Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos. A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pela DECO PROTESTE. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização. Ao utilizar o nosso website você aceita desta Política e consentimento para o uso de cookies. Você pode alterar as configurações ou obter mais informações em aqui.

2016: DECO chumba novamente as telecomunicações

31 jan 2017

Quase 460 mil portugueses procuraram os serviços da DECO em 2016 e o setor das telecomunicações continua a liderar o ranking das reclamações.  

Problemas reclamados:

 

 

 

 

 

TELECOMUNICAÇÕES

A alteração à Lei das Comunicações Eletrónicas infelizmente não se traduziu em melhorias para este setor, uma vez que as operadoras optaram por estratégias de fidelização dos clientes a longo prazo (2 anos), apresentando ofertas sem fidelização que apenas prejudicam o consumidor.

Os prazos de fidelização e refidelização continuaram, assim, a ser as situações mais reclamadas pelos portugueses.

 

ENERGIA E ÁGUA

Neste setores, destacam-se as dificuldades sentidas pelos consumidores no âmbito da faturação, seja por falta de envio da mesma, cobrança de consumos prescritos ou dupla faturação.

Também a mudança de comercializador de energia justificou abordagens comerciais pouco transparentes por parte dos diferentes comercializadores, tendo a DECO recebido milhares de queixas de consumidores vítimas de práticas comerciais desleais.

Graças à atuação firme da DECO foi ainda possível o alargamento do prazo de reembolso das cauções dos serviços de energia e água até Julho de 2016. Com a ação da DECO, o valor de reembolso total alcançou mais de 58 mil €.

 

COMPRA E VENDA

A crescente preferência pelo comércio eletrónico manifestou-se nas reclamações que chegaram à DECO. A maioria das situações de incumprimento prendem-se com a falta ou atraso na entrega dos produtos, a recusa de cancelamento da compra no prazo de reflexão e a falta de reembolso em caso de desistência da compra.

 

 

 

Problemas que vêm aí

 

ENERGIA

Energia mais verde mas sem informação clara ao consumidor. Os consumidores poderão ser também produtores de energia? É investimento ou uma despesa?

 

DIREITOS DIGITAIS

A internet já não é o futuro mas o presente.

Os dados pessoais são um direito fundamental ou uma moeda de troca? Plataformas digitais com marcas definidas, mas sem responsabilidade perante o consumidor.

 

Dificuldade em saber quem está do outro lado do negócio. É seguro comprar através das redes sociais?

 

Mercados mais conectados entre países mas com maiores entraves. Será possível continuar a comprar lá fora mesmo que não entreguem em casa?

 

 

SUSTENTABILIDADE

Após mais de um ano sobre o escândalo da gigante Volkswagen pouco está feito. Virão aí outros escândalos da grande indústria?

 

Os consumidores da Europa continuarão a ser discriminados relativamente aos norte-americanos pelas empresas incumpridoras?

 

 

Problemas a evitar

Burla, discriminação, escândalo, fraude, cortes na proteção do consumidor, diminuição do poder de compra.