Notícias

Carros elétricos: apoios à compra e condições

23 julho 2020
carros elétricoscarros elétricos a abastecer num posto de carregamento

Quem já era detentor do cartão da Mobi.E, a gestora da mobilidade elétrica, deverá obter um novo cartão de um dos novos comercializadores privados, para ter acesso a toda a rede pública de carregamento.

Comercializadores de energia para veículos elétricos

Desde julho de 2020, todos os carregamentos de carros elétricos passaram a ser pagos. Os mais de 500 postos de carregamento normal que eram operados pela entidade gestora Mobi.E foram concessionados a privados. Para ter acesso aos postos de carregamento, é preciso pedir um cartão a um dos novos comercializadores. O mesmo é válido para quem já usava o serviço Mobi.E, uma vez que o antigo cartão Mobi.E deixou de funcionar. Compare as condições dos comercializadores antes de aderir ao serviço. Analisámos os preços e há diferenças.

Como usar os postos de carregamento?

Para usar um posto de carregamento público, deverá utilizar um cartão associado ao respetivo Comercializador de Eletricidade para a Mobilidade Elétrica (CEME). Cada utilizador pode ter mais do que um cartão. Até ao momento, os cartões são gratuitos.

Na sua maioria, estes postos de carregamentos estão situados em espaços de acesso público, como estacionamentos na via pública, parques de estacionamento, centros comerciais, hotéis, aeroportos ou áreas de serviço.

Os postos são compostos por um módulo que estabelece a comunicação entre o utilizador e a rede, permitindo a autenticação de utilizador, o registo de consumos, entre outras funcionalidades. É possível carregar as baterias dos veículos elétricos num carregamento normal ou rápido.

Para utilizar, basta aceder à página online de um dos novos comercializadores e solicitar a adesão ao serviço no menu principal. Assim que terminar o registo, depois de preenchidos os campos obrigatórios, é enviado um cartão para a morada indicada. Com este terá acesso aos mais de 500 pontos de carregamento da rede. O valor a pagar por cada carregamento rápido irá variar de comercializador para comercializador. No caso dos postos rápidos, cada CEME apresenta os seus valores, sendo que o utilizador tem de pagar taxas de acesso à rede, taxas para contratos bi-horário, e ainda o Imposto Especial sobre Consumo, bem como a comissão da Mobi.E, que, por enquanto, é gratuita.

Estacionamento e tempo de carregamento

A lei estabelece que o estacionamento nas áreas de carregamentos de veículos elétricos deve estar devidamente identificado e só é permitido aos veículos em carregamento, durante um período de tempo limitado.

Os veículos elétricos devem estar identificados com dístico próprio para poderem estacionar nessa área. Cabe a cada entidade que explora os postos estabelecer os limites de tempo em que, uma vez terminado o carregamento, o veículo elétrico deve ser retirado do local pelo respetivo proprietário. Deste modo, a lei tem como objetivo estimular a disponibilidade dos pontos de carregamento, de acordo com o período do dia.

Quando o período de extensão estipulado pelo operador termina, o proprietário do veículo passa a estar em situação de estacionamento indevido. Compete às entidades fiscalizadoras verificar a infração e o operador do posto pode informá-las sobre o estacionamento indevido.