última atualização: 09-05-2019

Sistema complementar de apoio a sistema termossifão

Boa noite,

Gostaria de ter o Vosso conselho sobre energia solar e meios complementares para AQS.

Comprei um apartamento que ainda está a ser construído que prevê:

  • Kit Sistema em termossifão de 300ltr BAXI
  • Esquentador termostático Vulcano

Não gostando de gás gostaria de saber se existe algum termoacumulador que trabalhe em conjunto com o sistema solar, ou seja, penso que por norma a primeira água quente a circular será a do termoacumulador e depois a do sistema solar.

Por isso existe alguma solução que trabalhe semelhante ao esquentador termostático? Ou seja, que acione apenas o sistema complementar no caso de a água solar não estar a determinada temperatura?

Posso mudar o sistema, mas gostaria de manter os painéis solares

Obrigado

OBS: Somos 3 pessoas em casa que toma banho todos os dias de manhã e pontualmente ao fim do dia.

Junte-se a nós

Esta informação foi útil e ajudou-o? Para apoiar a nossa comunidade, registe-se no site. É gratuito, demora menos de um minuto.

  • Pode perguntar e pedir conselhos
  • ler as contribuições dos nossos membros
  • dar o seu contributo 
  • receber o feedback de um especialista em energias renováveis.

Registe-se em DECO PROTESTE para participar.
Entrar ou Registar

Comentários

User name Moderator
Bruno Miguel | Moderador
08-05-2019

Olá Bruno,

Os sistemas que refere devem servir de apoio ao sistema solar térmico e não o contrário. Ou seja, o cenário ideal, será obter 70% da energia produzida anualmente para AQS através do sistema solar. Os sistema deveram servir como apoio e ser, por exemplo, acionado apenas nos meses de inverno ou quando necessitar.

No campo económico, no que diz respeito ao restantes 30%, o esquentador a gás natural, não propano/butano, terá um custo de utilização energética muito mais competitivo do que um termoacumulador elétrico. Podemos estar a falar de mais do dobro dos gastos em energia produzida para os banhos. O termoacumulador é duas vezes mais caro, em energia produzida, do que o gás natural.

Para ter os dois sistemas a funcionar em pleno, é imperativo que programe o termoacumulador elétrico durante a noite (no inverno), de modo a que tenha água quente todos os dias de manhã. Isto porque o termossifão não lhe vai dar energia suficiente, especialmente na época de inverno. Aqui, deve "pesar" os prós e os contras da não opção pelo esquentador a gás natural.

Um dos aspetos positivos do esquentador a gás é que este funciona através de um diferencial térmico que entrará, automaticamente, em funcionamento sempre que a temperatura proveniente do Sistema Solar Térmico não atingir os graus que foram estabelecidos previamente.

Com os melhores cumprimentos
Equipa Energias Renováveis

User name Moderator
RICARDO JOSE COIMBRA PAIVA PEREIRA | Moderador
09-05-2019

Caro Bruno,

É perfeitamente possível utilizar um termoacumulador elétrico como apoio ao sistema solar térmico termossifão, em substituição do esquentador termostático – não nos indica se o esquentador é a gás natural ou a GPL.
A ideia, ao utilizar um termoacumulador elétrico, é que o instale em série com o sistema solar térmico – no lugar do esquentador – e que este receba a água quente proveniente do sistema solar termossifão.

Idealmente, deverá regular a temperatura de saída na válvula mistura termostática do termossifão para uma temperatura máxima na casa dos 55ºC. O termoacumulador irá assim receber água previamente aquecida pelo termossifão e apenas deverá arrancar quando a temperatura da água no seu interior baixar para valores inferiores ao valor definido no aparelho – para reduzir a sua ativação e para que o termoacumulador consiga manter o volume de água minimamente utilizável, recomendamos que seja regulado para uma temperatura a rondar os 40 a 45ºC.

Recomendamos a instalação de um termoacumulador de 80 litros – para um agregado familiar de 3 pessoas, parece-nos excessivo a aquisição de um termoacumulador com pelo menos 100 litros, o que originaria mais de 400 litros de água quente armazenada.

Quanto às questões económicas, há que olhar para o preço por kWh das várias soluções... O gás naturalr onda os 0,07€/kWh. O butano os 0,16€/kWh. Na eletricidade temos cerca de 0,19€/kWh em tarifa simples e na casa dos 0,11€/kWh em vazio (bi-horária). Por isso, se se considerar a mesma necessidade energética (os tais 30% que o termossifão pode não fornecer) e um rendimento semelhante, teremos que o termoacumulador a operar totalmente em bi-horária é... mais barato que o esquentador a butano, por exemplo. Se o esquentador for a gás natural, o termoacumulador fica sempre mais caro (57% mais no vazio e 171% mais em tarifa simples).

Como indica que toma maioritariamente de manhã, a utilização de um termoacumulador pode ser interessante, até para otimizar o seu funcionamento em tarifa bi-horária, em regime de vazio: deverá programá-lo para que apenas se ative no horário de vazio. Ao tomar banho de manhã, o termoacumulador irá receber água quente do termossifão (aquecida no dia anterior, por exemplo). O termossifão irá arrefecer pois entra água fria da rede no seu depósito – o que é interessante pois, durante o dia, o sol irá novamente aquecer a água no depósito do termossifão, ou seja, está a dar prioridade ao solar. À noite, em horário de vazio, o termoacumulador poderá aquecer a água no seu interior caso não esteja à temperatura mínima que regulou - o que deve acontecer pouco pois a água vem sempre pré-aquecida do termossifão. Isto irá permitir que de manhã tenha, pelo menos, 80 litros de água aquecida a 40-45ºC.

Neste cenário, recomendamos a aquisição de um termoacumulador que permita este tipo de controle ou de um sistema externo que efetue este mesmo controle temporal. Caso não possa utilizar a tarifa bi-horária, reduza ao máximo os intervalos de funcionamento do termoacumulador, de modo a dar a máxima prioridade ao solar.

Obrigado, Ricardo Pereira

eu disclaimer

O projeto que deu origem a esta comunidade recebeu financiamento através do programa de investigação e desenvolvimento “Horizon 2020”, sob o contrato de subvenção nº749402. Nem a EASME nem a Comissão Europeia são responsáveis pela informação veiculada nem pela utilização das informações contidas na mesma.