartão de cidadão, resta às entidades encontrar uma forma alternativa de confirmar a identidade dos cidadãos, se estes não autorizarem a sua reprodução. Em caso de intransigência por parte das instituições ou empresas, os consumidores podem fazer uma queixa no livro de reclamações ou através do Portal do Cidadão, que será depois avaliada pelo Instituto dos Registos e Notariado.

O que fazer se for vítima de roubo de identidade

Assim que detetar que a sua identidade foi usurpada, deve contactar o banco e cancelar os cartões de crédito e débito e o acesso ao homebanking. Depois, deve apresentar queixa contra desconhecidos nas autoridades policiais. Será aberto um inquérito. Deve também verificar extratos bancários e relatórios dos cartões de crédito e débito, tentando identificar operações que tenham sido realizadas após o roubo de identidade.

Podem ser contraídos créditos, feitas compras ou, em casos mais extremos, dependendo do foco do assalto, traficadas crianças. Todos os e-mails, sms, cartas ou registos de comunicações trocados com as diversas entidades contactadas (por exemplo, os bancos) devem ser guardados, já que constituem meios de prova.

Não obstante a apresentação da queixa no âmbito do processo crime, deve também estar ciente de que pode ser desencadeado um processo cível. Ou seja, num caso de roubo de identidade se alguém contrair uma dívida em nome da “vítima”, esta tem de provar que a mesma não foi contraída por si. E tratando-se de um processo executivo, deve "contestar" a execução. Caso contrário, assumirá o pagamento de algo pelo qual não é responsável.

Cancelar os documentos de identificação e arranjar novos, é o passo seguinte, assim como confirmar a informação que consta no registo criminal. A entidade empregadora também deve ser informada do sucedido, uma vez que pode vir a ter conhecimento de algum facto, que não corresponde à verdade.

Por último, deve verificar se existe alguma responsabilidade de crédito assumida em seu nome na central de responsabilidades do Banco de Portugal e contactar o banco, enviando a queixa, caso detete alguma irregularidade.

Junte-se à maior organização de consumidores portuguesa

Num Mundo complexo e com informação por vezes contraditória, a DECO PROTESTE é o sítio certo para refletir e agir.

  • A nossa missão exige independência face aos poderes políticos e económicos. 
  • Testamos e analisamos uma grande variedade de produtos para garantir que a escolha dos consumidores se baseia em informação rigorosa. 
  • Tornamos o dia-a-dia dos consumidores mais fácil e seguro. Desde uma simples viagem de elevador ou um desconto que usamos todos os dias até decisões tão importantes como a compra de casa.
  • Lutamos por práticas de mercado mais justas. Muitas vezes, o País muda com o trabalho que fazemos junto das autoridades e das empresas. 
  • Queremos consumidores mais informados, participativos e exigentes, através da informação que publicamos ou de um contacto personalizado com o nosso serviço de apoio.

A independência da DECO PROTESTE é garantida pela sustentabilidade económica da sua atividade. Manter esta estrutura profissional a funcionar para levar até si um serviço de qualidade exige uma vasta equipa especializada.

Faça parte desta comunidade.

Registe-se para conhecer todas as vantagens, sem compromisso. Subscreva a qualquer momento.

Junte-se a nós

 

O conteúdo deste artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais com o consentimento expresso da DECO PROTESTE, com indicação da fonte e ligação para esta página. Ver Termos e Condições.