Notícias

Bancos carregam nas anuidades de cartões de débito e DECO volta a exigir limites

06 janeiro 2016
Anuidades de cartões de débito

06 janeiro 2016

A Caixa Geral de Depósitos e o Novo Banco aumentaram € 3 nas anuidades de cartões de débito. O Banco de Portugal tem de impor limites ao custo destes cartões com urgência, tal como a DECO pediu em 2015, depois de detetar um aumento excessivo e continuado, bastante acima da inflação, em muitos bancos.

Os tarifários de 2016, já em vigor, indicam que as anuidades dos cartões de débito passam a custar € 18 na Caixa Geral de Depósitos, € 17 no Novo Banco e € 20,80 no extinto Banif. Um aumento de cerca de 20%, muito acima da inflação. Estes bancos justificam o aumento com o facto de a Comissão Europeia ter reduzido as comissões pagas pelos comerciantes. Prevemos que os restantes bancos sigam a tendência, à semelhança dos anos anteriores.

Em setembro de 2015, analisámos a evolução do custo dos cartões de débito e concluímos que custavam quase mais 55% do que há 4 anos. Por isso, contactámos o Banco de Portugal para pedir a introdução de limites a estes aumentos. De setembro até hoje, o Banco de Portugal manteve-se em silêncio. Perante a sua passividade demos também conta dos resultados do estudo à Assembleia da República e ao Ministério das Finanças. Com estes novos aumentos, a necessidade de impor limites ao custo das anuidades de cartões de débito torna-se ainda maior.

Este agravamento continuado das anuidades dos cartões de débito é injustificado, porque os custos operacionais da banca diminuíram significativamente nos últimos anos com a menor utilização dos balcões. A movimentação das contas à distância foi incentivada pelos próprios bancos, multiplicando as plataformas de homebanking e a atribuição de cartões de débito. Começa a ser claro que a atividade da banca se está a deslocar das operações financeiras para a cobrança de comissões.

Bancos mais caros
A Caixa Geral de Depósitos cobra €18; o Novo Banco; € 17, e o Banif, 20,80 euros. O ActivoBank disponibiliza o cartão de forma gratuita e apenas 2 instituições não vão além da barreira dos 10 euros: Banco Big e Abanca. 

Compare entre bancos
Primeiro, saiba qual a conta à ordem mais barata do mercado. Se o seu cartão de crédito tiver também função de débito e permitir aceder à rede Multibanco, como acontece com alguns do Novo Banco, do Millennium BCP e da Caixa Geral de Depósitos, pode abdicar do cartão de débito e poupar até 14,56 euros por ano. Isto se pagar sempre as despesas a 100 por cento, porque as taxas deste tipo de produto aproximam-se dos 20%, muito acima dos valores praticados noutras formas de financiamento, como o crédito pessoal e o descoberto autorizado das contas-ordenado.

Aumentos até 150% nos últimos 6 anos
Entre 2009 e 2015, cinco bancos mais do que duplicaram o valor aplicado: o Banco BIC, o Banco BPI, o Banif, o Millennium BCP e o Santander Totta. Nos dois primeiros, a variação chegou aos 150%, passando de 5,20 para 13 euros e de 6,24 para 15,60 euros, respetivamente. Aliás, estes cinco cobram uma média muito superior (15,27 contra 11,62 euros) e têm feito subir os custos de forma mais acentuada do que a concorrência.

Outras três instituições evidenciaram aumentos superiores a 90% no mesmo período: o Best Bank, o Novo Banco e a Caixa Geral de Depósitos. Apenas o Big e a Caja Duero mantiveram os valores cobrados e o Montepio registou um incremento a rondar os 10 por cento.

Só entre 2014 e 2015, as anuidades subiram em média 9,8%, ou seja, 1,04 euros. Nos últimos 4 anos, o acréscimo foi de quase 55 por cento.
Só entre 2014 e 2015, as anuidades subiram em média 9,8%, ou seja, 1,04 euros. Nos últimos 4 anos, o acréscimo foi de quase 55 por cento.

Imprimir Enviar por e-mail