Notícias

Como evitar a sobrecarga da internet

Os operadores podem limitar o acesso às plataformas digitais de vídeo e jogos online, como Netflix e PlayStation Network, para assegurar o normal funcionamento da rede. Saiba o que pode fazer para evitar a sobrecarga da internet.

  • Dossiê técnico
  • João Miguens e Sofia Costa
  • Texto
  • Myriam Gaspar e Filipa Nunes
01 setembro 2020
  • Dossiê técnico
  • João Miguens e Sofia Costa
  • Texto
  • Myriam Gaspar e Filipa Nunes
homem a trabalhar em casa à secretária no computador

iStock

A covid-19 pôs Portugal de quarentena e a maioria das pessoas ficou confinada em casa, só podendo sair para fazer compras de bens alimentares, passeios de curta duração e pouco mais. Salvou-nos a internet, que nos manteve ligados ao mundo e ao trabalho. O que antes era realizado de modo presencial passou a fazer-se à distância. O teletrabalho e o ensino à distância são agora utilizados de forma massiva. Houve um aumento exponencial da utilização de ferramentas de mensagens instantâneas e serviços de entretenimento, como plataformas de jogos e streaming de vídeo, que são os que mais largura de banda consomem.

Em regra, os operadores estão, segundo as normas comunitárias, proibidos de bloquear, diminuir a velocidade ou priorizar o tráfego. Contudo, para evitar o congestionamento e a sobrecarga da internet, que podem provocar a perda de qualidade, falhas técnicas ou mesmo indisponibilidade temporária, o Governo aprovou um diploma (Decreto-Lei n.º 10-D/2020 de 23 de março). 

Os prestadores de cuidados de saúde, as forças e serviços de segurança e administração interna têm prioridade sobre todos os outros clientes. Contudo, também para a população em geral pretende-se que estejam assegurados um conjunto de serviços que permitam o trabalho e o ensino remoto. 

Os operadores estão autorizados, em situação de estrita necessidade, como um aumento tão grande de tráfego que impeça o funcionamento da rede, a fazer a gestão de redes e de tráfego, podendo priorizar tráfego e limitar ou inibir alguns serviços e funcionalidades, como é o caso de vídeos e jogos online, ligações ponto-a-ponto (P2P), videoclube e “restart TV” na televisão por subscrição. Ainda não atingimos esse nível, mas poderá acontecer.

Durante este período, os operadores também não estão obrigados a cumprir os parâmetros de qualidade do serviço ou os prazos de resposta às reclamações. O mesmo acontece relativamente às obrigações de cobertura com velocidades de referência revistas (mantêm-se as velocidades anteriores) ou quando a obrigação de portabilidade implique a deslocação de técnicos (o prazo é aumentado para 5 dias úteis se puder ser realizada à distância).

O decreto-lei diz ainda que estas medidas devem ser previamente comunicadas ao Governo (ou nas 24 horas a seguir à sua adoção  quando haja urgência) e à Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom). Mas é importante que os operadores informem também o consumidor. Para tal, prevê que as medidas implementadas sejam publicadas nas páginas de internet de cada operador.

Nada é referido sobre uma eventual redução de preço quando, por exemplo, o serviço deixa de ser prestado com o nível de qualidade anunciado. Consideramos que, em determinadas situações e a partir de um certo nível de limitação, há que repartir o custo também pelo prestador do serviço. Quem paga por um serviço HD (ou com outro tipo de características premium, por exemplo 1 Gbps de velocidade) não deve continuar a pagar por um serviço do qual não está a usufruir.

Entretanto, os operadores, face ao crescente aumento de tráfego, estão a reorientar a sua capacidade para as zonas residenciais e a reforçar as suas redes. Mas vai ser preciso preparar melhor o futuro. O que acontecerá com as crescentes exigências de teletrabalho e de ensino remoto? Julgamos que é preciso ir mais além com um plano de aceleração da cobertura de redes de alta velocidade, com especial atenção às freguesias que ainda estão sem acesso a soluções de fibra por exemplo. O processo de consulta sobre o leilão do 5G também foi suspenso pela Anacom, mas é fundamental que se avance, dadas as potencialidades que a nova tecnologia tem.

Estamos a acompanhar a situação. Faça-nos chegar os seus alertas sobre a forma como estas medidas se estão a refletir na sua utilização dos serviços de TV, internet fixa e móvel, telefone e telemóvel.

A crise do novo coronavírus obrigou a Comissão Europeia a criar um mecanismo para monitorizar o tráfego nos Estados-membros e a tomar medidas preventivas. Outros intervenientes, como os fornecedores de conteúdos de vídeo e as plataformas de streaming, que são responsáveis pela maioria do tráfego global na internet, foram chamados a contribuir. A Comissão Europeia pediu-lhes para adaptarem os serviços ao aumento da procura nesta altura de isolamento social resultante da pandemia da covid-19. Netflix, Facebook  YouTube já anunciaram ter baixado a qualidade dos seus serviços na Europa, de forma a não sobrecarregar as redes.  

Como utilizador pode também contribuir para garantir o bom funcionamento da internet e de outros serviços de telecomunicações (voz e SMS), fazendo um uso responsável e inteligente das redes.

Como poupar a largura de banda da internet

  • Evite utilizar serviços de streaming, como Netflix, YouTube, etc., durante o dia, para deixar recursos para o que é realmente necessário: teletrabalho, ferramentas de comunicação para chamadas e videoconferências, aplicações educacionais e escolares, acesso à informação, etc.-
  • Se a plataforma de streaming permitir o funcionamento offline, opte por descarregar os filmes e séries pretendidas durante as horas de menor tráfego, para visualizá-los depois.
  • Durante o dia descarregue apenas os documentos ou ficheiros necessários. Se puder esperar, faça-o durante a noite ou nas horas com tráfego reduzido.
  • Evite enviar ficheiros de vídeo e, se possível, comprima-os.
  • Evite fazer videoconferências ou videochamadas de longa duração. Verifique se a comunicação de imagem é dispensável. Em muitas situações basta a comunicação de áudio.
  • Para chamadas de voz opte, sempre que possível, pelo telefone fixo se este serviço ainda estiver incluído no seu pacote de comunicações. Além de contribuir para o alivio das redes móveis, diminui a exposição às radiações eletromagnéticas emitidas pelo telemóvel.

Se nota a internet lenta, pode ser um problema da sua rede doméstica e não da Internet. Saiba como aumentar a velocidade da rede wi-fi em casa, seja mudando a banda de frequência ou o canal do router.

Junte-se à maior organização de consumidores portuguesa

Num Mundo complexo e com informação por vezes contraditória, a DECO PROTESTE é o sítio certo para refletir e agir.

  • A nossa missão exige independência face aos poderes políticos e económicos. 
  • Testamos e analisamos uma grande variedade de produtos para garantir que a escolha dos consumidores se baseia em informação rigorosa. 
  • Tornamos o dia-a-dia dos consumidores mais fácil e seguro. Desde uma simples viagem de elevador ou um desconto que usamos todos os dias até decisões tão importantes como a compra de casa.
  • Lutamos por práticas de mercado mais justas. Muitas vezes, o País muda com o trabalho que fazemos junto das autoridades e das empresas. 
  • Queremos consumidores mais informados, participativos e exigentes, através da informação que publicamos ou de um contacto personalizado com o nosso serviço de apoio.

A independência da DECO PROTESTE é garantida pela sustentabilidade económica da sua atividade. Manter esta estrutura profissional a funcionar para levar até si um serviço de qualidade exige uma vasta equipa especializada.

Faça parte desta comunidade.

Registe-se para conhecer todas as vantagens, sem compromisso. Subscreva a qualquer momento.

Junte-se a nós

 

O conteúdo deste artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais com o consentimento expresso da DECO PROTESTE, com indicação da fonte e ligação para esta página. Ver Termos e Condições.