Notícias

Eletricidade: tarifa bi-horária só compensa com grande disciplina

Início

Em tempos de crise energética, mudar para tarifa bi-horária parece boa ideia? A DECO PROTESTE fez as contas, e não é garantido que a fatura fique muito mais leve. Pior: sem disciplina férrea que migre consumos para as horas de vazio, é até possível pagar mais do que com a tarifa simples.

05 janeiro 2023
Relógio de ponteiros marcando 7h27, cujo mostrador tem o desenho de uma lâmpada

iStock

O preço do kilowatt-hora, na aparência, não engana. Um simples exercício de comparação permite concluir que um ganho arredondado de 5 cêntimos por cada kilowatt-hora, no mercado regulado, premeia a escolha da tarifa bi-horária, em lugar da simples. A partir daqui, o prémio soma e segue: será tanto mais expressivo, quantos mais eletrões escorrerem para o horário mais barato. O plano parece a bala de prata contra a crise energética. Mas será mesmo assim? É hora de puxar o travão de mão e interromper esta corrida mental à poupança.

Se pondera cair nos braços da tarifa bi-horária para aliviar a fatura, o que talvez não saiba é que a relação exige fidelidade canina. De contrário, os 5 cêntimos a menos passarão a 3 cêntimos a mais do que pagaria com a tarifa simples.

Para saber se pode prestar vassalagem à tarifa bi-horária, terá de esquadrinhar o perfil de consumo doméstico. Não basta a quantidade de kilowatts-hora, abreviados em kWh. Há que saber em que alturas do dia as máquinas de lavar arrancam ou o ferro de engomar desliza sobre a roupa, e para quantas empreitadas, a cada semana, são chamados a colaborar. Se houver um automóvel elétrico, anote também quando e quanto é ligado à tomada. Já os painéis de autoconsumo são um trunfo, pois fornecem energia nas horas de eletricidade mais cara.

Já percebeu que tudo isto exige consultar faturas e fazer cálculos à proporção de consumos efetuados em dias úteis ou ao fim de semana e em horários de vazio ou fora de vazio, que é como quem diz, nos momentos da semana ou do dia em que a eletricidade é mais barata ou mais cara. Se concluir que, pelo menos, 50% dos gastos ocorrem em horários de vazio, ou podem ser transferidos para estas janelas de oportunidade, a tarifa bi-horária começa a compensar. Veja os cálculos da DECO PROTESTE e as três melhores propostas para 40% e 50% de consumos elétricos em vazio.

Dito isto, pergunte a si mesmo se está disposto a passar fins de semana a pastorear máquinas, ou pode ligá-las à noite, correndo o risco de agastar a vizinhança, para obter um ganho marginal. Por outras palavras, tem vida para a bi-horária? Os deslizes, não se esqueça, são punidos à razão de 3 cêntimos por kilowatt-hora face à tarifa simples.

Como funciona a rede elétrica nacional

Atrás de um simples dedo, que carrega num botão para acender a luz em casa, está sempre um sistema elétrico complexo. Faça chuva, vento, sol, ou todos os elementos em conjugação, a produção elétrica tem de assegurar que, à mínima vontade daquele dedo, se faz luz dentro da lâmpada. Até chegarem ao bolbo de vidro, os eletrões são transportados pela rede elétrica nacional, como que uma canalização em tamanho mega, dimensionada para as solicitações a que previsivelmente é sujeita. Na base deste dimensionamento está um cálculo que leva em conta o chamado valor de pico, ou seja, o consumo máximo esperado.

O pico nada mais é do que um valor máximo de referência, estimado para um dia escuro de frio, em que todos os fatores climatéricos se conjugam para que se ligue em simultâneo a quase totalidade dos equipamentos elétricos no País – tipicamente, um dia de janeiro.

No restante calendário, não chegaremos a tanto. Não quer dizer que não haja esforços. Carreguemos agora no fast forward, aquele botão que nos permite avançar no filme. Aproxima-se a hora do jantar, muitos portugueses rumam a casa. Entram, acendem as luzes, talvez liguem o televisor em seguida, talvez prefiram o aparelho de som. Começam a preparar a refeição. Se a loiça do dia anterior tiver ficado em pausa, é provável que a máquina receba agora ordem de marcha. Pequenos gestos para uma família, grandes gestos para o sistema elétrico, que é feito de dez milhões de almas. A capacidade de produção, transporte e distribuição fica sob pressão e, se fraquejar, pode deixar-nos perante um apagão.

E se um tal cenário ocorrer num almoço domingueiro? Será pouco provável. A refeição familiar não concorre com a indústria, enquanto os serviços tendem para menores necessidades energéticas ao fim de semana. Pela madrugada, tão-pouco há pressão na procura, já que o consumo elétrico do País é bem menor. Transferir parte dos consumos para estes períodos com maior folga, concedendo uma redução no preço da energia, é a ideia que subjaz à tarifa bi-horária, que visa maior equilíbrio das exigências da rede. Os chamados horários de vazio são definidos pelo regulador e, assim, coincidentes em todos os comercializadores.

Veja se a tarifa bi-horária compensa no seu caso

A tarifa bi-horária tem boas intenções, mas a sua rigidez torna-a potencialmente incompatível com o estilo de vida de muitas famílias. Se concentra os consumos no início da manhã e no fim do dia, e mantém idêntico esquema ao fim de semana, a bi-horária pode não oferecer vantagem. O mesmo sucede, se trabalhar segundo um regime híbrido, que lhe permita ir à empresa apenas em alguns dias da semana, permanecendo em casa nos restantes. Entre e-mails e reuniões, sempre faz umas máquinas de roupa. Mas em horário que não é de vazio, lá está. Se, pelo contrário, costuma andar por fora durante a maior parte do dia e lhe é possível deixar as máquinas a lavar à noite, pode ser que tenha sorte. Mas terá de consumir, pelo menos, os tais 50% de eletricidade nos períodos mortos, como demonstram os cálculos da DECO PROTESTE.

Para saber se é o seu caso, reveja as faturas do último ano e some os consumos em cada uma das faixas horárias. Se o seu contador proporcionar duas leituras, junte os gastos em vazio com os registados fora de vazio. Fazendo três leituras, adicione os valores em ponta e cheio, para obter o fora de vazio, e some-lhe os referentes ao vazio. Na eventualidade de o contador ser antigo, portanto, analógico, durante o mínimo de uma semana, anote o valor que marca no início da manhã e no final do dia, antes de se deitar, e subtraia o primeiro ao segundo.

Este exercício oferece-lhe um valor mais preciso e ajuda a ponderar a transferência de consumos para os momentos mais baratos. Saiba, porém, que, se tem um carro elétrico ou um sistema de autoconsumo, o mais provável é já cumprir a quota mínima de 50 por cento. Mas está avisado: tem de mudar comportamentos. Se começar por ser disciplinado e depois passar a lavar a roupa quando tem tempo livre, os ganhos podem perder-se.

Mude de comercializador com a DECO PROTESTE

Os preços da energia já conheceram melhores dias. Ora, numa conjuntura de subida, a atitude proativa pode render frutos. Acompanhar a evolução do mercado, e optar pelas melhores soluções, é o que se impõe. Se temos este cuidado para os supermercados que vendem os alimentos mais baratos, idêntica atitude devemos reservar à energia.

O simulador da DECO PROTESTE ajuda a fazer as contas e explica como mudar, se for caso disso. Se não tiver contrato com fidelização, não há razão alguma para não mudar. Num inquérito recente, a DECO PROTESTE descobriu que mais de 80% dos participantes tinham o mesmo comercializador há mais de três anos. Com os preços a subir, muitos portugueses estão a contribuir, com a sua passividade, para os lucros das empresas. Mudar traz agitação ao mercado e obriga os comercializadores a competirem pelos clientes, com o desenho de melhores ofertas.

 

O conteúdo deste artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais com o consentimento expresso da DECO PROTESTE, com indicação da fonte e ligação para esta página. Ver Termos e Condições.