Dicas

Crédito à habitação: tudo o que precisa de saber

07 janeiro 2016
Dicas com tudo o que precisa de saber sobre crédito à habitação.

07 janeiro 2016

Comprar casa continua a ser um dos projetos de vida de muitos portugueses. É um projeto difícil sem a ajuda de um crédito à habitação. A DECO diz-lhe tudo o que precisa de saber para escolher a melhor opção de crédito à habitação.

Início

Os bancos são cada vez mais criteriosos na aceitação de empréstimos e, para muitas famílias tornou-se quase impossível conseguir o financiamento. Se está a pensar comprar uma casa em 2016, conheça os nossos conselhos e escolha a melhor hipótese para si.

Em primeiro lugar, analise a situação financeira da família, as evoluções previstas (por exemplo, se a família vai aumentar) e a estabilidade dos rendimentos (por exemplo, o tipo de vínculo à entidade patronal). Se tem orçamentos muito instáveis, não é aconselhável que contrate um crédito à habitação, uma vez que dificilmente encontrará alternativas para cumprir as suas obrigações para com o banco.  

Peça simulações de financiamento em vários bancos, para ampliar as possibilidades de escolha. Há taxas e propostas de venda cruzada (contratação de outros produtos, como seguros) muito diferenciadas no mercado. Simule também diferentes prazos de empréstimo: quanto mais curto, mais elevada será a prestação, mas menos juros terá pago no final.
Certifique-se de que o valor da prestação a pagar ao banco, seja só para casa, seja em conjunto com outros créditos já contratados, não representa mais do que 35% do orçamento líquido mensal do agregado familiar.

Se nada o impede de subscrever alguns produtos ou serviços bancários, como seguros, pagar as contas dos serviços essenciais por débito direto ou domiciliar o ordenado, compare as taxas anuais efetivas revistas (TAER). Estas já refletem o spread, a indexação à Euribor, os custos do processo e os custos inerentes à subscrição de outros produtos da instituição.
Perante as ofertas de subscrição de produtos e serviços do banco, ou da seguradora que lhe está associada, rejeite os que representam um acréscimo injustificado de despesas no seu orçamento familiar. Aplicações financeiras com risco ou seguros de proteção ao crédito não são boa opção.  

Todos os bancos estão obrigados a emitir, em cada simulação, uma ficha de informação normalizada. Trata-se de um documento que resume todos os custos do seu crédito: comissões, prestações e eventuais produtos contratados, como seguros. Permite-lhe ainda saber quanto subirá a sua prestação, caso a Euribor suba 1 ou 2 por cento. É desta forma que as instituições confrontam os potenciais clientes com possíveis evoluções da sua prestação mensal. Não descure estas previsões e olhe sempre para o pior cenário (subida de 2%), ponderando até que ponto conseguiria suportá-lo com o seu orçamento atual.

Lembre-se ainda de que ser proprietário de uma casa obriga a suportar outros custos regulares, que devem ser tidos em conta no orçamento mensal. É o caso dos seguros de vida para os titulares do empréstimo, do seguro da casa (ambos podem ser contratados dentro ou fora do banco), da quota do condomínio e do imposto municipal sobre imóveis (IMI). Já no momento da aquisição, terá de pagar o imposto de selo e o IMT, bem como os registos e escritura.


Imprimir Enviar por e-mail