última atualização: 31/01/2019

Sistema de aquecimento de aguas sanitária e aquecimento central com radiadores a água

Acabei de construir uma moradia de 266m2 no distrito de Viseu. Tem todas as condições de isolamento e tem apenas um piso de habitação. Será habitada por 5 pessoas (3 adultos e 2 crianças).

Chegou a altura de decidir a parte de aquecimento de águas sanitárias:

1º hipótese - paineis solares com termoacumulador de 300l ?

2º hipótese - painéis solares com bomba de calor de 300l ?

Para aquecimento central com pré instalação para radiadores a água:

1º hipótese - caldeira a lenha (tenho lenha nos pinhais)

2º hipótese - caldeira a pellets

Gostaria de ajuda para decidir quais as melhores soluções e quais as alternativas. Tenho procurado muito e estou cada vez mais indecisa. Agradeço alguma ajuda.

Junte-se a nós

Esta informação foi útil e ajudou-o? Para apoiar a nossa comunidade, registe-se no site. É gratuito, demora menos de um minuto.

  • Pode perguntar e pedir conselhos
  • ler as contribuições dos nossos membros
  • dar o seu contributo 
  • receber o feedback de um especialista em energias renováveis.

Registe-se em DECO PROTESTE para participar.
Entrar ou Registar

Comentários

Melhor resposta
User name
RICARDO JOSE COIMBRA PEREIRA
11/01/2017
Melhor resposta

Bom dia.

Para começar, gostaria de tentar clarificar aqui duas ou três questões:
1º) pelo que indica, a moradia estará bem isolada, pelo que iremos assim considerar que as necessidades de aquecimento (e de arrefecimento) serão baixas;
2º) não indica se é uma zona servida por gás natural - mas pelas hipóteses que apresenta, não nos parece. Se existir gás natural na sua zona, deverá ser considerado, pois os custos por kWh são muito competitivos;
3º) presumimos que a habitação já terá ficado com a instalação de aquecimento central feita, eventualmente com radiadores instalados - ou seja, para o aquecimento terá de trabalhar com "altas" temperaturas;
4º) parece que será uma habitação permanentemente habitada durante o ano inteiro (primeira habitação);

O sistema para produção de AQS e de aquecimento (e eventualmente arrefecimento) deverá ser pensado como um todo. A adoção de um sistema solar térmico parece-nos muito adequada e, para o número de pessoas que habitam a casa, os 300 litros parecem adequados. Contudo, terá de estudar os atual (eventual) perfil de consumo para verificar se os 300 litros de água quente do sistema solar chegam ou se irá recorrer frequentemente ao sistema de apoio. E aqui, há a questão do gás natural: se existir gás natural, uma caldeira a gás natural será uma boa hipótese de sistema de apoio.

E é aqui que apresentamos um conselho: pensa separar o sistema de AQS do de aquecimento (solar com apoio + caldeira) quando, eventualmente, poderá fazer AQS e aquecimento com solar + apoio (caldeira ou bomba de calor). Ou seja, o sistema solar e a caldeira a lenha ou pellets - há no mercado soluções que funcionam com vários combustíveis - (ou a gás natural) irão providenciar água quente para utilização sanitária e água quente para aquecimento do espaço - mesmo que para isso tenha, por exemplo, de aumentar o volume do depósito (ou instalar um segundo depósito). Em alternativa às caldeiras a lenha/pellets ou a gás natural poderá considerar uma bomba de calor - mas tendo já instalado os radiadores, poderá ter de optar por um modelo de alta temperatura. Se ainda não instalou radiadores, poderá considerar uma bomba de calor de baixa temperatura mas, em vez de radiadores, poderá instalar ventiloconvectores ou radiadores de baixa temperatura. E assim, poderá ter a possibilidade arrefecer a casa no Verão, algo que as outras soluções não permitem (com a adoção de ventilo convectores e de uma bomba de calor reversível). Ou seja, parece fazer mais sentido optar por um sistema solar com um apoio que proporcione o aquecimento (e arrefecimento) quando for necessário.

A escolha final deverá pender para a solução que conjugue os menores custos de utilização anuais - as caldeiras a lenha/pellets ou gás natural apresentam custos energéticos de utilização competitivos, tal como as bombas de calor. O problema, ainda, é o elevado custo de aquisição... Deverá pedir várias propostas a vários instaladores - deverá optar por instaladores recomendados pelas marcas, dada a especificadade técnica da solução pretendida. E deverá procurar que estes apresentem, para um dado perfil de consumo, estimativas para custos de utilização anual das várias soluções.

Mas, caso se verifique que as necessidades energéticas para aquecimento são reduzidas - pois indica que o isolamento da habitação é eficaz - há que estudar a viabilidade de reforçar a componente solar, reduzindo a do apoio: aqui, uma maior componente solar, associada a uma maior quantidade de água quente armazenada e com o apoio de uma bomba de calor de baixa temperatura poderão ser suficientes. Ou seja, se a casa estiver bem isolada, parece-nos que poderá ser exagerado ter um sistema dedicado para o aquecimento central - se não o usa, não o rentabiliza e estará a fazer um investimento avultado num equipamento que será pontualmente utilizado.

Melhor resposta
User name
João Silva
14/01/2017
Melhor resposta

Bom dia, Maria Henriques

Na sequência do indicado pelo Ricardo Pereira gostaria de acrescentar que, por muito bom que seja o isolamento, nas soluções construtivas correntes a produção de calor interno que se consiga pelos ganhos solares, ocupação e equipamentos elétricos não costuma ser suficiente para proporcionar um ambiente confortável no que respeita ao aquecimento, principalmente na zona de Viseu.

Assim sendo, uma vez que não indica necessidades de arrefecimento, pensemos apenas no aquecimento ambiente e das águas. Se o equipamento auxiliar (caldeira, por exemplo) for de simples utilização poderá pensar num sistema integrado que permita aquecer as águas e o ambiente.

Poderá por exemplo utilizar um sistema solar de circulação forçada, com um acumulador com dois permutadores, em que o solar tentará aquecer o seu volume (os 300 litros para 5 pessoas parece-me adequado) e o equipamento auxiliar irá complementar esse aquecimento quando a energia solar não seja suficiente. Esse equipamento poderá então estar disponível na maioria do tempo para o serviço de aquecimento central.

Sendo uma construção recente, poderá consultar o certificado energético e verificar quais as necessidades anuais estimadas para aquecimento. Com base nesse valor, qualquer instalador deverá conseguir apresentar a solução que apresente a melhor relação custo/benefício. Uma bomba de calor ar-água ou uma caldeira a pellets têm custos energéticos mais baixos que uma caldeira a gás natural mas o seu custo de aquisição é mais elevado. Apenas sabendo as necessidades anuais poderá optar pela solução mais económica a longo prazo.


Melhores cumprimentos

User name Moderator
Bruno Miguel | Moderador
31/01/2019

Boa tarde,

A hipótese de os consumidores optarem por um sistema solar térmico com apoio de Bomba de Calor agregado com a produção de aquecimento central, tem-se mostrado uma boa solução na relação custo/benefício para uma utilização intensiva durante todo o ano.

Aconselhamos todos os consumidores a saberem mais sobre as melhores soluções de aquecimento do ar e das águas quentes sanitárias na pesquisa aqui.

 Podem sempre consultar os nossos testes comparativos e simuladores na secção de testes comparativos em: 

https://www.deco.proteste.pt/casa-energia/energias-renovaveis

eu disclaimer

O projeto que deu origem a esta comunidade recebeu financiamento através do programa de investigação e desenvolvimento “Horizon 2020”, sob o contrato de subvenção nº749402. Nem a EASME nem a Comissão Europeia são responsáveis pela informação veiculada nem pela utilização das informações contidas na mesma.