última atualização: 18/08/2021

Sistema de aquecimento de aguas sanitária e aquecimento central com radiadores a água

Acabei de construir uma moradia de 266m2 no distrito de Viseu. Tem todas as condições de isolamento e tem apenas um piso de habitação. Será habitada por 5 pessoas (3 adultos e 2 crianças).

Chegou a altura de decidir a parte de aquecimento de águas sanitárias:

1º hipótese - paineis solares com termoacumulador de 300l ?

2º hipótese - painéis solares com bomba de calor de 300l ?

Para aquecimento central com pré instalação para radiadores a água:

1º hipótese - caldeira a lenha (tenho lenha nos pinhais)

2º hipótese - caldeira a pellets

Gostaria de ajuda para decidir quais as melhores soluções e quais as alternativas. Tenho procurado muito e estou cada vez mais indecisa. Agradeço alguma ajuda.

User name

Junte-se a esta conversa

Participe nesta conversa, deixando o seu comentário ou questão em Aquecer água da comunidade Energias Renováveis

11 Comentários

Filtrar por :
Faça login para aceder a este conteúdo. 
29/07/2021

Boa tarde

Tenho uma moradia de 1991 com aquecimento central e aquecimento de aguas a gasóleo. A rua onde vivo não tem gás natural infelizmente. Já me aconselharam a aquecer as aguas com painéis solares e deixar o aquecimento a gasóleo. Tb fui aconselhado a meter uma bomba de calor a eletricidade. Estou bastante confuso mas a verdade é que a gasóleo não posso continuar. Como posso concorrer ao fundo ambiental que está apoiar em 70% com o máximo de 2500€?

São muitas questões, podem me aconselhar sff.

Obrigado

Miguel Jeronimo

Faça login para aceder a este conteúdo. 
18/08/2021
, Respondeu:

Bom dia Sr. Miguel Jerónimo,

Para o aquecimento das águas pode optar pela colocação de um sistema solar térmico. Se desejar que o valor do investimento seja menor, pode optar pela colocação de um termossifão. Por exemplo pode interligar o mesmo aos pontos de água fria e quente, existentes no sótão, ou num local mais próximo, garantindo assim um menor gasto de água. No caso de o aglomerado familiar ser de 4 a 5 pessoas deve optar por um depósito de 300L e dois coletores solares térmicos.

Quanto à questão do aquecimento e no caso de gostar, pode optar pelo ar condicionado conseguindo assim a climatização no Inverno e Verão. Veja os testes realizados em: https://www.deco.proteste.pt/eletrodomesticos/ar-condicionado.

Se por outro lado desejar manter os radiadores existentes, então pode optar pela colocação de Bomba de calor de Alta temperatura ou caldeira a biomassa.

É também extremamente importante que verifique as condições de isolamento da casa e caso necessitem de ser melhoradas, então faz mais sentido fazer um investimento nesta área.

Relativamente aos apoios, terá de contactar o Fundo Ambiental por forma a verificar se ainda exista verba disponível. Pode fazê-lo em: https://www.fundoambiental.pt/apoios-prr/paes-2021.aspx

Com os melhores cumprimentos,

Equipa das energias renováveis

Faça login para aceder a este conteúdo. 
30/11/2020

Bom Dia
Estou a reconstruir uma moradia de 1982 na Póvoa de Lanhoso, Distrito de Braga. Possui dois andares com implementação de 82 m2, isolamento interior e capoto exterior, vidros e caixilharia térmica. r/chão sala e cozinha conceito open space mais casa de banho de serviço. Primeiro andar com suite mais escritório mais dois quartos mais casa de banho de serviço. Já realizei pré-instalação de ar condicionado em todos os compartimentos e pré instalação em circuito fechado para aquecimento central por radiadores. Casa das máquinas exterior a dois metros da moradia. Procuro a melhor solução de aquecimento.
Quais destas opções serão mais indicadas ou outras soluções:
1ª Bomba de calor para AQS + Bomba de calor de alta temperatura para aquecimento central:
2ª Bomba de calor para AQS + Recuperador a lenha para aquecimento central;
3ª Bomba de calor para AQS + Caldeira a Pellets para aquecimento central.
Possibilidade de instalação de paneis solares fotovoltaicos. O ar condicionado poderá ser ou não instalado mas pelo sim ou não realizei a pré instalação. Será para mim uma vantagem poder comandar o aquecimento quando estiver fora de casa.
Como já visitei várias casas da especialidade, a informação é diversificada e por vezes contraditória, pelo que solicito a vossa ajuda especializada no sentido de tomar a melhor opção. Não passa gaz canalizado.

Obrigado

Faça login para aceder a este conteúdo. 
12/12/2020
, Respondeu:

Bom dia Sr.ª Maria Fernandes,
Pela sua descrição parece-me que a moradia irá possuir um bom isolamento térmico e sendo assim as necessidades em termos de climatização serão reduzidas, de qualquer das formas se houver necessidade de climatização no Verão, então a opção pelo ar condicionado parece-me a mais acertada. Veja os testes efetuados no nosso site.
Se por outro lado, se as necessidades de climatização forem maiores no Inverno, então a opção pode passar pela Bomba de calor, que em principio deverá ser de alta temperatura para reduzir o numero de elementos a colocar nos radiadores. A mesma bomba de calor irá fazer a produção das águas quentes sanitárias, não sendo por isso necessária a aquisição de uma bomba de calor para as AQS. Caso seja possível poderá interligar ao depósito das AQS, os coletores solares térmicos (funcionamento em circulação forçada) para redução dos custos de eletricidade.
Verifique qual a potência contratada atual e a potência máxima admissível para a sua instalação elétrica (PMA) e junto de uma das empresas instaladoras verifique se a mesma será suficiente para a aplicação deste equipamento
Com a opção da bomba de calor ou ar condicionado torna-se mais fácil o controlo destes equipamentos quando está fora de casa e visto utilizarem a eletricidade como fonte de energia requerem uma menor manutenção.
Alguma dúvida adicional, disponha
Cumprimentos,
Equipa das energias renováveis

Faça login para aceder a este conteúdo. 
30/11/2020

Bom Dia
Estou a reconstruir uma moradia de 1982 na Póvoa de Lanhoso, Distrito de Braga. Possui dois andares com implementação de 82 m2, isolamento interior e capoto exterior, vidros e caixilharia térmica. r/chão sala e cozinha conceito open space mais casa de banho de serviço. Primeiro andar com suite mais escritório mais dois quartos mais casa de banho de serviço. Já realizei pré-instalação de ar condicionado em todos os compartimentos e pré instalação em circuito fechado para aquecimento central por radiadores. Casa das máquinas exterior a dois metros da moradia. Procuro a melhor solução de aquecimento.
Quais destas opções serão mais indicadas ou outras soluções:
1ª Bomba de calor para AQS + Bomba de calor de alta temperatura para aquecimento central:
2ª Bomba de calor para AQS + Recuperador a lenha para aquecimento central;
3ª Bomba de calor para AQS + Caldeira a Pellets para aquecimento central.
Possibilidade de instalação de paneis solares fotovoltaicos. O ar condicionado poderá ser ou não instalado mas pelo sim ou não realizei a pré instalação. Será para mim uma vantagem poder comandar o aquecimento quando estiver fora de casa.
Como já visitei várias casas da especialidade, a informação é diversificada e por vezes contraditória, pelo que solicito a vossa ajuda especializada no sentido de tomar a melhor opção. Não passa gaz canalizado.

Obrigado

Faça login para aceder a este conteúdo. 
16/02/2021
, Respondeu:

Eu coloquei bomba de calor da bosch, compress 6000 que dizem ser muito eficiente, para aquecimento central e aguas sanitárias, gastei 12000€ foi a maior asneira que fiz. Penso seriamente em voltar utilizar pellets. 1ª Fatura 2 meses 580€ de Luz e 2 meses seguintes Cerca de 700€... luz ou seja média 300€ mês numa casa com cerca de 120 elementos de radiador e 5 pessoas a tomar banho de chuveiro diariamente. Não justifica o investimento.
Jorge Santos

Faça login para aceder a este conteúdo. 
20/10/2020

Boa tarde,
Tenho uma pequena moradia geminada em Lisboa, equipada com caldeira mural a gás natural para aquecimento de água/aquecimento central de 30KW instalada em 2004 e que agora avariou.
Uma vez que tenho que efetuar novo investimento gostaria de utilizar energias renováveis. Contudo, será que me podiam indicar as soluções mais eficientes e económicas, tendo em vista não só o custo dos equipamentos mas também os custos de utilização? E claro, que possam utilizar as infraestruturas de que já disponho (não disponho de grandes espaços para colocar equipamentos e tenho radiadores já instalados). Somos um agregado familiar de 3 pessoas, com alguma utilização durante o dia.

Obrigada desde já!

Faça login para aceder a este conteúdo. 
26/10/2020
, Respondeu:

Bom dia Sr.ª Paula Trindade,

Propomos que adquira uma caldeira a condensação para aquecimento central e AQS, que apresenta uma redução significativa no consumo de gás natural e se possível que a mesma possa receber a água quente proveniente de um painel solar térmico (termossifão).

Se estiver satisfeita com a marca da anterior caldeira, mantenha o mesmo fornecedor e peça uma visita técnica para verificação das condições da instalação da nova caldeira e se possível para a aplicação do sistema solar.

O investimento no sistema solar térmico irá reduzir o consumo de gás para aquecimento das águas quentes sanitárias (AQS) em 75% e visto que a casa é anterior a 2006, poderá concorrer ao fundo ambiental que está apoiar em 70% com o máximo de 2500€.

Mais informação em: https://www.deco.proteste.pt/casa-energia/aquecimento/noticias/programa-edificios-mais-sustentaveis-uma-oportunidade-com-algum-risco

Por ultimo deverá ter em atenção à extração dos gases da nova caldeira, que se for possível deve ser feita para o exterior. Também relativamente ao sistema solar e visto que são só três pessoas pode escolher um modelo com 200L de acumulação e um painel solar de 4m2.

Cumprimentos,

Equipa das energias renováveis

Faça login para aceder a este conteúdo. 
31/01/2019

Boa tarde,

A hipótese de os consumidores optarem por um sistema solar térmico com apoio de Bomba de Calor agregado com a produção de aquecimento central, tem-se mostrado uma boa solução na relação custo/benefício para uma utilização intensiva durante todo o ano.

Aconselhamos todos os consumidores a saberem mais sobre as melhores soluções de aquecimento do ar e das águas quentes sanitárias na pesquisa aqui.

 Podem sempre consultar os nossos testes comparativos e simuladores na secção de testes comparativos em: 

https://www.deco.proteste.pt/casa-energia/energias-renovaveis

Melhor resposta
Faça login para aceder a este conteúdo. 
14/01/2017
Melhor resposta

Bom dia, Maria Henriques

Na sequência do indicado pelo Ricardo Pereira gostaria de acrescentar que, por muito bom que seja o isolamento, nas soluções construtivas correntes a produção de calor interno que se consiga pelos ganhos solares, ocupação e equipamentos elétricos não costuma ser suficiente para proporcionar um ambiente confortável no que respeita ao aquecimento, principalmente na zona de Viseu.

Assim sendo, uma vez que não indica necessidades de arrefecimento, pensemos apenas no aquecimento ambiente e das águas. Se o equipamento auxiliar (caldeira, por exemplo) for de simples utilização poderá pensar num sistema integrado que permita aquecer as águas e o ambiente.

Poderá por exemplo utilizar um sistema solar de circulação forçada, com um acumulador com dois permutadores, em que o solar tentará aquecer o seu volume (os 300 litros para 5 pessoas parece-me adequado) e o equipamento auxiliar irá complementar esse aquecimento quando a energia solar não seja suficiente. Esse equipamento poderá então estar disponível na maioria do tempo para o serviço de aquecimento central.

Sendo uma construção recente, poderá consultar o certificado energético e verificar quais as necessidades anuais estimadas para aquecimento. Com base nesse valor, qualquer instalador deverá conseguir apresentar a solução que apresente a melhor relação custo/benefício. Uma bomba de calor ar-água ou uma caldeira a pellets têm custos energéticos mais baixos que uma caldeira a gás natural mas o seu custo de aquisição é mais elevado. Apenas sabendo as necessidades anuais poderá optar pela solução mais económica a longo prazo.


Melhores cumprimentos

Melhor resposta
Faça login para aceder a este conteúdo. 
11/01/2017
Melhor resposta

Bom dia.

Para começar, gostaria de tentar clarificar aqui duas ou três questões:
1º) pelo que indica, a moradia estará bem isolada, pelo que iremos assim considerar que as necessidades de aquecimento (e de arrefecimento) serão baixas;
2º) não indica se é uma zona servida por gás natural - mas pelas hipóteses que apresenta, não nos parece. Se existir gás natural na sua zona, deverá ser considerado, pois os custos por kWh são muito competitivos;
3º) presumimos que a habitação já terá ficado com a instalação de aquecimento central feita, eventualmente com radiadores instalados - ou seja, para o aquecimento terá de trabalhar com "altas" temperaturas;
4º) parece que será uma habitação permanentemente habitada durante o ano inteiro (primeira habitação);

O sistema para produção de AQS e de aquecimento (e eventualmente arrefecimento) deverá ser pensado como um todo. A adoção de um sistema solar térmico parece-nos muito adequada e, para o número de pessoas que habitam a casa, os 300 litros parecem adequados. Contudo, terá de estudar os atual (eventual) perfil de consumo para verificar se os 300 litros de água quente do sistema solar chegam ou se irá recorrer frequentemente ao sistema de apoio. E aqui, há a questão do gás natural: se existir gás natural, uma caldeira a gás natural será uma boa hipótese de sistema de apoio.

E é aqui que apresentamos um conselho: pensa separar o sistema de AQS do de aquecimento (solar com apoio + caldeira) quando, eventualmente, poderá fazer AQS e aquecimento com solar + apoio (caldeira ou bomba de calor). Ou seja, o sistema solar e a caldeira a lenha ou pellets - há no mercado soluções que funcionam com vários combustíveis - (ou a gás natural) irão providenciar água quente para utilização sanitária e água quente para aquecimento do espaço - mesmo que para isso tenha, por exemplo, de aumentar o volume do depósito (ou instalar um segundo depósito). Em alternativa às caldeiras a lenha/pellets ou a gás natural poderá considerar uma bomba de calor - mas tendo já instalado os radiadores, poderá ter de optar por um modelo de alta temperatura. Se ainda não instalou radiadores, poderá considerar uma bomba de calor de baixa temperatura mas, em vez de radiadores, poderá instalar ventiloconvectores ou radiadores de baixa temperatura. E assim, poderá ter a possibilidade arrefecer a casa no Verão, algo que as outras soluções não permitem (com a adoção de ventilo convectores e de uma bomba de calor reversível). Ou seja, parece fazer mais sentido optar por um sistema solar com um apoio que proporcione o aquecimento (e arrefecimento) quando for necessário.

A escolha final deverá pender para a solução que conjugue os menores custos de utilização anuais - as caldeiras a lenha/pellets ou gás natural apresentam custos energéticos de utilização competitivos, tal como as bombas de calor. O problema, ainda, é o elevado custo de aquisição... Deverá pedir várias propostas a vários instaladores - deverá optar por instaladores recomendados pelas marcas, dada a especificadade técnica da solução pretendida. E deverá procurar que estes apresentem, para um dado perfil de consumo, estimativas para custos de utilização anual das várias soluções.

Mas, caso se verifique que as necessidades energéticas para aquecimento são reduzidas - pois indica que o isolamento da habitação é eficaz - há que estudar a viabilidade de reforçar a componente solar, reduzindo a do apoio: aqui, uma maior componente solar, associada a uma maior quantidade de água quente armazenada e com o apoio de uma bomba de calor de baixa temperatura poderão ser suficientes. Ou seja, se a casa estiver bem isolada, parece-nos que poderá ser exagerado ter um sistema dedicado para o aquecimento central - se não o usa, não o rentabiliza e estará a fazer um investimento avultado num equipamento que será pontualmente utilizado.

eu disclaimer

O projeto que deu origem a esta comunidade recebeu financiamento através do programa de investigação e desenvolvimento “Horizon 2020”, sob o contrato de subvenção nº749402. Nem a EASME nem a Comissão Europeia são responsáveis pela informação veiculada nem pela utilização das informações contidas na mesma.