última atualização: 12/09/2019

Conduzir em ponto morto poupa combustível?

Baixar os consumos durante a condução tem merecido atenção especial dos condutores, sobretudo depois dos protestos dos camionistas de matérias perigosas que aconteceram recentemente e que causaram restrições no abastecimento de combustível em todo o País.

Truques como saber “dominar” a caixa de velocidades, fazendo passagens rápidas, e evitar acelerar muito no arranque, por exemplo, podem ajudar a otimizar o consumo de combustível do seu automóvel e poupar algum dinheiro.

No entanto, existem alguns mitos que precisam de ser entendidos de modo a evitar danos na viatura. Colocar o carro em ponto morto é um desses mitos. Acredita-se que deixar o carro andar “ao ralenti” deixa de consumir combustível, logo, poupa no gasto. Mas ao deixar o veiculo em ponto morto, sobretudo nas descidas, perde aderência ficando mais difícil de o controlar, o que obriga a usar o travão com mais frequência, logo, mais visitas ao mecânico, podendo, até, colocar em risco a própria vida.

Por outro lado, sabendo que os automóveis modernos estão equipados com sistemas computadorizados, que gerem a injeção de combustível para o motor, eletronicamente, esse “truque” deixa de fazer sentido, uma vez que é a centralina do carro que faz essa gestão.

Quando o pedal do acelerador esta livre e o carro continua a rolar, a admissão é cortada e o consumo é zero. Confirme com o computador de bordo, no ecrã, os consumos instantâneos. Uma boa ferramenta para perceber o impacto do seu estilo de condução.

Quando conduz, preocupa-se com o consumo do seu carro?

Costuma deixar o seu carro em ponto morto quando está em descidas?

Que medidas adota, durante a condução, para poupar combustível?

 

Partilhe a sua experiência com a comunidade!

User name

Junte-se a esta conversa

Participe nesta conversa, deixando o seu comentário ou questão em Auto da comunidade Mobilidade

1 Comentários

Filtrar por :
Faça login para aceder a este conteúdo. 
12/09/2019

Uma medida que eu uso muito é o que eu chamo de "não ter pressa para travar". Frequentemente na cidade nós conseguimos aperceber-nos com bastante antecedência se vamos ter de parar num semáforo. Nesses casos basta tirar o pé do acelerador e reduzir progressivamente as mudanças de forma a "travar" com o motor. Poupa-se combustível, pastilhas e discos de travão e alguma vezes até conseguimos retomar a marcha numa mudança mais alta porque entretanto o semáforo ficou verde novamente.