Dicas

Casa fresca com pouco ar condicionado

23 julho 2013
casa fresca com pouco ar condicionado

23 julho 2013

Não espere pela próxima onda de calor. Revelamos as melhores dicas para vencer os dias mais quentes sem aumentar a fatura de eletricidade.

Quando o sol bate, feche portas e janelas, corra os estores ou use toldos. As plantas altas perto da janela também ajudam a criar sombra. Com estes gestos, poupa cerca de 30% de energia. Com proteções no exterior da janela, consegue bloquear a radiação solar antes que esta atravesse o vidro. Prefira materiais refletores, com isolamento térmico e de cor clara. É o caso dos estores brancos com isolamento térmico ou das venezianas de madeira ou em PVC (de cor clara).

Nas horas mais quentes, evite atividades que produzam calor e vapor, como cozinhar e passar a ferro. Evite ligar muitos aparelhos em simultâneo, como lâmpadas, televisores e computadores. A presença de pessoas num espaço fechado faz aumentar a temperatura. Mesmo em repouso, um utilizador “emite” cerca de 80 Watts.

Nos dias e nas noites muito abafadas, use roupas leves e frescas, evite esforço físico e hidrate-se bem. À noite, abra duas janelas opostas para criar correntes de ar e refrescar o interior da casa. Ao arrefecer as paredes, a casa resiste melhor às elevadas temperaturas durante o dia.

Dicas para acertar no equipamento

  • Se a casa for naturalmente fresca e apenas precisar de arrefecê-la nos dias mais tórridos, uma ventoinha ou um ventilador de teto são suficientes, em combinação com as medidas propostas em cima, sem gastar energia. 
  • Quando apenas uma ou duas divisões são mais quentes e não pode instalar aparelhos de ar condicionado, teste soluções de isolamento e sombreamento com proteção térmica. Só em último caso utilize um aparelho de ar condicionado portátil. Custa a partir de 225 euros.
  • Se tiver locais para instalar unidades exteriores, os aparelhos split ou uma instalação multi-split, com tecnologia inverter, são os recomendados. São mais eficientes.
  • Se toda a casa for quente no verão, mas não quer ou não pode fazer obras de remodelação, instale aparelhos multi-split com uma unidade exterior e duas a quatro interiores.
  • Caso possa fazer obras, com tetos falsos, aproveite para melhorar o isolamento e sombreamento. Escolha aparelhos centralizados com distribuição pelas condutas de ar.

Ar condicionado portátil na mira

  • Os aparelhos portáteis de ar condicionado são tentadores: mais baratos do que um do tipo split, dispensam uma instalação fixa em casa. Depois de ler e seguir os conselhos de utilização, pode desde logo utilizar em casa. Além de ligar o aparelho à corrente, tem de instalar o tubo de evacuação numa janela, para que o ar quente saia para o exterior. Reserve 10 a 50 cm de espaço livre à volta do aparelho e não tape as grelhas.
  • O facto de proporcionarem ar fresco e a ventoinha ajudam a tornar o ambiente mais suportável. Aparentam ser práticos e são vendidos como “portáteis”: dá a ideia de que pode levá-los para várias divisões, ao contrário dos que exigem uma instalação com unidade fixa no exterior da casa, como ocorre nos modelos split.
  • Mas, dada à necessidade de colocar o tubo de evacuação na janela, a portabilidade perde-se. Verifique o tamanho do tubo, caso não tenha espaço para instalar o aparelho junto à janela. Chegam a medir cerca de 1,50 metros. Alguns modelos trazem um adaptador extensível para fixar a mangueira à janela, evitando o retorno de ar quente para o interior.
  • Nos modelos sem este acessório, o adaptador apenas impede o tubo de cair, ficando a janela aberta, o que afeta a eficiência do sistema e a manutenção do ambiente fresco no interior. Outro ponto que contraria a sua “portabilidade” é o peso, que varia de 22 a 30 quilos. Mesmo com rodas, são difíceis de manobrar.
  • Estes modelos têm um depósito para recolher a água da condensação. Geralmente, exibem um aviso na hora de o esvaziar. Se o nível máximo for atingido, o aparelho deixa de funcionar. Alguns têm um tubo de drenagem, para a evacuação contínua da água.
  • Regra geral, permitem programar a hora de arranque e indicam a temperatura ambiente. Os modelos com bomba de calor somam a vantagem de aquecer.
  • Para arrefecer a casa, não são comparáveis aos aparelhos clássicos do tipo split, muito mais eficientes. Para uma utilização diária de 3 horas durante os 3 meses de verão, o portátil gasta 1000 Watts e o split inverter consome 400 Watts para a mesma capacidade, ou seja, menos de metade da eletricidade.
  • Além disso, os portáteis demoram muito a baixar a temperatura e emitem mais de 60 decibéis, o que é desagradável. Apenas fazem sentido se tiver uma pequena divisão e não for possível instalar um aparelho de tipo split.
  • Se, mesmo assim, pretende um portátil, escolha um com bom desempenho a refrigerar e ventoinha direcionável. Em alternativa, opte por ventoinhas ou ventiladores de teto. Aumentam a circulação do ar, facilitam a transpiração e promovem boas ondas de bem-estar. 

Imprimir Enviar por e-mail