Dossiês

Ginásios: porque desistimos e o que procurar para ficar

15 setembro 2021
homem com pesos no ginásio

Sente que não é acompanhado como devia e não sabe trabalhar com algumas máquinas do ginásio? Conheça as condições mínimas e os regulamentos, e saiba como se adaptaram à pandemia.

Início

Pode fazer exercício físico ao ar livre ou em espaços fechados como os ginásios. O importante é que faça, pelo menos, meia hora de exercício físico por dia, recomenda a Organização Mundial da Saúde.

O incentivo para obter resultados e o acompanhamento de treinadores especializados são as principais razões dadas para frequentar ginásios, segundo os inquéritos que temos feito. No entanto, mais de metade gostaria de ter recebido mais informação e uma em cada cinco pessoas desistiram devido à falta de atenção personalizada.

Quando entra num ginásio espera que os técnicos lhe indiquem quais os equipamentos mais adequados para si e como os utilizar. Os resultados dos inquéritos mostram que isso nem sempre se verifica. Na lista dos instrutores também não está sempre presente a transmissão da importância dos exercícios de aquecimento. Informações sobre os planos de treino ou dos malefícios do treino excessivo também estão em falta na maioria dos ginásios.

As avaliações prévias são determinantes para indicar a condição de saúde e o nível inicial de atividade física, através de questionários escritos, entrevista individual e prova física. Pode ser um teste numa bicicleta estática, por exemplo. Elevado colesterol, obesidade, problemas articulares ou ósseos, como artrite ou osteoporose e hipertensão são doenças crónicas que obrigam a consulta médica antes de ingressar no ginásio.

Está interessado em entrar num ginásio? Antes de se comprometer e assinar um contrato com maior ou menor duração, analise com atenção as condições que lhe são propostas.

Com a pandemia da covid-19, os ginásios têm-se mostrado dispostos a colaborar e a facilitar a situação dos consumidores. Durante o primeiro confinamento, a grande maioria deixou de cobrar os valores das mensalidades, após o encerramento dos espaços. Mesmo que o fizessem, o consumidor não teria de pagar, visto que, sem prestação de serviços, não pode haver exigência de pagamento.

Reflita previamente em casa, leia bem as cláusulas do contrato e verifique se existe um período de fidelização, ou seja, uma duração mínima obrigatória do contrato. Isto resulta habitualmente da aplicação de condições mais favoráveis ao consumidor, como um desconto nas mensalidades a pagar.

Durante o confinamento, defendemos que, caso fosse apresentada uma proposta que oferecesse descontos ao consumidor, nos meses seguintes, ou alternativas, como aulas online, tais só poderiam ocorrer mediante o consentimento do cliente. A fidelização devia, também, ser mantida, visto que a prestação dos serviços tinha sido suspensa, não por responsabilidade do ginásio, mas devido a uma questão de saúde pública à qual o estabelecimento era alheio. 

Para participar nas aulas de grupo dos ginásios, terá de apresentar o certificado digital covid ou um teste com resultado negativo.

Deve solicitar a possibilidade de experimentar o ginásio antes de se comprometer e verificar se existe alguma espécie de período experimental ainda antes da aplicação de qualquer fidelização.

Caso detete alguma irregularidade no contrato, deve reclamar.