Dicas

Sinais na pele: vigie alterações

10 abril 2018
vigie os sinais da pele

10 abril 2018
Vigiar a pele e preencher o mapa dos sinais periodicamente ajudam a detetar alterações. Acompanhe os rastreios do cancro da pele, organizados a propósito do Dia do Euromelanoma.

Início

Rosados, castanhos-claros, escuros ou de cor muito parecida com o tom normal da pele: a maioria das pessoas tem 10 a 40 sinais benignos. Quem tem uma pele escura tende a ter sinais escuros.

Os sinais podem ser achatados ou volumosos. Regra geral, são redondos ou ovais e mais pequenos do que a borracha de um lápis. Acompanham-nos desde o nascimento, mas também podem aparecer mais tarde (geralmente, antes dos 40 anos) e tendem a desaparecer nas pessoas mais velhas. Quando os sinais são removidos cirurgicamente, normalmente não voltam a aparecer.

Uma em cada 10 pessoas tem sinais atípicos, de grandes dimensões ou com cores ou formas irregulares. Estes têm maior probabilidade de se tornarem malignos. 

Exposição solar na origem do cancro de pele

O melanoma, um tipo de cancro de pele agressivo, surge quando os melanócitos (células que produzem melanina, o pigmento que dá à pele a sua cor natural) se tornam malignos. É um dos tipos de cancro mais comum e a probabilidade de desenvolver melanoma aumenta com a idade, embora a doença afete pessoas de todas as idades. 

Pode ocorrer em qualquer superfície da pele. Nos homens, o melanoma encontra-se, muitas vezes, no tronco, na zona entre os ombros e as ancas, ou na cabeça e no pescoço. Nas mulheres, desenvolve-se muitas vezes na zona inferior das pernas.

Estima-se que 80% dos cancros da pele sejam originados pela exposição solar intensa. A doença é geralmente desencadeada pela lesão dos constituintes da pele causada pelo sol, principalmente quando ocorrem queimaduras solares (escaldões). Um pequeno número de casos pode estar associado a fatores hereditários. Os solários podem também ser causa de cancro da pele e envelhecimento da pele prematuro.

Mas metade dos melanomas surge numa pele saudável, sem lesões. Convém observar regularmente a pele e ir ao médico, se surgirem sinais suspeitos, uma lesão ou um sinal mudar de aspeto. Detetar cedo um melanoma garante uma taxa de cura superior a 90 por cento.

No Dia do Euromelanoma, a 16 de maio, há rastreios gratuitos de cancro da pele ao nível nacional, organizados pela Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo.


Imprimir Enviar por e-mail