Como testamos

Protetores solares: como testamos

SPF30

Testamos em laboratório protetores solares com fator de proteção 50+ e 30, sendo este o mínimo recomendado pela Direção-Geral da Saúde. Saiba como testamos.

Verificamos o fator de proteção solar (FPS ou SPF), que define a capacidade do produto a bloquear os raios ultravioleta do tipo B, e também a proteção contra a radiação ultravioleta do tipo A (UVA).

Para testar o fator de proteção contra os raios UVB, aplicamos os produtos nas costas de voluntários. Simulamos a exposição à radiação em zonas da pele com e sem protetor, através de uma máquina que simula a luz solar. Observamos os resultados 24 horas depois da exposição.

Para o teste de proteção contra os raios UVA, espalhamos os produtos numa placa, que expomos a uma quantidade controlada de radiação.

Ambos os testes são realizados de acordo com as normas da Organização Internacional de Normalização (ISO):ISO 24444:2019 – Sun protection test methods – In vivo determination of the sun protection factor (SPF) e ISO 24443:2012 Determination of sunscreen UVA photoprotection in vitro.

Completamos os resultados do laboratório com um teste de uso. Pedimos a um grupo de 30 voluntárias para experimentarem os produtos sem conhecerem as marcas. Consistência, odor, aplicação e absorção foram alguns dos aspetos analisados.

Verificamos ainda se os fabricantes incluem na embalagem informações obrigatórias, como o contacto do fabricante, importador ou distribuidor, a durabilidade, a lista de ingredientes e precauções no uso. E examinamos as alegações. Indicar, por exemplo, a ausência de parabenos corresponde a uma alegação interdita.

Quanto ao impacto ambiental, verificamos a quantidade de protetor que fica na garrafa ou bisnaga (por exemplo, por estar mal concebida), o tamanho da embalagem primária para o volume de produto, o uso de uma (inútil) caixa de cartão e o recurso a substâncias com impacto negativo no ambiente, como é o caso dos microplásticos.