última atualização: 03-03-2018

Aquecimento de águas em moradia segunda habitação

Estamos a remodelar uma moradia à beira mar no litoral centro. Até agora as águas eram aquecidas por 2 esquentadores a gás de botija mas a instalação e a própria localização das botijas não apresenta a segurança necessária e obrigatória. O uso sera esporádico mas intenso para 4 a 8 pessoas quando ocupada ( uma vez que é 2a habitação). Estamos focados em 2 alternativas: ligação à rede de gas natural e colocar esquentador de alta capacidade (27L?) ou bomba de calor (300L?). Segundo pesquisa parece que ambos terão vantagem em associar painéis solares. Em qualquer dos casos estamos mais inclinados para fogão eletrico e não a gás. Desde já obrigada pelos esclarecimentos que possam dar.

Junte-se a nós

Esta informação foi útil e ajudou-o? Para apoiar a nossa comunidade, registe-se no site. É gratuito, demora menos de um minuto.

  • Pode perguntar e pedir conselhos
  • ler as contribuições dos nossos membros
  • dar o seu contributo 
  • receber o feedback de um especialista.

Registe-se em DECO PROTESTE para participar.
Entrar ou Registar

Comentários

Melhor resposta
User name
João Silva
03-03-2018
Melhor resposta

Bom dia Ana Santos,

Para utilizações esporádicas, não é recomendável optar por painéis solares. Não sendo uma utilização regular diária, terá dificuldade em rentabilizar o investimento inicial e os períodos de paragem irão provocar o fenómeno da estagnação com muita frequência, reduzindo a vida útil do sistema.

Uma bomba de calor de 300 litros parece-me manifestamente insuficiente para 8 pessoas. Numa bomba de calor, conte apenas com o volume acumulado ou seja 300 litros de água a 60ºC que podem ser misturados com água fria para da água a cerca de 40ºC para os banhos, perfazendo cerca de 400 litros de água.

Os tempos de reposição da água quente são muito elevados pelo que poderá ter que esperar 3 a 4 horas até ter água quente de novo.

O esquentador parece-me a melhor opção para uma utilização pontual mas com grande s necessidades instantâneas.


Melhores cumprimentos

User name
ANA PATRICIA REIS SANTOS
03-03-2018

Obrigada pela rapida resposta.

User name
Antonio Monteiro
03-03-2018

De facto para utilizações intensivas e pontuais um sistema de produção instantânea como um esquentador é a solução mais lógica.

Chamo apenas a atenção para o movimento crescente anti-gás que começa a expressar-se pela europa e que pessoalmente subscrevo. Caso da Holanda com o anúncio recente de eliminação do uso total do dito "gás natural" por respeito ao paradigma ambiental.

Quanto ao uso de uma Bomba de Calor poderia justificar-se neste caso numa lógica de consciência ambiental. Os 300litros poderão ser suficientes mas também poderá ser dimensionado para mais ex. 500 L. As soluções não são nunca "chapa 3" não me canso de explicar.

Ao dispor.
António Monteiro

User name
ANA PATRICIA REIS SANTOS
03-03-2018

Realmente tb temos essa preocupaçao. Na 1a habitaçao fizemos investimento em paineis solares inclusivamente. Mas para uso intensivo e esporádico uma bomba de 500L parece ser de manutençao demasiado dispendiosa. Obrigada pelo contributo.

eu disclaimer

O projeto que deu origem a esta comunidade recebeu financiamento através do programa de investigação e desenvolvimento “Horizon 2020”, sob o contrato de subvenção nº749402. Nem a EASME nem a Comissão Europeia são responsáveis pela informação veiculada nem pela utilização das informações contidas na mesma.