Notícias

Black Friday ou Black Fraude detetou milhares de produtos que não compensavam

06 dezembro 2016
A DECO PROTESTE lançou uma ferramenta que analisou a evolução dos preços nas lojas online nos 30 dias anteriores à “Black Friday”, para sinalizar se os produtos estavam a ser vendidos a valores competitivos naqueles dias de promoção.

06 dezembro 2016
No fim de novembro lançámos uma ferramenta que avaliava se os preços praticados pelas lojas online na Black Friday eram boas oportunidades. Mais de 25% dos produtos pesquisados não tinham um preço compensador.
Entre 25 e 28 de novembro disponibilizámos a ferramenta gratuita “Black Friday ou Black Fraude”, que permitia pesquisar se os descontos praticados pelas lojas online no fim do mês eram bons negócios. A avaliação baseou-se na variação do preço online nos 30 dias anteriores à Black Friday e incidiu apenas sobre preços com desconto direto e imediato.

O veredicto desta ferramenta foi dado na forma de semáforo:
  • as boas oportunidades receberam sinal verde;
  • os casos em que o desconto era pouco significativo foram marcados a amarelo;
  • os negócios pouco rentáveis e situações em que o preço já tinha sido inferior foram sinalizados a vermelho.
No total, registámos pesquisas a quase 125 mil produtos (os quais podiam estar ou não abrangidos pelas promoções da Black Friday). Os semáforos foram atribuídos apenas nos casos em que houve possibilidade de comparar o histórico de preços, sendo que 26% resultaram em vermelho. Ou seja, 1 em cada 4 produtos avaliados não exibia um preço compensador. A maioria dos produtos pesquisados (82%) concentrou-se nas lojas Fnac, Worten e Rádio Popular.

Com esta iniciativa quisemos ajudar os consumidores a fazer escolhas mais esclarecidas e a mantê-los alerta numa altura em que várias lojas anunciam descontos sonantes e “únicos”. Tenha em conta que as ações promocionais são frequentes ao longo do ano; a ideia por vezes divulgada pela publicidade de um momento único e exclusivo de oportunidades não corresponde à verdade. À semelhança do que aconteceu este ano, também em 2015 descobrimos alguns casos de preços que foram aumentados dias antes da Black Friday para simular promoções mais atrativas.

A Black Friday nasceu nos EUA e é motivada pela necessidade que as lojas têm de escoar produtos antes de receber as novidades do Natal, o que as leva a fazer grandes descontos na última sexta-feira de novembro. Em Portugal, o conceito tanto assume a forma original de promoção de um dia só, como se estende pelo fim de semana ou até à segunda-feira seguinte. Este ano os descontos médios anunciados foram, em média, superiores a 15%.

Estamos a analisar as informações e denúncias enviadas pelos consumidores. Transmitiremos quaisquer indícios que detetarmos de forte manipulação de preços à Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE). Aguardamos também a divulgação dos resultados das ações de vigilância que a ASAE realizou nestes dias.

Os nossos comparadores de produtos também contribuíram para a tomada de decisões mais informadas durante a Black Friday e estão disponíveis todo o ano. Aceda-lhes para consultar os resultados dos testes comparativos que realizamos a centenas de produtos e a informação sobre os preços nas principais lojas físicas e online.

Imprimir Enviar por e-mail