Notícias

Black Friday e Natal: quem vai às compras prevê gastar em média mais de 200 euros

O nosso inquérito a 835 portugueses revela que seis em cada dez planeiam fazer compras no período da Black Friday e gastar, em média, 222 euros. Para o Natal, são nove em cada dez os que pensam investir em prendas, prevendo desembolsar 249 euros, em média.

  • Dossiê técnico
  • Bruno Carvalho
  • Texto
  • Fátima Ramos
25 novembro 2021 Exclusivo
  • Dossiê técnico
  • Bruno Carvalho
  • Texto
  • Fátima Ramos
Senhora de costas com sacos de papel da black Friday

iStock

O período oficial da Black Friday, entre 26 e 28 de novembro, por norma, chama muitos consumidores às lojas, aliciados pela promessa de grandes promoções. Nalguns casos, haverá vantagem na aquisição; noutros, nem por isso. A altura exige atenção redobrada, tanto no que respeita à qualidade dos produtos, como ao respetivo preço.

Garanta boas compras na Black Friday

A maioria dos portugueses (75%) crê que os estabelecimentos aumentam os preços antes, baixando-os de seguida, para dar a sensação de enormes descontos, e quase metade considera não haver fiscalização suficiente contra práticas abusivas. Ainda assim, dois terços consideram que a Black Friday oferece boas oportunidades de compra, embora, na opinião de 41%, possam surgir mais problemas, como atrasos na entrega e dificuldades de devolução, do que em alturas não promocionais.

Portugueses já definiram lista de compras

Apesar das reticências, 61% dos inquiridos contam fazer compras durante o fim de semana da Black Friday, sendo que a maioria prevê gastos entre 100 e 500 euros. Quatro em cada dez dizem que o investimento será idêntico ao de 2020, e apenas cerca de um quarto, com destaque para as mulheres, prevê despender menos.

Please fill the source and the alt text
A intenção de fazer compras na “sexta-feira negra” é significativamente maior entre os inquiridos mais novos, dos 18 aos 34 anos. E, no geral, os homens (65%) parecem mais predispostos a gastar dinheiro nesta época do que as mulheres (58 por cento). 

Quase metade (48%) dos inquiridos que pretendem fazer compras, em especial as mulheres, planeia distribuir os seus euros por lojas online e físicas. Sem grande surpresa, os mais velhos, a partir dos 55 anos, tendem a preferir as últimas: 54% pensa visitar apenas este tipo de estabelecimentos. A tendência é a mesma nas intenções de compra para o Natal.

E será que sabem o que querem? A esmagadora maioria (94%) diz que sim. A roupa e os acessórios de moda, juntamente com os brinquedos e jogos, lideram as preferências do sexo feminino. Já os homens apontam mais para aparelhos de alta tecnologia, como computadores, tablets, telemóveis e consolas de jogos, seguindo-se os grandes eletrodomésticos e os artigos de desporto.

Please fill the source and the alt text 

As compras de Natal fazem parte dos planos de quase todos

Quase metade dos inquiridos afirma que comprar presentes de Natal para a família e os amigos é uma grande preocupação e 54% consideram que oferecer uma boa prenda é sinal da estima pela pessoa que a vai receber. Talvez por isso, 90% dos portugueses planeiam gastar, em média, 249 euros, com a maioria a indicar valores entre 100 e 500 euros.

Please fill the source and the alt text

Cerca de um quarto dos inquiridos que querem ir às compras, em particular homens, está a pensar num orçamento natalício superior ao do ano passado e igual proporção, gastar menos. De qualquer modo, no geral, seis em cada dez acabam sempre por gastar mais do que o previsto. Para poupar, quase um quarto dos inquiridos deixa algumas prendas para janeiro, de forma a aproveitar os saldos.

Como fizemos o estudo

Entre 9 e 16 de novembro de 2021, fizemos um inquérito online a uma amostra da população adulta portuguesa, entre 18 e 74 anos. No total, obtivemos 835 respostas válidas, que foram ponderadas para refletirem a opinião da população em termos de género, idade, nível educacional e região. Os resultados refletem a opinião e a experiência dos inquiridos, mas podem ser considerados como tendências representativas da população nacional.

Junte-se à maior organização de consumidores portuguesa

A independência da DECO PROTESTE é garantida pela sustentabilidade económica da sua atividade. Manter esta estrutura profissional a funcionar para levar até si um serviço de qualidade exige uma vasta equipa especializada.

Registe-se para conhecer todas as vantagens, sem compromisso. Subscreva a qualquer momento.

Junte-se a nós

 

O conteúdo deste artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais com o consentimento expresso da DECO PROTESTE, com indicação da fonte e ligação para esta página. Ver Termos e Condições.

Junte-se à maior organização de consumidores portuguesa

A independência da DECO PROTESTE é garantida pela sustentabilidade económica da sua atividade. Manter esta estrutura profissional a funcionar para levar até si um serviço de qualidade exige uma vasta equipa especializada.

Registe-se para conhecer todas as vantagens, sem compromisso. Subscreva a qualquer momento.

Junte-se a nós