última atualização: 15/12/2016

Solar Térmico | Pretendo fazer alteração de caldeira de apoio ao sistema AQS para uma caldeira de apoio ao caudal de saida

Boas,

então a situação é a seguinte:

Tenho um sistema AQS instalado na minha residência, que tem dois sistemas auxiliares de apoio, para quando a nossa energia solar não é suficiente para aquecer os 300L de água do depósito.

então temos uma resistência eléctrica;
mais uma caldeira com dois circuitos fechados - um para fazer o aquecimento central da casa, o outro para fazer o aquecimento da água no depósito;
Ora é aqui neste circuito fechado de aquecimento à água do depósito que eu verifico o maior desperdício de energia e por isso pretendo fazer uma alteração ao sistema que está instalado.

Pretendo então alterar a caldeira actual, por uma caldeira que continue a fazer o aquecimento central, e que aqueça por sua vez o "delta" entre a temperatura da água pretendida à saída e a temperatura a que esteja a água no depósito.

Penso que a minha explicação seja clara.

Caso seja necessário mais alguma explicação, estarei disponível para fornecer essas informações.

Também estou receptivo a discutir qualquer outra ideia que venha de facto ajudar a colmatar este problema que tenho à algum tempo, que foi aliás a solução fornecida por uma empresa parceira da Vulcano, que deve ter pensado que eu era accionista ou da GALP ou da EDP, porque nem de longe nem de perto a solução sugerida e aceite por mim na altura (pois o meu conhecimento na matéria era nulo e a informação que foi passada pereceu-me credivel, e económica e aí ter aceite) é sem vias de facto a melhor.

Espero com este tema abrir aqui uma boa discussão da qual possa obter até quem sabe a ajuda necessária para a elaboração/execução deste mesmo trabalho.

Desde já o meu agradecimento pela vossa disponibilidade em ler estas linhas e futuros comentários e sugestões.

Cmpts.

Francisco Paulos.

User name

Junte-se a esta conversa

Participe nesta conversa, deixando o seu comentário ou questão em Aquecer água da comunidade Energias Renováveis

9 Comentários

Filtrar por :
Faça login para aceder a este conteúdo. 
02/12/2016

Olá.
Por acaso existe recirculação de água quente, ou seja, anel de retorno da água quente ao acumulador?
Cump.
António Monteiro

Faça login para aceder a este conteúdo. 
02/12/2016
, Respondeu:

Boa tarde António,

sim existe e não está ligado permanentemente senão o problema ainda seria pior!
Ligava-se (pois agora nem o faço) uma hora antes de pensarmos em dar nos nossos banhos, mas agora nem isso faço, como referi.

Cmpts.
FP

Faça login para aceder a este conteúdo. 
02/12/2016
, Respondeu:

Pois o que descreve parece apontar para alguma deficiência funcional e podem ser várias. Uma hora ou mais de recirculação de agua quente pode ser uma explicação se a tubagem nao estiver devidamente isolada o que é muito frequente. Experimente desligar mesmo e aferir nesse tempo os consumos. O que posso sugerir também é ainda pedir uma visita técnica a alguem que o possa ajudar tecnicamente porque bem dimensionado o sistema solar e desde que o acumulador nao apresente elevadas perdas nao seria no AQS a sua maior preocupação com custos de exploração.

Antes de substituir equipamento o essencial é sempre diagnosticar.
Cumprs.

Faça login para aceder a este conteúdo. 
02/12/2016
, Respondeu:

Boa tarde,

e mais uma vez agradeço o comentário!
Acontece que a situação já foi por diversas vezes comentada/discutida pela equipe que faz manutenção ao equipamento solar, e mesmo indicado por estes a solução que eu tenho era algo que nunca eles colocariam por causa dos desperdício e custo elevado que a mesma solução apresenta, daí durante o próximo ano estar mesmo a pensar em avançar com a alteração do sistema e tentar resolver este problema.

Acontece também que a minha situação também tem uma particularidade. Infelizmente a residência tem actividade 24/7 e daí um uso constante das águas sanitárias em especial a água quente. Se tivesse o sistema ligado em modo automático então seria a loucura total! Portanto o que se faz agora é o usar a caldeira só quando se vai tomar banho para aquecer a água, mas isto só aquece perto de 45% da água do depósito e aí sermos obrigados a liga-la pelo menos duas vezes para que exista água quente suficiente para 3 banhos e o ultimo não ficar a gritar no banheiro de que a água está fria!

Se for até possível complementar o que existe com um esquentador à saída por mim não havia problema... a caldeira actual está praticamente nova, só funciona no Inverno e só tem 4 Invernos feitos...

Eu sou da margem sul, o António conhece alguém que gostasse de avaliar a situação e ver a sua viabilidade?

A empresa que faz a manutenção do AQS não faz gás, e por isso não se quer envolver, ainda por cima existe o facto de que por diversas vezes me queixei à Vulcano desta situação e da solução em si em que eles sempre se pronunciam como sendo válida e económica, blá, blá, blá, teoria... e esta equipe sendo parceira e tendo uma opinião diferente prefere não interferir!

Cmpts.
FP

Faça login para aceder a este conteúdo. 
02/12/2016
, Respondeu:

Olá de novo.

Como projectista começo por estranhar que um sistema solar térmico com elevada procura em termos AQS seja rotulado como desperdício, mas não sei que sistema é e claro sempre na premissa de bem dimensionado ou seja alinhado com a necessidade concreta e com exposição adequada. Ainda mais a sul com as horas de sol disponíveis que fazem a inveja do resto da europa.

Poderia sim, o que é mais normal, ser pela inversa; por pouco uso e com isso o retorno de investimento ser moroso.
Se o seu sistema solar produz (funciona) e se é consumida essa energia térmica, então cumpre a sua função e com certeza esse contributo faz-se notar, pode é ser insuficiente.

Uma vez que estou no norte é-me mais difícil mas posso ajudar um pouco com todo o gosto; utilize o meu email que encontra no perfil e envie-me p.f. se desejar um desenho básico e descritivo do que se encontra instalado, o numero de utilizadores e horas dos banhos (no fundo das necessidades), etc.

Quem sabe duas cabeças a pensar podem fazer a diferença.

Disponha.
Obrigado.

Faça login para aceder a este conteúdo. 
02/12/2016
, Respondeu:

Boas,

bem, gostaria de deixar claro o seguinte. Eu não estou a dizer que em termos de sistema solar térmico o projecto esteja mal dimensionado, o que não está, porque durante os mesmos de maior projecção solar até que consigo boa rentabilidade. O que não é ou não foi bem dimensionado foram os sistemas auxiliares, que implicam uma gestão mais complicada numa residência, se é que me consigo explicar.

Ora vejamos um exemplo.
Se a caldeira estiver a funcionar em modo Auto., com uma temperatura relativamente baixa para que até não esteja a disparar muitas vezes, (pois quanto maior for a valor de referência de temperatura, mais sensível a sonda se torna o que faria com que a estivesse mais vezes a disparar) portanto 45º, se houver um uso constante das águas quentes (com a casa a funcionar 24/7 pois a esposa está desempregada, ocupasse com o cuidado da casa, etc), acho que consegue ver bem a fotografia, trabalhava mensalmente para pagar o gás.
Mas esta situação para os meses em que realmente se usa o sistema auxiliar para aquecer a água, portanto Oct, Nov, Dez, Jan, Feb, Mar, Apr, porque durante os outros meses as coisas estão mais equilibradas e não usando o gás temos realmente uma poupança... mas não faz muito sentido não acredito que se deva dizer, poupas no Verão para gastar no Inverno! Entendo sim que o que pretendo que seja eficiente seja eficiente ao longo do ano ou que eventualmente numa altura de maior necessidade o gasto não seja na sua realidade um "desconforto na carteira".

Nas minhas contas ainda não consegui realmente ter o retorno do investimento que fiz, porque se poupa no Verão para pagar as despesas do Inverno.

Portanto na minha visão o que realmente deve ser feito é o seguinte:

. temos um sistema que nos permite aquecer um depósito de água;
. é claro que à medida que a água quente sai, água fria entra para equilibrar o sistema, que vai destemperar a água que está, obrigando desta forma a que qualquer sistema auxiliar esteja sempre em funcionamento para restabelecer a temperatura programada;
. se tivermos aqui um uso constante deste reservatório (tira água quente, injecta água fria), não conseguimos de uma forma eficiente restabelecer a temperatura do mesmo, pois não damos tempo suficiente para que aconteça;
. Vejamos a situação, se ambos elementos do casal trabalharem, estes estão fora de casa as 8h do dia (o que é a situação excelente), esperamos que essas 8h sejam suficientes para o sistema solar nos aquecer a água, (mas no Inverno acredito que não se consiga num depósito de 300L mais do que 30/35º de temperatura da água mesmo com boa exposição solar) mas se não conseguirmos essas 8h de repouso absoluto em que ninguém mexe no depósito para que a água aqueça, condicionamos tudo!
. Se tivermos este condicionamento, acho que a melhor solução é aquecer o que quero usar. Então com um sistema assim, no meu entender, tenho uma poupança. Se definir na caldeira 45º e tiver um depósito com a água a 30º, a caldeira só aquece o delta, a diferença que é o que usamos, certo? É claro que se com o tempo a passar e a água quente do depósito a sair, chegarei a uma situação em que não tenho mais água quente no depósito, mas se precisar de alguma água quente só aquecerei o que preciso e não mais. Com o sistema que tenho actualmente tenho sempre que aquecer pelo menos 40% da água do depósito a uma temperatura elevada, 65º/70º para garantir pelo menos que quando terminar o meu banho a restante água quente com a fria que entrou ainda consiga manter alguma água quente para uso futuro, mas mesmo assim já estará mais morna que quente, porque no local onde vivo a água fria consegue atingir temperaturas abaixo dos 6º/8º e isso força um abaixamento da temperatura drasticamente!

Portanto, penso e acredito que tenha alguma razão e que a minha argumentação e apresentação dos factos sejam credíveis :) .

Que a solução actual não é a mais eficiente/económica. O que sugiro, penso que seja mais viável, mais eficiente, mais económico. Agora o custo das alterações isso tenho que as calcular!

António, vou fazer o que me sugere. Vou tentar desenhar algo e enviar para si, para o seu email pessoal, e claro qualquer sugestão é sempre bem vinda!

Cmpts.
FP

Faça login para aceder a este conteúdo. 
05/12/2016
, Respondeu:

Bom dia, caro Francisco Paulos,

qualquer esquema que envie para o António Monteiro poderá, caso o pretenda, também colocar aqui e beneficiar da experiência e mais comentários da comunidade.

A questão que nos coloca é pertinente e percebemos a sua questão. Um sistema solar bem dimensionado deve fornecer a totalidade da energia necessária nos meses de verão e irá sempre necessitar de um apoio auxiliar para o resto do tempo. Em média, um sistema solar térmico deverá fornecer cerca de 60 a 75% da energia anual necessária para AQS. Acima destes valores, irá atingir temperaturas de estagnação com alguma frequência.

Estabelecendo que um sistema solar térmico necessita sempre de um auxiliar, resta saber qual o mais adequado; se inserido no acumulador ou se em série, a jusante deste.

Possuindo uma caldeira para aquecimento, a tendência natural dos instaladores é a colocação de um acumulador com 2 permutadores de calor, ligando o solar térmico no permutador inferior e a caldeira no permutador superior. Para garantir a máxima prioridade ao sol, o apoio deverá estar programado para funcionar apenas fora das horas de sol, de preferência ao final do dia, devendo para isso certificar-se que o volume de acumulação corresponde à totalidade das necessidades de água quente diárias.

No caso que nos apresenta, para que tenha necessidade de funcionamento constante do sistema de apoio, poderá haver um sub-dimensionamento do vloume de acumulação ou uma utilização excessiva de água quente. Já considerou colocar um contador na entrada de água do acumulador, exclusivo para a água quente, para poder verificar os seus consumos diários?

Respondendo à questão inicial, poderá efetivamente aquecer a água à saída do acumulador, à medida das suas necessidades, beneficiando do pré-aquecimento que o solar consiga fornecer. Necessitará para isso de trocar a caldeira atual por um modelo misto instantâneo ou, em alternativa colocar um esquentador. Qualquer destas opções irá implicar uma limitação ao caudal de água disponível.


Com os melhores cumprimentos da equipa do CLEAR Portugal

Faça login para aceder a este conteúdo. 
14/12/2016
, Respondeu:

Boas caro João Silva,

agradeço a disponibilidade e farei então dessa forma.
Por questões profissionais e outras ainda não me foi possível rabiscar a situação do sistema.
Já tirei fotos para me guiar assim que possível. Quando o tiver mais ou menos preparado colocarei disponibilizo o mesmo e agradeço toda a colaboração para redesenhar o mesmo.

Cmpts.
FP

PS. por acaso fui informado sobre a situação do caudal da água, mas será que isso é realmente um grande transtorno?

Faça login para aceder a este conteúdo. 
15/12/2016
, Respondeu:

Bom dia, caro Francisco Paulos

um sistema de aquecimento instantâneo irá sempre introduzir uma restrição à passagem de água. Apenas irá permitir passar o caudal que lhe seja possível aquecer, estando esse caudal sempre limitado pela potência instantânea do equipamento.

Num sistema com acumulação, não existe essa limitação. O caudal disponível varia com a pressão de água disponível, perdas de carga e diâmetros da tubagem de distribuição, podendo chegar a ter o caudal máximo das torneiras em cada ponto de tiragem em simultâneo.

O transtorno causado pela limitação de caudal que um sistema instantâneo introduz prende-se com o fato de a água seguir o caminho de menor resistência. Se o caudal for muito limitado, ao usar vários pontos de tiragem, se uma das torneiras estiver a uma distância muito inferior (menor resistência) e a segunda torneira a uma distância superior ou num piso mais elevado (resistência superior), irá ter maior caudal de água na primeira torneira, podendo reduzir dramaticamente o conforto nos restantes pontos de tiragem.


Com os melhores cumprimentos da equipa do CLEAR Portugal

eu disclaimer

O projeto que deu origem a esta comunidade recebeu financiamento através do programa de investigação e desenvolvimento “Horizon 2020”, sob o contrato de subvenção nº749402. Nem a EASME nem a Comissão Europeia são responsáveis pela informação veiculada nem pela utilização das informações contidas na mesma.