Notícias

Como evitar a pornografia de vingança

As vítimas da “pornografia de vingança” podem ficar marcadas para sempre. Divulgar imagens sem consentimento é crime. Saiba como agir.

12 dezembro 2022
mãos no teclado de computador portátil

iStock

O que seria? Uma brincadeira? Um desafio à autoridade e ao pudor? Uma afirmação de personalidade? Uns segundos de um vídeo que exibia jovens em pleno ato sexual num comboio da CP disseminou-se em pouquíssimo tempo pela net. Tornou-se, como se diz, apesar da infelicidade do termo nos tempos que correm, viral. O que aconteceu depois foi o que se previa. As caixas de comentários de todas as redes sociais onde o vídeo circulava encheram-se de frases irreproduzíveis. E, claro, a mais visada pelos comentários era a rapariga. Os rapazes passaram ilesos ou por heroicos atletas da libido.

A tentação, hoje, de partilhar esses instantes num qualquer Tik Tok ou Snapchat é quase irresistível. O que “cai” na internet e é partilhado fica lá para a vida inteira. Com o confinamento, a partilha de vídeos que exibem relações sexuais com parceiros, ou ex-parceiros, aumentou.

Há mais exemplos. Um vídeo viral com imagens íntimas com o/a parceiro/a divulgado depois do fim da relação pode levar a pessoa visada a abandonar o emprego, com receio de ser reconhecida, e a fechar-se em casa.

Se, no caso do comboio, a intenção de quem divulgou o vídeo é uma nebulosa, nesta história estamos perante um ato de vingança: o/a parceiro/a das pessoas afetadas, despeitado pelo fim da relação, terá decidido expô-la ao mundo.

Divulgar sem consentimento é crime

Em matérias deste género, o espaço do consentimento é fundamental. Pratica o crime de devassa da vida privada quem, com a intenção de devassar a vida privada da vítima (por exemplo, intimidade sexual), divulgar imagens dessa pessoa sem o seu consentimento. Esta conduta é punível com pena de prisão até um ano ou com pena de multa até 240 dias. O Código Penal também prevê a pornografia de vingança no âmbito da violência doméstica.

Mais acima retratámos um caso consumado, com a vítima a ter de esconder-se, aparentemente sem que a reclusão tenha fim à vista. Há variantes: muitas vezes, também pode ocorrer fora de um relacionamento amoroso, quando hackers obtenham o acesso ilegítimo às imagens para chantagearem a vítima em troca de dinheiro. E podem nem a conhecer pessoalmente... É ainda possível que os chantagistas sejam agressores sexuais. Conhecendo ou não a vítima, podem exigir favores de natureza sexual para não divulgar as imagens.

O primeiro caso parece ser mais frequente ou, pelo menos, mais noticiado. Foi o que se passou na Coreia do Sul, onde Cho Ju-bin, um homem de 25 anos, foi condenado a quatro décadas de prisão por gerir uma rede de pornografia de vingança no seu país. O jovem conseguiu, através de uma rede de mais de 100 suspeitos (muitos também condenados), entrar nos dispositivos online de centenas de mulheres e chantageá-las em troca de dinheiro. Se não pagassem, os seus vídeos íntimos iriam parar a um grupo fechado de mais de 10 mil membros, na rede de troca de mensagens Telegram. E podiam ser vistos por pouco mais de um dólar cada. Cho Ju-bin terá feito esta chantagem a, pelo menos, 74 mulheres, 16 das quais menores de idade, entre 2018 e 2020. Nos EUA, condenações semelhantes são também recentes.

Penas diversas incluem prisão

A nossa lei não prevê expressamente um tipo de crime para quem pratica este ato, embora seja possível enquadrá-lo em diversos crimes, como referimos. E são várias as penas aplicáveis. No contexto de violência doméstica, por exemplo, a lei prevê que quem difundir dados pessoais através da internet ou de outros meios de difusão pública generalizada, em particular imagem ou som relativos à intimidade da vida privada de uma vítima, sem o seu consentimento, é punido com prisão de dois a cinco anos.

Já se o caso for enquadrado no âmbito dos crimes contra a reserva da vida privada, as penas são agravadas em um terço nos seus limites mínimo e máximo. Isto se o agressor o praticar através de um meio de comunicação social, da internet ou de outros meios de difusão pública generalizada.

Por sua vez, o crime de gravações e fotografias ilícitas prevê a pena de prisão até um ano ou multa até 240 dias, para quem utilize imagens de vídeo ou fotos, ou permita que os conteúdos sejam utilizados, mesmo que tenham sido obtidos licitamente.

No caso da chantagem por dinheiro, a situação pode enquadrar-se no crime de extorsão, e o prevaricador sujeita-se a uma pena de prisão até cinco anos. A extorsão consiste em conseguir, para si ou para terceiro, um enriquecimento ilegítimo, constrangendo outra pessoa através de violência ou de ameaça.

Mas há mais, como o crime de ameaça. Quem ameaçar alguém com a prática de crime contra a liberdade e autodeterminação sexual, de forma a provocar-lhe medo ou inquietação ou a prejudicar a sua liberdade de determinação, é punido com prisão até um ano ou multa até 120 dias. Contudo, neste caso, o procedimento criminal depende de queixa. A Lei do Cibercrime também pode ser invocada em situações idênticas, na figura do acesso ilegítimo. Quem, sem autorização do proprietário, aceder a um sistema informático, pode ser punido com prisão até um ano ou multa até 120 dias. Se o acesso se concretizar através de violação de regras de segurança, a pena de prisão é até 3 anos ou multa.

Iniciativas para alterar a lei

Em 2018, o Código Penal sofreu alterações no âmbito da violência doméstica, já com alguma atenção adicional do Governo ao tema. 

No passado mês de outubro, a Assembleia da República debateu vários projetos de lei, sendo que alguns dos quais propuseram, entre outras alterações, o agravamento das penas no crime de devassa da vida privada. Também foi debatida uma petição através da qual se pretende a atribuição da natureza de crime público (ou seja, qualquer pessoa pode denunciar) à partilha não consentida de conteúdos sexuais.

Por outro lado, também foi proposto a obrigação de os prestadores intermediários de serviços em rede informarem o Ministério Público sempre que detetem conteúdos que possam ser enquadráveis no crime de devassa da vida privada, por exemplo.

Movimento contra pornografia nas redes sociais

A sociedade também não ficou parada, e usa, justamente, as “armas” do inimigo: as próprias redes sociais. Em outubro de 2020, surgiu o movimento #NãoPartilhes no Instagram, que entretanto se tornou uma associação, para apoiar vítimas da divulgação não autorizada de conteúdos e para sensibilizar o público.

As vítimas agradecem, mas remediar a situação é difícil. A divulgação desses conteúdos afeta irremediavelmente o quotidiano de qualquer pessoa. Têm sido relatados transtornos como depressão ou ansiedade, que, no limite, podem levar ao suicídio. É importante recordar que estes atos também podem ter impacto ao nível laboral: há o risco de as imagens serem vistas por colegas ou mesmo por chefias. E, se a vítima estiver à procura de emprego, sabe, com certeza, que, cada vez mais, as entidades patronais consultam os perfis das redes sociais dos candidatos. Uma vez que é muito difícil remover as imagens de todos os sites e redes sociais, mais vale prevenir.

Como prevenir e agir se for vítima

  • Evite enviar fotos íntimas pela internet ou por telemóvel, para que não possam ser usadas por terceiros.
  • O mesmo se aplica a vídeos, ainda que tenham sido feitos durante uma relação estável. Convém eliminá-los do computador ou do smartphone, para evitar que caiam em mãos erradas. Proceda de igual forma, se vender ou mandar reparar os aparelhos.
  • Contacte a APAV e as autoridades: a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) coordena a Linha Internet Segura, um serviço do Centro Internet Segura, destinado a esclarecer e apoiar os utilizadores da rede. Tem contacto telefónico gratuito (800 219 090, dias úteis das 8h00 às 22h00) e correio eletrónico. Pode também, através desta linha, denunciar conteúdos ilegais online. Para o efeito, recorra ao formulário Denunciar Conteúdo Ilegal. A vítima deve apresentar queixa às autoridades policiais ou ao Ministério Publico. A Unidade Nacional de Combate ao Cibercrime e a Criminalidade Tecnológica, da Polícia Judiciária, pode auxiliar, removendo os conteúdos. Mas nem sempre é fácil. Mesmo retirados, podem, mais tarde, ser partilhados noutras redes...
  • Aperfeiçoe a literacia online. Quanto mais souber sobre a internet e a sua dinâmica, menor será a probabilidade de se expor perigosamente.
  • Nunca se esqueça da máxima: uma vez na internet, para sempre na internet. Evite filmar atos íntimos. Se o fizer, tente não revelar elementos identificativos, como o rosto dos intervenientes. Se for vítima deste crime, guarde todas as provas: a forma mais eficaz de o fazer é através da captura de ecrã do conteúdo - no fundo “tirar uma fotografia” à imagem que surge no telemóvel. Convém que o URL (endereço que aparece no topo da imagem) esteja visível: através dele, as autoridades podem descobrir quem publicou o conteúdo.

Junte-se à maior organização de consumidores portuguesa

A independência da DECO PROTESTE é garantida pela sustentabilidade económica da sua atividade. Manter esta estrutura profissional a funcionar para levar até si um serviço de qualidade exige uma vasta equipa especializada.

Registe-se para conhecer todas as vantagens, sem compromisso. Subscreva a qualquer momento.

Junte-se a nós

 

O conteúdo deste artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais com o consentimento expresso da DECO PROTESTE, com indicação da fonte e ligação para esta página. Ver Termos e Condições.