Notícias

Como funcionam as vacinas

30 agosto 2022
vacinas

As vacinas protegem as pessoas de contrair certas doenças infeciosas através do estímulo da produção de anticorpos. Ajudam a impedir a transmissão destas doenças na comunidade, o que as torna num dos maiores avanços da medicina moderna. Se ainda tem dúvidas sobre os benefícios das vacinas, veja o vídeo.

Início

O Programa Nacional de Vacinação é regularmente revisto e atualizado pela Direção-Geral da Saúde (DGS), após proposta da Comissão Técnica de Vacinação (CTV) em função das vacinas disponíveis, da frequência e distribuição das doenças no nosso país, e da evolução social e dos serviços de saúde. 

 

A vacinação é uma ação que salva vidas. Todos os anos, as vacinas salvam milhões no mundo inteiro. Protegem, por exemplo, as crianças das doenças ditas “infantis”, que poderiam evoluir para problemas graves ou mortais. Com a vacinação, foram erradicadas doenças como a varíola, e outras estão em vias de ser eliminadas, como a poliomielite. A pessoa vacinada fica imune à doença ou, nos casos em que isso não é possível, tem uma forma mais ligeira da doença quando contactar com o agente infeccioso que a causa.

Optar pela vacinação é uma decisão individual com peso na sociedade. Vacinar a maioria da população cria imunidade de grupo: caso surja uma infeção, é mais difícil transmiti-la. Tal permite eliminar ou, pelo menos, controlar doenças. Quando poucos estão imunizados (vacinados), as doenças contagiosas espalham-se facilmente pela população.

As escolas públicas devem comunicar ao delegado de saúde da zona do estabelecimento quais os alunos com vacinas em falta, de acordo com o despacho n.º 3668-A/2017 dos gabinetes da secretária de Estado Adjunta e da Educação e dos secretários de Estado da Educação e Adjunto e da Saúde. 

Como lidar com reações adversas das vacinas

Todas as vacinas podem provocar efeitos secundários. Mas os riscos de complicações graves causadas pelas vacinas são muito inferiores aos das doenças contra as quais protegem. A maioria das vezes, trata-se de sintomas muito ligeiros, como inchaço no local da injeção, vermelhidão e febre. A solução passa por aplicar gelo e, se necessário, tomar um analgésico.

As reações severas são muito raras e constituem uma emergência médica. Podem manifestar-se através de inchaço do rosto, dificuldade em respirar, pressão arterial baixa, prostração, arritmia e perda de consciência. Face a estes sintomas, marque o 112 ou dirija-se às urgências hospitalares.

Só as vacinas com vírus vivos atenuados, como a BCG, podem causar alguma forma de doença, embora a probabilidade seja muito baixa. As inativadas contêm uma versão morta do organismo, pelo que são inofensivas. A imunização antigripal é um exemplo.