Dicas

Divórcio: filhos recebem pensão de alimentos até aos 25 anos

14 janeiro 2022
Responsabilidades dos pais divorciados quanto ao pagamento da pensão de alimentos dos filhos.

As despesas devem ser repartidas entre os progenitores, desde que os filhos estejam a estudar ou em formação profissional. A contribuição pode ser entregue aos filhos maiores, se o juiz decidir ou os pais assim o acordarem.

A lei já prevê, há alguns anos, o pagamento de pensão de alimentos a maiores de 18 anos e até aos 25 anos, desde que continuem a estudar.

A pensão de alimentos não visa apenas suportar as despesas relacionadas com alimentação do menor. Abrange todos os demais gastos associados ao dia-a-dia da criança ou jovem, como é o caso do vestuário, despesas de educação, entre outras. A intenção é que o menor mantenha uma vida compatível com o padrão a que estava habituado. O cumprimento desta obrigação é uma imposição legal, não está no livre arbítrio dos pais do menor. Além disso, esta pensão de alimentos é devida ao menor e não ao progenitor que cuida dele. No entanto, pode haver divisão das despesas dos filhos entre progenitores num cenário de guarda partilhada.

Em caso de divórcio, separação judicial de pessoas e bens, declaração de nulidade ou anulação do casamento, ou seja, quando deixa de haver vida em comum entre os pais, as pensões de alimentos aos filhos podem prolongar-se além dos 18 anos e até aos 25 anos, desde que seja razoável exigir ao progenitor essa obrigação.

É possível que a pensão de alimentos possa ser prolongada além dos 25 anos se o filho se mantiver a estudar ou frequentar ações de formação profissional. Além de poder ser o filho a solicitar, também se reconhece ao progenitor a quem cabe o encargo de pagar as principais despesas a possibilidade de pedir para as repartir com o outro progenitor.

À partida, a pensão de alimentos resulta de mútuo acordo dos pais, mas, na inexistência de acordo, tem de ser pedida em tribunal. O pedido pode ser feito pelo Ministério Público, pelo representante legal do menor ou pela pessoa a quem cabe a respetiva guarda.

As alterações à pensão, como é o caso de uma redução devido a uma diminuição abrupta dos rendimentos, têm de ser autorizadas pelo tribunal.

Exceções ao pagamento da pensão de alimentos

Podem existir exceções a estes casos, quando os pais provam que o pagamento de uma pensão de alimentos já não faz sentido pelo contexto financeiro de vida do jovem. Como, por exemplo, se este já tiver concluído o seu processo de educação ou formação profissional ou se, pelo contrário, não estuda, não trabalha e nada faz que lhe permita prover o seu autossustento.

O pagamento pode ser suspenso por acordo entre as partes ou se o progenitor que tem a obrigação de pagar provar que já não faz sentido mantê-lo. Caso não haja acordo entre os progenitores (ou o progenitor e o filho maior), quem quer deixar de pagar a pensão deve intentar uma ação judicial e provar em tribunal as razões para a suspensão do pagamento.

Falha nos pagamentos deve ser reclamada em tribunal

Caso o progenitor que não vive com o jovem se recuse a dividir as despesas, o caso pode ser apreciado em tribunal e será o juiz a analisar o contexto em que vive o jovem.

Se o progenitor que paga a pensão deixar de pagar, cabe ao progenitor que vive com o jovem reclamar os pagamentos em tribunal. O requerimento pode ser apresentado assim que passarem dez dias sobre a data em que o pagamento da pensão deveria ter sido feito.

Caso o progenitor faltoso trabalhe, pode ser-lhe penhorada parte do salário. Se receber rendas, pensões, subsídios, comissões, percentagens, emolumentos, gratificações, comparticipações ou quaisquer outros rendimentos semelhantes, também estes podem ser alvo de penhora. Os montantes deduzidos são diretamente entregues a quem deve recebê-los. Além disso, a lei contempla sanções penais para os pais que não paguem a pensão de alimentos e que tenham condições para tal. Se não cumprir essa obrigação no prazo de dois meses, é punido com pena de multa até 120 dias (por cada dia de multa, terá de pagar entre 5 e 500 euros). Fazendo-o de forma reiterada, fica sujeito a pena de prisão até um ano ou multa até 120 dias. Finalmente, se puser em perigo a satisfação das necessidades fundamentais dos filhos, a pena de prisão pode chegar a dois anos e a multa a 240 dias.

Se o progenitor não pagar por estar desempregado ou não ter rendimentos, existe o Fundo de Garantia de Alimentos Devidos a Menores, que se substitui ao progenitor mas cessa quando o filho atinge os 18 anos. O processo para acionar o fundo, que funciona no âmbito da Segurança Social, pode ser desencadeado pelo Ministério Público ou pelo representante do menor, junto do tribunal da área de residência. O valor a atribuir dependerá das necessidades do menor, dos rendimentos da família e do valor da pensão de alimentos em falta.

Junte-se à maior organização de consumidores portuguesa

A independência da DECO PROTESTE é garantida pela sustentabilidade económica da sua atividade. Manter esta estrutura profissional a funcionar para levar até si um serviço de qualidade exige uma vasta equipa especializada.

Registe-se para conhecer todas as vantagens, sem compromisso. Subscreva a qualquer momento.

Junte-se a nós

 

O conteúdo deste artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais com o consentimento expresso da DECO PROTESTE, com indicação da fonte e ligação para esta página. Ver Termos e Condições.