Notícias

Aquecedor portátil Dyson vale mesmo a pena?

Testámos o Dyson Hot+Cool, o novo menino querido dos termoventiladores. A qualidade é alta, mas o preço a pagar compensa?

Termoventilador

Direitos reservados

Testámos o termoventilador Dyson Hot+Cool AM09, que apresenta, no geral, uma qualidade superior ao de outros aparelhos do mesmo género, anteriormente testados. Na nossa avaliação de desempenho em laboratório, apresentou um resultado superior, sem que, no entanto, tenha alguma particularidade que o destaque significativamente dos restantes termoventiladores testados, e que obtiveram também uma boa apreciação global. O preço pode ser o principal dissuasor da compra: na hora de escolher, o consumidor terá 349 euros disponíveis para desembolsar por ele? Se, afinal, apesar do bom desempenho, não se distingue particularmente de outros, mais baratos?

Aquecedores portáteis representam maiores gastos

Num país em que “lar” é, muitas vezes, sinónimo de desconforto térmico, os consumidores viram-se para os aquecedores portáteis, ou termoventiladores, para conseguirem aquecer mais rapidamente a casa, divisão a divisão. É uma solução prática e que, à partida, parece mais em conta. Daí que estes aparelhos se encontrem em 65% dos lares e sejam o principal equipamento para aquecimento ambiente. O custo de aquisição é baixo (rondará os 20 euros), mas a sua reduzida eficiência acaba por se traduzir em consumos de energia elevados e em custos de utilização pesados. Por isso, não os recomendamos, a não ser para um uso pontual. É um efeito bola de neve: os baixos rendimentos, o deficiente isolamento, o custo da energia, a falta de literacia energética de alguns consumidores levam a uma escolha que, sendo óbvia no momento de aquisição, só irá agravar a situação. Para um aquecimento eficaz do espaço doméstico o ar condicionado – que também permite um arrefecimento – é uma opção mais eficiente do ponto de vista energético e também mais sustentável.

Boa performance a aquecer a sala

O equipamento é relativamente rápido a aumentar a temperatura em 10ºC, com um reduzido consumo de energia associado. Mas há dois pontos a melhorar: a distribuição da temperatura e o controlo da temperatura máxima da sala. 

Testámos duas velocidades para aumentar a temperatura de 15ºC para 25ºC: a velocidade 1 e a 10. Verificámos, no primeiro caso, que em 13 minutos tinha atingido os 25ºC; com a velocidade 10, demorou 20 minutos a chegar lá, e o consumo de energia quase duplicou. Tipicamente, os termoventiladores apresentam dois a três níveis de potência para aquecimento, sendo o fluxo de ar constante. No caso do Dyson é diferente: é possível definir a temperatura e a velocidade do ar – e é por este motivo que o aumento da temperatura é sentido mais rapidamente quando selecionada uma velocidade inferior, uma vez que o fluxo de ar é inferior. Por isso, é preferível utilizar este equipamento na velocidade 1, visto que aquece rapidamente e apresenta um consumo de energia associado mais reduzido. Aliás, quando opera na velocidade 1, tem, em geral, melhores resultados.

Um pouco barulhento, seguro e claro

Durante o seu funcionamento a aquecer, o fluxo de ar medido neste Dyson é inferior ao que se tem registado nos restantes equipamentos, o que o torna mais confortável. No entanto, o ruído é algo a melhorar, sendo ainda mais barulhento quando o ligamos no modo de ventilação. De salientar que é este mesmo modo de ventilação que faz com que tenha a designação “cool”, assemelhando-se ao funcionamento de uma ventoinha. Se pretende arrefecer os espaços, a solução será o sistema de ar condicionado. E não se deixe levar pela publicidade deste aparelho – o termo “refrescar” lá mencionado não é sinónimo de arrefecimento, o aparelho simplesmente ventila o espaço. Aliás, esse é um dos pontos ambíguos na forma como é promovido e pode induzir em erro os consumidores.

Fizemos também um teste de segurança elétrica: no que se refere à estabilidade do equipamento, mostrou-se seguro quando utilizado num plano com uma inclinação de 15 graus.

É fácil de utilizar, e as instruções são claras e de fácil compreensão.

O nosso veredicto é simples: tem um bom desempenho e apresenta diversas funcionalidades, mas para aquecer não supera a concorrência por muito. Diz-se Hot+Cool ("quente+fresco"), mas, para aquecer, não se distingue particularmente de outras opções mais em conta existentes; quanto ao arrefecimento, é comparável a uma ventoinha, mas não mais do que isso. E, como é caro, provavelmente não valerá como opção. Por menos, o consumidor poderá conseguir um termoventilador com um desempenho quase equivalente. E, por um pouco mais, um ar condicionado, com melhor eficiência e com a desejada função de arrefecimento.

Junte-se à maior organização de consumidores portuguesa

A independência da DECO PROTESTE é garantida pela sustentabilidade económica da sua atividade. Manter esta estrutura profissional a funcionar para levar até si um serviço de qualidade exige uma vasta equipa especializada.

Registe-se para conhecer todas as vantagens, sem compromisso. Subscreva a qualquer momento.

Junte-se a nós

 

O conteúdo deste artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais com o consentimento expresso da DECO PROTESTE, com indicação da fonte e ligação para esta página. Ver Termos e Condições.