última atualização: 17/08/2020

Climatização

Estou a construir uma moradia unifamiliar e estou indeciso quanto ao sistema de climatização. 

Desejo um sistema embutido por motivos estéticos, embora aceite um valor mais elevado na aquisição, pretendo apostar na fiabilidade, nos baixos custos de manutenção/consumos energeticos, salubridade e assistencia técnica assegurada.

Os Ventiloconvectores com bomba de calor reversível são uma possibilidade, ou o AC.

O piso radiante apesar de ser uma boa solução, provoca desenvolvimento e agravamento de insuficiência venosa crónica e varizes, podendo levar a libertação de trombos, assim como sensação de pés quentes. Aumentando o cansaço para quem passa horas intermináveis em pé,  como é o meu caso por ser profissional de saúde. 

As condutas de climatização central provocam desenvolvimento de fungos, bactérias e ácaros prejudiciais ao foro respiratório e o AC seca as vias respiratórias.

De momento estou bastante perdido por qual optar, e qual terá efeitos menos nocivos para a saúde e conforto termico anual.

Associar o aquecimento de AQS será um factor a considerar, paineis solares térmicos ou fotovoltaicos.

A moradia tem como objectivo a sustentabilidade energética e está situada em Torres Vedras, onde o nível de humidade no ar é elevado.

Obrigado desde já pelo apoio.

User name

Junte-se a esta conversa

Participe nesta conversa, deixando o seu comentário ou questão em Aquecer o ar e climatizar da comunidade Energias Renováveis

2 Comentários

Filtrar por :
Faça login para aceder a este conteúdo. 
17/08/2020

Caro Pedro,

em primeiro lugar repetimos que estas questões devem ser debatidas, em primeiro lugar, com o Projetista que está trabalhar no Projeto da habitação em questão. Apenas ele (ou a sua equipa) tem acesso a todos os dados, elementos, requisitos, particulares e singularidades do Projeto de modo a poder apresentar a melhor solução possível no Projeto de Térmica, tendo em vista os requisitos legais, os impostos pelo cliente e uma total e completa integração dos sistemas de climatização, produção de AQS (água quente sanitária) e, eventualmente, de produção descentralizada de eletricidade.

Em primeiro lugar, a questão que levanta ao associar o piso radiante a alguns problemas de saúde parece-nos, no limitem, um assunto muito pouco consensual e muito debatível... Não existem estudos científicos claros e sólidos que apontem no sentido das conclusões que apresenta - se houvessem, a esta hora que os sistemas de piso radiante já teriam sido banidos ou abolidos - e, para ser francos, todos os sistemas de climatização apresentam problemas e outras complicações...

Estranhamos é partir do pressuposto que a sua habitação vai precisar de um sistema de climatização à partida! Porquê? Se está a projetar/construir uma habitação porque razão afirma que "embora aceite um valor mais elevado na aquisição"? Já pensou em construir uma habitação que... não precise de climatização (ou apresente necessidades muito pontuais de climatização)? Porque não investe estes largos milhares de euros num sistema complexo de climatização em reforçar o isolamento, em projeto e em construção, da sua habitação? Ao isolar melhor a habitação, irá reduzir drasticamente as necessidades de aquecimento/arrefecimento da mesma... Logo, não precisa de um sistema tão potentes/complexo/com elevada manutenção...

Se não quiser, mesmo assim, optar pelo piso radiante com bomba de calor (sistema lento, que opera a baixas temperaturas), como indica, os ventilo-convectores podem ser uma solução - poderia assim ter um sistema integrado com o solar térmico e uma bomba de calor como apoio. Outra hipótese: um sistema solar térmico com um esquentador a gás natural pode ser uma solução muito interessante para a produção de AQS, com a climatização pontual a ser efetuada por unidades de ar condicionado (mono, multi-split ou VRF).

Mas, repetimos: é um erro muito normal, ainda, em Portugal projetarem-se habitações em que os sistemas de climatização são usados para compensar isolamentos deficientes e uma baixa eficiência energética do edificado! Aposte no isolamento da habitação e poupará quer nos custos destes sistemas, quer nos gastos anuais de energia. Neste momento, habitações licenciadas (construídas) a partir de 1 de Janeiro de 2021 têm de ser "edifícios com necessidades nulas de energia" pelo que estas questões (e a eventual integração de sistemas de produção de energia descentralizada) têm de ser consideradas em Projeto.

A Equipa Energia Renováveis

Faça login para aceder a este conteúdo. 
10/08/2020

Olá Pedro,

Agradecemos a sua participação na Comunidade de Energias Renováveis.
Devido ao período de férias, a nossa capacidade de resposta está temporariamente reduzida, mas voltaremos com brevidade para responder a esta e muitas outras questões. 

Agradecemos, desde já, a sua compreensão.  

Equipa de Energias Renováveis

eu disclaimer

O projeto que deu origem a esta comunidade recebeu financiamento através do programa de investigação e desenvolvimento “Horizon 2020”, sob o contrato de subvenção nº749402. Nem a EASME nem a Comissão Europeia são responsáveis pela informação veiculada nem pela utilização das informações contidas na mesma.