Dicas

Calendário de peixe e companhia: os melhores meses para consumir cada espécie

Início

Qual o melhor peixe para comer em cada mês? E quais as espécies ameaçadas que não devemos mesmo consumir? Escolha a categoria e o pescado e descubra o mês ideal para o degustar.

08 junho 2022
Redes de pesca

iStock

A ingestão frequente de pescado é recomendada como a base de uma dieta alimentar adequada. Mas, se lhe compete cozinhar e acha que alternar entre carapau, salmão e dourada na peixaria é o suficiente, está na altura de lhe dizermos que ainda só sabe da missa a metade. A escolha da espécie a consumir deve ser diversificada, sim, mas a espécie por que optar e a altura do ano em que o faz, bem como o método de captura que foi utilizado para trazer o pescado até si, são outros elementos que deve ter em conta para fazer uma boa escolha. 

Qual a altura ideal para comer pescado?

A DECO PROTESTE criou um calendário que permite aos consumidores verificar qual o período ótimo de consumo de peixe, moluscos e crustáceos. Esta ferramenta tem em conta não somente a preservação das espécies (com especial enfoque no período de reprodução), mas também a altura do ano em que elas nos sabem melhor.

CALENDÁRIO DE PESCADO

Clique nos grupos para ver a informação detalhada de cada espécie.

 

Como pesquisar no calendário de pescado?

Selecionámos algum do pescado mais representativo no mercado português e, dentro desse, o que pode ser capturado na nossa costa. Não foram incluídas espécies de aquicultura, tais como o salmão, ou que não habitam as nossas águas, como o bacalhau.

As espécies encontram-se agrupadas em separadores por ordem alfabética da designação oficial. Imaginando que gosta de polvo, por exemplo, e pretende ver se esta é uma boa opção para a sua mesa, pode encontrá-lo no separador dos cefalópodes, junto da lula, da pota e do choco. As amêijoas, o berbigão e o mexilhão podem ser encontrados no separador dos univalves/bivalves. Para os amantes de sapateira, camarão e perceve, é procurar nos crustáceos.

Para definir o risco de ameaça das espécies, foi analisada a Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN – International Union for Conservation of Nature (União Internacional para a Conservação da Natureza). As espécies assinaladas com um semáforo vermelho não devem ser consumidas porque se encontram ameaçadas de extinção; a laranja estão as que se encontram em “situação vulnerável”; o amarelo assinala as espécies quase ameaçadas; e o pescado marcado a verde pode ser consumido, idealmente dentro do período aconselhado, porque apresenta um risco de extinção considerado de “menor preocupação”.

Para cada espécie, é apresentado um calendário onde está assinalado o período ótimo de consumo. Os meses que não estão marcados devem ser encarados como uma altura menos propícia para o consumo, por exemplo, porque determinada espécie está no defeso (altura do ano em que não pode ser pescada, porque se encontra em reprodução).

Por exemplo, na ficha referente ao polvo, todos os meses estão assinalados a verde, portanto, o consumo desta espécie é aconselhado o ano inteiro. Mas vejamos o caso da sardinha, com período de defeso de janeiro a maio. O facto de o calendário não assinalar junho significará que desaconselhamos o seu consumo nas festas populares de Lisboa? Nem tanto. O consumidor pode, sim, comer sardinha em junho, mas deve ter em conta que o período de reprodução desta espécie ocorre até ao final da primavera, e em junho a sardinha poderá ainda não ter tido tempo para engordar o suficiente de modo a estar no seu melhor. Porque neste mês pode não ser tão saborosa, junho ainda não faz parte do seu período ótimo de consumo – não é por acaso que muitas vezes se diz que a sardinha "ainda não pinga no pão”.

Para os fãs de jaquinzinhos e petingas, é bom alertar para a compra de pescado abaixo do tamanho recomendado. A comercialização de pescado obedece a requisitos legislados. Quem fura o sistema, como diz o povo, não está mais do que "a armar-se em carapau de corrida": além de a sua comercialização abaixo de determinado tamanho ser ilegal, pode pôr em risco a sobrevivência do pescado. O nosso calendário apresenta, por isso, a indicação do tamanho mínimo de captura para cada espécie, para que o consumidor possa guiar-se também neste aspeto.

Conhecer as características nutricionais e o uso culinário mais comum de cada espécie, sobretudo para quem procura hábitos alimentares mais saudáveis é outro aspeto que fica facilitado com a consulta do calendário. E, uma vez que as artes de pesca não têm todas o mesmo impacto ambiental, também esta informação é incluída nas fichas de cada pescado, para que o consumidor possa fazer escolhas mais sustentáveis.

Porque não encontro o peixe que procuro?

Há três principais hipóteses para não encontrar o seu pescado de eleição no nosso calendário.

  • A nossa seleção não inclui espécies oriundas de aquicultura nem pescado que seja exclusivamente capturado fora da nossa costa. O salmão, por exemplo, é uma espécie que, no nosso mercado, quase só se encontra de aquicultura. Por esse motivo, não consta do nosso calendário. O bacalhau, por não se pescar nas nossas águas, também não foi incluído.
  • Confirme se está a pesquisar na categoria adequada. Por exemplo, para encontrar o período ótimo de consumo de sapateira, deverá escolher o separador “Crustáceos”.
  • Uma espécie, muitos nomes. Tenha em conta que o pescado está ordenado por ordem alfabética da designação oficial, mas existem outras designações autorizadas e nomes comuns variados consoante a zona do País. Como curiosidade, a conquilha, muito popular no Algarve, também pode ser chamada cadelinha ou condelipa. Já o longueirão é conhecido por lingueirão, mas também por canivete. Confirme no site da Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos qual a designação oficial antes de desistir de procurar.

Peixe, moluscos ou crustáceos? Confira as melhores opções para cada mês...

Descubra se este é um bom mês para escolher o prato de pescado que está a fazer-lhe crescer água na boca. A ordem apresentada é a alfabética. 

Janeiro
Abrótea
Amêijoa-boa
Amêijoa-branca
Amêijoa-japonesa
Amêijoa-macha
Atum-albacora
Atum-patudo
Atum-voador
Berbigão
Besugo
Biqueirão
Cação
Cantarilho
Carapau
Cherne
Choco
Conquilha
Corvina
Dourada
Gaiado
Gamba-branca
Garoupa
Lagosta-castanha
Lagosta-da-mauritânia
Lavagante
Linguado-branco
Linguado-da-areia
Longueirão
Lula
Mexilhão
Ostra-portuguesa
Pargo
Pargo-mulato
Peixe-espada-branco
Peixe-galo
Perceve
Polvo
Polvo-cabeçudo
Pota
Raia-manchada
Raia-pontuada
Safio
Salmonete
Santola
Sapateira
Sarda
Sargo-alcorraz
Sargo-legítimo
Tintureira
Fevereiro
Abrótea
Amêijoa-boa
Amêijoa-branca
Amêijoa-japonesa
Amêijoa-macha
Atum-albacora
Atum-patudo
Atum-voador
Berbigão
Besugo
Biqueirão
Cação
Camarão-vermelho
Cantarilho
Cherne
Choco
Conquilha
Corvina
Dourada
Gaiado
Gamba-branca
Garoupa
Lagosta-castanha
Lagosta-da-mauritânia
Lagostim
Lapa
Lavagante
Linguado-branco
Linguado-da-areia
Longueirão
Lula
Mexilhão
Ostra-portuguesa
Pargo
Pargo-mulato
Peixe-galo
Perceve
Polvo
Polvo-cabeçudo
Pota
Raia-manchada
Safio
Salmonete
Sapateira
Sargo-alcorraz
Tintureira
Março

Abrótea
Amêijoa-boa
Amêijoa-branca
Atum-albacora
Atum-patudo
Atum-voador
Besugo
Camarão-vermelho
Cantarilho
Carapau
Cherne
Choco
Conquilha
Dourada
Gamba-branca
Lagosta-castanha
Lagosta-da-mauritânia
Lagostim
Lavagante
Longueirão
Lula
Ostra-portuguesa
Pargo-mulato
Peixe-espada-preto
Perceve
Polvo
Polvo-cabeçudo
Pota
Raia-manchada
Safio
Salmonete
Sapateira
Tamboril-preto

Abril
Amêijoa-branca
Atum-albacora
Atum-voador
Besugo
Camarão-vermelho
Cantarilho
Carapau
Cherne
Choco
Conquilha
Dourada
Gamba-branca
Lagosta-castanha
Lagosta-da-mauritânia
Lagostim
Lavagante
Longueirão
Lula
Ostra-portuguesa
Pargo-mulato
Peixe-espada-preto
Peixe-galo
Perceve
Polvo
Polvo-cabeçudo
Pota
Raia-manchada
Safio
Salmonete
Sapateira
Sargo-legítimo
Sargo-safia
Tamboril-preto
Maio
Atum-albacora
Camarão-vermelho
Cantarilho
Carapau
Cavala
Cherne
Choco
Dourada
Faneca
Gamba-branca
Lagosta-castanha
Lagosta-da-mauritânia
Lagostim
Lavagante
Linguado-legítimo
Lula
Ostra-portuguesa
Pargo-mulato
Peixe-espada-branco
Peixe-espada-preto
Peixe-galo
Perceve
Polvo
Polvo-cabeçudo
Pota
Raia-manchada
Safio
Sargo-legítimo
Sargo-safia
Tamboril-preto
Junho
Atum-albacora
Camarão-branco-legítimo
Camarão-vermelho
Carapau
Cavala
Cherne
Choco
Dourada
Faneca
Garoupa
Lagosta-castanha
Lagosta-da-mauritânia
Lagostim
Lavagante
Linguado-legítimo
Lula
Peixe-espada-branco
Peixe-espada-preto
Peixe-galo
Perceve
Pescada
Polvo
Polvo-cabeçudo
Pota
Raia-manchada
Sarda
Sargo-legítimo
Sargo-safia
Tamboril-preto
Julho
Amêijoa-boa
Amêijoa-branca
Atum-voador
Berbigão
Besugo
Camarão-branco-legítimo
Camarão-vermelho
Carapau
Cavala
Cherne
Choco
Dourada
Faneca
Gamba-branca
Garoupa
Goraz
Lagosta-castanha
Lagosta-da-mauritânia
Lagostim
Lapa
Lavagante
Linguado-branco
Linguado-da-areia
Linguado-legítimo
Lula
Navalheira
Pargo
Peixe-espada-branco
Peixe-espada-preto
Peixe-galo
Perceve
Pescada
Polvo
Polvo-cabeçudo
Pota
Robalo
Santola
Sarda
Sardinha
Sargo-legítimo
Sargo-safia
Tamboril
Tamboril-preto
Tintureira
Agosto
Abrótea
Amêijoa-boa
Amêijoa-branca
Atum-voador
Berbigão
Besugo
Cação
Camarão-branco-legítimo
Camarão-vermelho
Carapau
Cavala
Cherne
Choco
Dourada
Faneca
Gamba-branca
Garoupa
Goraz
Lagosta-castanha
Lagosta-da-mauritânia
Lagostim
Lavagante
Linguado-branco
Linguado-da-areia
Linguado-legítimo
Lula
Navalheira
Pargo
Peixe-espada-branco
Peixe-espada-preto
Peixe-galo
Perceve
Pescada
Polvo
Polvo-cabeçudo
Pota
Robalo
Salmonete
Santola
Sarda
Sardinha
Sargo-legítimo
Sargo-safia
Tamboril
Tamboril-preto
Tintureira
Setembro
Abrótea
Amêijoa-boa
Amêijoa-branca
Atum-voador
Berbigão
Besugo
Biqueirão
Cação
Camarão-branco-legítimo
Camarão-vermelho
Carapau
Cavala
Choco
Conquilha
Dourada
Faneca
Gamba-branca
Garoupa
Goraz
Lagosta-castanha
Lagosta-da-mauritânia
Lagostim
Lavagante
Linguado-branco
Linguado-da-areia
Linguado-legítimo
Lula
Navalheira
Pargo
Pargo-mulato
Peixe-espada-branco
Peixe-galo
Pescada
Polvo
Polvo-cabeçudo
Pota
Raia-pontuada
Robalo
Safio
Salmonete
Santola
Sarda
Sardinha
Sargo-legítimo
Sargo-safia
Tamboril
Tamboril-preto
Tintureira
Outubro
Abrótea
Amêijoa-boa
Amêijoa-branca
Amêijoa-japonesa
Atum-albacora
Atum-patudo
Atum-voador
Berbigão
Besugo
Biqueirão
Cação
Camarão-branco-legítimo
Camarão-vermelho
Cantarilho
Carapau
Cavala
Choco
Conquilha
Corvina
Faneca
Garoupa
Goraz
Lagostim
Linguado-branco
Linguado-legítimo
Longueirão
Lula
Mexilhão
Navalheira
Ostra-portuguesa
Pargo
Pargo-mulato
Peixe-espada-branco
Peixe-galo
Pescada
Polvo
Polvo-cabeçudo
Pota
Raia-manchada
Raia-pontuada
Robalo
Safio
Salmonete
Santola
Sarda
Sardinha
Sargo-alcorraz
Sargo-legítimo
Sargo-safia
Tamboril
Tamboril-preto
Tintureira
Novembro
Abrótea
Amêijoa-branca
Amêijoa-japonesa
Atum-albacora
Atum-patudo
Atum-voador
Berbigão
Besugo
Biqueirão
Cação
Camarão-vermelho
Cantarilho
Carapau
Cavala
Choco
Conquilha
Corvina
Espadarte
Faneca
Gaiado
Gamba-branca
Garoupa
Goraz
Lagostim
Linguado-branco
Linguado-da-areia
Linguado-legítimo
Longueirão
Lula
Mexilhão
Navalheira
Ostra-portuguesa
Pargo
Pargo-mulato
Peixe-espada-branco
Peixe-galo
Pescada
Polvo
Polvo-cabeçudo
Pota
Raia-manchada
Raia-pontuada
Robalo
Safio
Salmonete
Santola
Sarda
Sardinha
Sargo-alcorraz
Sargo-legítimo
Sargo-safia
Tamboril
Tintureira
Dezembro
Abrótea
Amêijoa-boa
Amêijoa-branca
Amêijoa-japonesa
Amêijoa-macha
Atum-albacora
Atum-patudo
Atum-voador
Berbigão
Besugo
Biqueirão
Cação
Camarão-vermelho
Cantarilho
Carapau
Cavala
Cherne
Choco
Conquilha
Corvina
Espadarte
Faneca
Gaiado
Gamba-branca
Garoupa
Goraz
Lagostim
Linguado-branco
Linguado-da-areia
Linguado-legítimo
Longueirão
Lula
Mexilhão
Navalheira
Ostra-portuguesa
Pargo
Pargo-mulato
Peixe-espada-branco
Peixe-galo
Polvo
Polvo-cabeçudo
Pota
Raia-manchada
Raia-pontuada
Robalo
Safio
Salmonete
Santola
Sapateira
Sarda
Sardinha
Sargo-alcorraz
Sargo-legítimo
Tamboril
Tintureira

5 dicas para consumir pescado de forma mais sustentável

  1. Opte por pescado nacional quando decidir as suas refeições. As espécies selecionadas para o nosso calendário são capturadas na costa portuguesa.
  2. Confirme no nosso calendário qual a altura ideal para consumir determinada espécie de pescado.
  3. Varie ao máximo as escolhas de pescado, em vez de comprar sempre as mesmas espécies.  
  4. Verifique a zona em que o produto foi capturado ou cultivado, bem como a categoria de arte utilizada na pesca de captura. Quando é comercializado, os produtos devem ser sempre acompanhados dessa informação.
  5. Tenha sempre em conta a arte de pesca utilizada e opte por pescado capturado com recurso a técnicas o mais sustentáveis possíveis.

Junte-se à maior organização de consumidores portuguesa

A independência da DECO PROTESTE é garantida pela sustentabilidade económica da sua atividade. Manter esta estrutura profissional a funcionar para levar até si um serviço de qualidade exige uma vasta equipa especializada.

Registe-se para conhecer todas as vantagens, sem compromisso. Subscreva a qualquer momento.

Junte-se a nós

 

O conteúdo deste artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais com o consentimento expresso da DECO PROTESTE, com indicação da fonte e ligação para esta página. Ver Termos e Condições.