Notícias

Nazaré: que fazer para visitar a terra de lendas, peixe seco e surf

Visitar a Nazaré é ter sempre os olhos postos no mar. Seja a partir dos vários miradouros, do topo do forte ou na marginal junto à praia. Entre lendas, ondas gigantes e peixe seco, veja as nossas sugestões e parta à descoberta da essência desta vila do Oeste.

  • Editor
  • Marlene Marques/Marlene On The Move
16 agosto 2022
  • Editor
  • Marlene Marques/Marlene On The Move
Nazaré

Marlene Marques/Marlene On The Move

Depois de MadeiraArcos de Valdevez e Serra da Estrela, é na Nazaré que aterramos para mais um roteiro. Marlene Marques, do blogue Marlene On The Move, mostra-nos os principais pontos de interesse.

Nazaré é “a alma do mar”. É assim que esta povoação, localizada junto à costa, no centro de Portugal, se define. Mas talvez seja ao contrário: o mar está na alma da Nazaré.

A localidade, que fica a meio caminho entre Lisboa e Porto, desde sempre se distinguiu das restantes vilas piscatórias portuguesas pelas suas lendas e tradições ligadas ao mar e à pesca – e, na última década, pelas ondas que atraem curiosos de toda a parte do mundo.

Do Sítio às ondas da Nazaré

A visita a terras nazarenas começa pelo Sítio, o lugar onde teve lugar a lenda da Nossa Senhora da Nazaré. Consta que, numa manhã de nevoeiro, em 1182, a Virgem da Nazaré apareceu a D. Fuas Roupinho, alcaide-mor do Castelo de Porto de Mós, travando o seu cavalo e evitando que este caísse num precipício enquanto perseguia um veado. Por agradecimento, o nobre mandou erguer uma capela no local, conhecida como a Ermida da Memória. Mas, com a quantidade de peregrinos que ali se dirigiam, em 1377, o rei D. Fernando mandou construir o Santuário de Nossa Senhora da Nazaré.

A pequena Ermida da Memória continua a atrair visitantes, com o seu interior forrado a azulejos dos séculos XVII e XVIII, mas a imagem original da Virgem pode agora ser vista de perto no interior do santuário. Ao lado da ermida, no Bico da Memória, o desafio é outro: olhar para o lado esquerdo do muro e procurar uma depressão na rocha, que dizem ser a marca deixada pela pata do cavalo de D. Fuas.

O Sítio é também ponto de partida para um lugar onde se criam outras lendas… as dos surfistas que enfrentam as ondas gigantes da Nazaré.

Caminhamos até ao Forte São Miguel Arcanjo, um dos monumentos mais emblemáticos da Nazaré, hoje transformado em Centro de Interpretação do Canhão da Nazaré e museu com as pranchas (e histórias) de todos os surfistas que por ali passam. Tal como o santuário, o forte é ponto de romaria para quem visita a Nazaré, ainda mais entre os meses de outubro e fevereiro, quando a Praia do Norte se torna o palco perfeito para o espetáculo das ondas gigantes.

Em busca da tradição

De volta ao Sítio, é tempo de descer ao centro da Nazaré. Existem duas opções para fazer a descida: tomar o histórico ascensor (inaugurado em 1889) ou seguir caminho pela Ladeira do Sítio, passando pelo mural de 300 metros da onda gigante, parando para apreciar a paisagem no baloiço apelidado de “amor à primeira vista” e terminando no mural da Meia Laranja, inspirado em fotografias antigas de nazarenos.

A praia da Nazaré, que se estende por mais de um quilómetro, é um ex-líbris, local onde se encontra o Museu do Peixe Seco. Chamam-lhe “museu vivo”, porque dele fazem parte os estendais onde ainda tem lugar a secagem do peixe, bem como as bancas onde estão as nazarenas a vendê-lo, além de um conjunto de embarcações que estiveram um dia ao serviço dos pescadores. A tradição da secagem do peixe é antiga e pode ser mais bem compreendida no Centro Cultural, que fica mesmo em frente aos estendais.

Para conhecer mais da Nazaré, entramos nas ruas tradicionais do centro, muito estreitas, tão estreitas que, em algumas, apenas passa uma pessoa. Chamam-lhes “esquininhas” e, nelas, nunca ninguém se perde. Afinal, todas as ruas da Nazaré vão dar ao mar, o mesmo que está para sempre presente na alma de quem aqui vive e de quem vem visitar.

Informações úteis para quem visita a Nazaré

Recomendamos que faça a viagem nos meses de verão, para aproveitar ao máximo a praia, ou nos dias de maior ondulação, entre outubro e novembro, se quiser ver o famoso Canhão da Nazaré em ação. Existem vários hotéis na Nazaré, incluindo alguns a poucos metros da praia. O custo mínimo de uma noite de alojamento para duas pessoas, com pequeno-almoço em hotel de quatro estrelas é de 113 euros. Os preços foram recolhidos online, a 25 de julho, para um quarto duplo em hotéis junto à praia da Nazaré, para o fim de semana de 10 e 11 de setembro.

Como ir

De carro, pela A8 – Autoestrada do Oeste, ou de autocarro, utilizando a Rede Expressos. Pode ainda chegar de comboio, pela Linha do Oeste, mas terá de sair em Valado dos Frades, a seis quilómetros da Nazaré.

Não deixe de...

Fazer as “Rotas da Nazaré”, trilhos para percorrer a pé ou de bicicleta e que desvendam os espaços naturais do concelho. As rotas são acedidas pelo telemóvel, através das aplicações Wikiloc e Strava. 

Caso saia da vila, recomendamos que passeie pela serra da Pescaria ou desfrute do sossego da praia do Salgado.

Sites úteis para saber mais

Findout Nazaré
Praia do Norte Nazaré 
Câmara Municipal da Nazaré 

Junte-se à maior organização de consumidores portuguesa

A independência da DECO PROTESTE é garantida pela sustentabilidade económica da sua atividade. Manter esta estrutura profissional a funcionar para levar até si um serviço de qualidade exige uma vasta equipa especializada.

Registe-se para conhecer todas as vantagens, sem compromisso. Subscreva a qualquer momento.

Junte-se a nós

 

O conteúdo deste artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais com o consentimento expresso da DECO PROTESTE, com indicação da fonte e ligação para esta página. Ver Termos e Condições.