última atualização: 22/05/2020

Covid-19: é perigoso ligar o ar condicionado?

A generalidade dos sistemas domésticos é constituída por aparelhos split e multisplit, de uso individual para cada habitação. Nestes casos, não existe captação de ar do exterior para dentro de casa e também não existe a recirculação de ar entre espaços, para além da que ocorre pela ventilação natural e pelas janelas e portas abertas. O aparelho que está na sala de estar arrefece o ar que já estava na sala de estar. Não existe um risco acrescido de contaminação a partir do exterior pelo uso do aparelho de ar condicionado. Mas, por si só, este tipo de aparelho não garante a necessária renovação do ar.

Recomenda-se, por isso, a abertura frequente de janelas e portas. Neste caso, é preferível abrir as janelas mais vezes durante o dia (a DGS menciona seis) e por períodos de tempo de cinco a dez minutos. Assim, pode ligar o seu aparelho de ar condicionado, e continuar a garantir o conforto da habitação. 

De qualquer modo, e mesmo antes da pandemia e do estado de quarentena e distanciamento social a que obrigou, a nossa recomendação é sempre a mesma: prefira ventilar a sua casa de forma natural, abrindo as janelas frequentemente e, nos dias mais quentes, fazê-lo às horas de menor calor (de manhã e ao fim da tarde), para que o ar se renove regularmente.

Existem também vários truques para minimizar a necessidade de recorrer ao ar condicionado como forma de arrefecer o ar (veja as nossas recomendações). E não se esqueça: não é necessário regular a temperatura do aparelho para 19ºC para sentir o ambiente fresco. Regulando para 25ºC o aparelho irá responder adequadamente para garantir o conforto, e com muito menos consumo de energia. Compare os vários modelos de ar condicionado no nosso teste.

Tem evitado ligar o ar condicionado? Partilhe a sua experiência nos comentários. 


Equipa ENERGIAS RENOVÁVEIS

User name

Junte-se a esta conversa

Comentários

Seja o primeiro a comentar
eu disclaimer

O projeto que deu origem a esta comunidade recebeu financiamento através do programa de investigação e desenvolvimento “Horizon 2020”, sob o contrato de subvenção nº749402. Nem a EASME nem a Comissão Europeia são responsáveis pela informação veiculada nem pela utilização das informações contidas na mesma.