Notícias

Black Friday e Natal: portugueses querem gastar menos do que em 2019

Num 2020 de loucos, os consumidores portugueses dão preferência às compras online mas, comparando com 2019, preveem reduzir as despesas na Black Friday e no Natal.

  • Dossiê técnico
  • Ana Almeida
  • Texto
  • Rita Santos Ferreira e Filipa Nunes
16 novembro 2020 Exclusivo
  • Dossiê técnico
  • Ana Almeida
  • Texto
  • Rita Santos Ferreira e Filipa Nunes
Black friday e bolas de Natal

iStock

Dois dos maiores picos de consumo do ano chegam com exigências diferentes devido à covid-19. Há quem espere o ano inteiro por estes momentos e aproveite a “sexta-feira negra” para adiantar compras de Natal. Fomos saber como os portugueses planeiam gerir os seus gastos.

Dicas e testes para ajudar na Black Friday

Apenas 21% dos inquiridos preveem fazer compras no período da black friday deste ano (fim de semana de 27 a 29 de novembro), menos 20%, aproximadamente, face a 2019. No que ao Natal diz respeito, a história é outra: 85% pretendem salvar o espírito natalício das garras da pandemia, dando presentes. No entanto, apesar de elevada, a percentagem também diminui relativamente a 2019, ano em que atingiu os 91 por cento.

Além disso, a maioria dos portugueses inquiridos pretende gastar menos na black friday, face a 2019. No entanto, no Natal, as percentagens dividem-se entre manter as despesas semelhantes às do ano anterior e diminuir os gastos. Regra geral, a tendência é para poupar.

 

 
Em média, no período da black friday, os portugueses preveem gastar 180 euros. 53% dos inquiridos contam desembolsar até 100 euros, sendo que 29% pretende gastar mais de 200 euros. Já no Natal, a média do valor que os portugueses preveem gastar é maior: 264 euros. 30% preveem gastar até 100 euros e 40% conta gastar mais de 200 euros. 

 

 

 
  
Questionados sobre até que ponto a crise da covid-19 limita os hábitos de compra, três em cada cinco inquiridos sente alguma ou mesmo uma grande limitação no orçamento disponível para fazer compras na black friday, bem como na quantidade de produtos a comprar. Mais de metade (53%) considera que a pandemia veio limitar muito a compra em lojas físicas.

No entanto, os hábitos de consumo de Natal, na ótica dos portugueses que participaram no inquérito, ficam ainda mais comprometidos devido à pandemia. Como tal, 65% considera que o orçamento disponível para fazer compras é mais limitado e, aproximadamente, a mesma percentegem prevê que a quantidade de produtos a comprar tenha limitações. Quanto à compra em lojas físicas, 84% considera que a pandemia veio limitar a visita a estes espaços.

 

Verificamos que os portugueses estão mais dispostos a abdicar de ir às lojas físicas na black friday do que no Natal. Só 9% preferem fazer as compras natalícias apenas a partir do sofá. Já 46% dos consumidores portugueses querem aderir ao formato online no fim de semana de compras mais aguardado do ano, muito por causa da pandemia que assolou o mundo.

De forma a proteger-se e manter o distanciamento físico, opte, sempre que possível, pelas compras online. Nesta altura, é igualmente importante ter em atenção à garantia dos produtos, especialmente eletrodomésticos e aparelhos tecnológicos.

Como fizemos este inquérito sobre compras 

O inquérito foi enviado entre 29 de outubro e 3 de novembro, via e-mail, a uma amostra da população portuguesa adulta entre os 25 e os 74 anos. No total, recebemos 954 respostas válidas, que foram ponderadas de acordo com o género, a idade, a região do País e as habilitações literárias dos inquiridos, por forma a refletirem a realidade nacional.

Junte-se à maior organização de consumidores portuguesa

A independência da DECO PROTESTE é garantida pela sustentabilidade económica da sua atividade. Manter esta estrutura profissional a funcionar para levar até si um serviço de qualidade exige uma vasta equipa especializada.

Registe-se para conhecer todas as vantagens, sem compromisso. Subscreva a qualquer momento.

Junte-se a nós

 

O conteúdo deste artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais com o consentimento expresso da DECO PROTESTE, com indicação da fonte e ligação para esta página. Ver Termos e Condições.