Notícias

Goldcar exige caução de 1800 euros para alugar carro

Um consumidor foi surpreendido, no momento de levantar a viatura alugada, com a necessidade de pagar uma caução avultada. Quis saber se é legal.

  • Dossiê técnico
  • Magda Canas
  • Texto
  • Myriam Gaspar e Filipa Nunes
21 abril 2021
  • Dossiê técnico
  • Magda Canas
  • Texto
  • Myriam Gaspar e Filipa Nunes
mão esquerda segura chave de rent a car enquanto a direita preenche contrato

iStock

No momento de levantar, no Aeroporto Francisco Sá Carneiro, o carro que alugara pela internet por 140 euros, David Nande foi confrontado com o pagamento de uma caução de 1800 euros. Em alternativa, podia contratar um seguro. Pressionado pela hora tardia, aceitou. Quando devolveu o carro, este consumidor alega que pagou mais de 400 euros pelo aluguer da viatura, tendo sido debitados do cartão de crédito o que parecem ser o valor das scut e portagens. Indignado com os montantes, pediu-nos para esclarecer se é legal pedir uma caução tão elevada e cobrar outros valores.

Informe-se bem antes de alugar um carro

Segundo a lei, as empresas rent-a-car devem, no momento da reserva, facultar as modalidades de caução, caso seja exigida, e o respetivo montante, além de eventuais taxas adicionais, coberturas do seguro, modo de entrega, entre outros aspetos relevantes. Esta informação deve ser em papel ou noutro suporte duradouro, fornecida em tempo útil, antes de o consumidor tomar a decisão de contratar, ou não, o aluguer da viatura. Do contrato, devem constar todos estas informações de forma clara, precisa e com carateres legíveis.

Para não serem surpreendidos, é muito importante que os consumidores leiam atentamente essas informações antes de contratar o aluguer, ainda que muitas vezes possam ser de difícil leitura.

Neste caso em concreto, apresentado por David Nande, desconhecemos se a companhia em causa o informou (em papel ou noutro suporte duradouro), sobre as condições particulares do aluguer da viatura. Este consumidor não é, contudo, o único a queixar-se. De acordo com os dados da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes, a Goldcar foi, no primeiro semestre de 2020, a empresa de rent-a-car mais reclamada. O mesmo aconteceu em 2019. Na nossa plataforma Reclamar, temos dezenas de reclamações contra esta companhia.

Serviços de rent-a-car: como reclamar?

No caso de serem debitados montantes indevidos, o consumidor pode reclamar junto da companhia. Sugerimos o livro de reclamações eletrónico. A reclamação segue imediatamente para a empresa visada e para a entidade reguladora, sendo a resposta obrigatória, no prazo de 15 dias úteis, enviada para o e-mail do reclamante. Pode ainda reclamar junto da entidade emissora do cartão. 

Quanto ao pagamento das scuts e autoestradas, caso o consumidor contrate o chip e esse serviço não lhe seja prestado, pode solicitar à companhia esclarecimentos sobre o sucedido. Também pode pedir que a mesma lhe forneça informação detalhada sobre os débitos que realizou. As condições particulares que a Goldcar tem no site preveem diversos custos adicionais designados por "custos de gestão administrativa". Esses encargos têm de constar do contrato.

Se confirmar que nem todos os débitos correspondem àquilo que foi contratado (é importante conservar o suporte contratual que se assina), sugerimos que volte a contactar a companhia, solicitando a restituição dos montantes indevidamente cobrados. Se, ainda assim, entender que os seus direitos como consumidor foram afetados, pode apresentar reclamação.

Em caso de conflito, pode recorrer à nossa plataforma Reclamar. O caso será enviado para a empresa com o nosso apoio. 

RECLAMAR

Junte-se à maior organização de consumidores portuguesa

A independência da DECO PROTESTE é garantida pela sustentabilidade económica da sua atividade. Manter esta estrutura profissional a funcionar para levar até si um serviço de qualidade exige uma vasta equipa especializada.

Registe-se para conhecer todas as vantagens, sem compromisso. Subscreva a qualquer momento.

Junte-se a nós

 

O conteúdo deste artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais com o consentimento expresso da DECO PROTESTE, com indicação da fonte e ligação para esta página. Ver Termos e Condições.