Dicas

Como controlar e aliviar a dor de garganta

Incómoda e recorrente, é um problema para que todos conhecem um tratamento caseiro ou com medicamentos, pelo menos. Saiba de que forma surge e o que ajuda no alívio rápido da dor.

  • Dossiê técnico
  • Joana Almeida
  • Texto
  • Cláudia Sofia Santos
19 novembro 2020
  • Dossiê técnico
  • Joana Almeida
  • Texto
  • Cláudia Sofia Santos
Chávena de chá de limão com tigela de mel ao lado

iStock

Dificuldade em engolir, ardor e rouquidão são manifestações que se associam a uma dor de garganta. Que é o sintoma de uma doença, e não a doença em si. Pode apresentar-se com outros sintomas, como febre, dor de cabeça, tosse, inchaço dos gânglios, congestão nasal, conjuntivite e cansaço. Deve ser vigiada e, se for persistente, é recomendada uma visita ao médico, para que seja investigada a causa. 

Quais as causas mais prováveis das dores de garganta?

Na origem da dor de garganta, estão, normalmente, infeções por vírus e, de forma menos comum, por bactérias, fungos ou outros fatores, como rinite alérgica ou refluxo gastroesofágico.

Entre as causas virais, destacam-se os vírus respiratórios, como os adenovírus, rinovírus e coronavírus, em que se inclui o SARS-CoV-2, os quais são responsáveis por 25 a 45% das faringites agudas em adultos. Também alguns vírus causadores de herpes, sarampo, varicela e VIH podem motivar a dor de garganta.

Quando a origem é bacteriana, o mais comum é ter como responsável a Streptococcus pyogenes. Esta forma manifesta-se sobretudo em crianças até aos 4 anos e adolescentes até aos 15 anos. Mas há mais: 30% dos casos de dor de garganta têm origem não-infecciosa, como as alergias, ainda que outras doenças possam igualmente intervir. É o caso de hipotiroidismo, diabetes e tumores.

Fatores ambientais, como o fumo do cigarro, a exposição ao ar seco ou a inalação de químicos, podem ainda causar irritação das mucosas e originar dor de garganta. Se a voz for submetida a grandes esforços ou o paciente for vítima de trauma, por exemplo, resultante de intubação, a garganta também é afetada.

O ar condicionado pode provocar dor de garganta?

Este equipamento não é causa direta da dor de garganta. No entanto, pode provocá-la indiretamente, sobretudo em indivíduos com problemas respiratórios. Se o ar condicionado não for alvo de manutenção regular e eficiente, facilmente se torna num terreno fértil para a acumulação de bactérias, vírus e fungos, além de ser fonte de pólenes e poeiras, desencadeadores frequentes de alergias. Todos estes agentes e substâncias são dispersados no ar e inalados, por exemplo, pelos trabalhadores de um escritório. Quem já for portador de alergias, rinite, sinusite ou asma tem maior risco de ver os sintomas agravados.

Contudo, se o filtro for limpo com regularidade e o sistema ajustado em termos de condições de humidade e temperatura, o ar condicionado pode ter um impacto positivo na
saúde. Está provado que pode reduzir a mortalidade relacionada com o excesso de calor em grupos de risco e limitar a disseminação de substâncias que causam alergias. No contexto da covid-19, o uso de ar condicionado e sistemas de ventilação pode ser benéfico, reduzindo a propagação do vírus em espaços fechados, através do aumento da renovação do ar. 

Mas nunca deve ser utilizado o modo de recirculação, que aproveita o ar interior, em detrimento do fresco. 

Quando consultar o médico 

A maioria dos casos de faringite aguda, ou dores de garganta, dura pouco. Os pacientes recuperam em cerca de três a 10 dias, se não houver pus, gânglios inchados ou dor ao engolir. Mesmo assim, é sempre importante identificar situações que possam conduzir a complicações mais sérias e que, no limite, envolvam risco de vida. Deve consultar um médico se tiver dores de garganta com frequência, e estas não melhorarem com analgésicos. Faça-o também se sentir dificuldade em engolir, inclusive a saliva, e em ingerir líquidos, ou se tiver problemas respiratórios, a voz “abafada” ou febre acima de 38ºC, apesar da medicação. Se pertencer a um grupo de risco e tiver o sistema imunitário fragilizado, deve também ser visto por um médico. 

O exame e o histórico do doente permitem estabelecer a gravidade da situação, e decidir se é necessário algum diagnóstico laboratorial ou passar para um tratamento com medicamentos. A avaliação médica é importante, para que não sejam prescritos antibióticos sem necessidade, os quais podem agravar o aumento das resistências bacterianas na comunidade.

Como gerir os sintomas

A dor de garganta não dura muito, sendo perfeitamente possível, em muitos casos, gerir os sintomas com analgésicos. A evidência científica aconselha a que se considere o paracetamol ou o ibuprofeno como a primeira linha de tratamento. Também as tradicionais pastilhas ou os sprays à venda nas farmácias mostram alguma utilidade como analgésicos locais, conferindo alívio mais rápido. 

As terapias sem medicamentos, ou tradicionais mezinhas, podem ainda providenciar algum alívio a curto prazo, embora não haja evidências científicas sobre a eficácia. Mas, como os efeitos secundários são pouco prováveis e estes truques podem reduzir o desconforto, pode adotá-los.

Mezinhas para aliviar a dor 

No tempo das nossas avós, chá com mel e canja de galinha eram os remédios habituais. Saiba porquê.

Chá de limão com mel

Beber infusões ajuda a hidratar a garganta, aliviando a irritação e a dor. Já o mel é suavizante, mas não está provado que acalme a irritação.

Comer gelo ou sobremesas frias

A temperatura reduzida “anestesia” a garganta, diminuindo a dor, ainda que de forma temporária. Facilita igualmente a hidratação.

Sopas e caldos

Com a garganta inflamada, é difícil ingerir alimentos mais sólidos. Por isso, tomar sopas e caldos mornos ajuda a deglutição e evita o aumento da irritação da garganta.

Rebuçado duro 

Como alternativa a pastilhas ou spray analgésico, pode recorrer a um rebuçado. Não está provada a eficácia, mas é inócuo e mais barato. 

Gargarejar com água morna salgada

Para crianças com mais de 6 anos e adolescentes, trata-se de uma alternativa inócua, que alivia temporariamente as dores de garganta ligeiras.

Junte-se à maior organização de consumidores portuguesa

Num Mundo complexo e com informação por vezes contraditória, a DECO PROTESTE é o sítio certo para refletir e agir.

  • A nossa missão exige independência face aos poderes políticos e económicos. 
  • Testamos e analisamos uma grande variedade de produtos para garantir que a escolha dos consumidores se baseia em informação rigorosa. 
  • Tornamos o dia-a-dia dos consumidores mais fácil e seguro. Desde uma simples viagem de elevador ou um desconto que usamos todos os dias até decisões tão importantes como a compra de casa.
  • Lutamos por práticas de mercado mais justas. Muitas vezes, o País muda com o trabalho que fazemos junto das autoridades e das empresas. 
  • Queremos consumidores mais informados, participativos e exigentes, através da informação que publicamos ou de um contacto personalizado com o nosso serviço de apoio.

A independência da DECO PROTESTE é garantida pela sustentabilidade económica da sua atividade. Manter esta estrutura profissional a funcionar para levar até si um serviço de qualidade exige uma vasta equipa especializada.

Faça parte desta comunidade.

Registe-se para conhecer todas as vantagens, sem compromisso. Subscreva a qualquer momento.

Junte-se a nós

 

O conteúdo deste artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais com o consentimento expresso da DECO PROTESTE, com indicação da fonte e ligação para esta página. Ver Termos e Condições.