Dicas

Incêndios florestais: prevenir e agir

01 fevereiro 2019
incêndio numa floresta

01 fevereiro 2019
Em caso de incêndio, ligue de imediato para o 112 ou para os bombeiros da sua área. Se não correr perigo, tente extinguir o incêndio com pás, enxadas ou ramos. Saiba como tratar a inalação de fumos.

Em caso de incêndio

Se a casa fica numa área florestal e, entretanto, deflagrar um incêndio numa zona próxima, corte o gás e a eletricidade. A seguir, avise os vizinhos, molhe abundantemente as paredes e os arbustos que rodeiam a casa e solte os animais (eles tratam de si próprios). Ligue o rádio de pilhas para obter informação atualizada sobre a situação de emergência.

Minimizar os efeitos do incêndio 

  • Retire os cortinados e feche todas as persianas ou coberturas das janelas, para tentar evitar a propagação do fogo para o interior da casa.
  • Feche todas as janelas e portas, de forma a evitar fenómenos de sucção.
  • Feche todas as válvulas de gás e regue os depósitos com água.
  • Acenda uma luz em todas as divisões da casa, para ter visibilidade em caso de fumo.
  • Ponha os objetos que não sejam danificados pela água dentro de piscinas, tanques ou banheiras. As piscinas e tanques são zonas potencialmente mais seguras. 
  • Remova materiais combustíveis do interior e das imediações da casa.
  • Retire o carro dos caminhos de acesso ao incêndio.
  • Se notar a presença de pessoas com comportamentos de risco, informe as autoridades.
  • Caso as autoridades aconselhem a sair do local, obedeça rapidamente, mas com calma.
  • Se o incêndio se aproximar da casa, ou se receber ordens das autoridades para evacuar o local, prepare toda a família. Dê especial atenção às crianças, idosos e deficientes.
  • Não perca tempo a recolher objetos pessoais desnecessários.
  • Não volte atrás por motivo algum.

Tratar a inalação de fumos

Um incêndio florestal provoca a emissão de gases (dióxido de enxofre, monóxido de carbono, entre outros) e a libertação de partículas para a atmosfera, com efeitos na qualidade do ar e na saúde. A inalação de fumos ou de substâncias químicas irritantes e o calor podem provocar tosse, irritação da garganta e das vias respiratórias, falta de ar, dor no peito e de cabeça ou irritação dos olhos e do nariz. O calor potencia as lesões de inalação, que provocam obstrução e risco de infeções. Já as substâncias químicas do fumo estão na origem de inflamações, edema com tosse, broncoconstrição e aumento das secreções. Mais tarde podem surgir lesões graves, especificamente a destruição das células que, em casos extremos, causa falência respiratória. 

Beber leite para atenuar os efeitos da inalação de fumos não tem fundamento científico nem é um método usado nos hospitais. O mito relaciona-se com a ideia de o leite ser um antídoto do monóxido de carbono, mas a sua utilidade não está descrita em artigos científicos. Não atrase o pedido de ajuda médica com a mezinha " vamos beber um copo de leite". Em caso de inalação de fumos, siga as recomendações da Direção-Geral da Saúde:

  • retire a pessoa do local e evite que respire o fumo ou esteja exposta ao calor;
  • procure sinais de alarme, como dificuldade respiratória ou alteração do estado de consciência;
  • verifique a presença de queimaduras faciais.

Caso tenha dúvidas ao ajudar uma vítima de inalação de fumo, ligue para a linha Saúde 24, através do 808 24 24 24, ou procure uma unidade de saúde.

Se tiver de ficar na rua durante o incêndio, cubra a cabeça e a parte superior do seu corpo com roupas molhadas ou, pelo menos, proteja a boca e o nariz com lenços húmidos, para filtrar as partículas. Proteja os olhos com óculos. Em caso de vista irritada, lave os olhos com soro fisiológico ou água fria e limpa. Outra forma de evitar a inalação de fumos é respirar o ar junto ao chão através duma roupa molhada.

Reduza os esforços prolongados, limite a atividade física ao ar livre e evite a exposição a fatores de risco, como o fumo do tabaco e o contacto com produtos irritantes.

Combater o calor 

Os fogos provocam também o aumento da temperatura ambiente. Proteja-se com algumas medidas:

  • beba muitos líquidos, de preferência água ou sumos de fruta natural, mesmo durante a noite. Evite bebidas quentes, alcoólicas, com gás, cafeína e muito açucaradas;
  • evite a exposição direta ao sol, principalmente entre as 11 e as 18 horas;
  • use roupas soltas, de fibras naturais (algodão, por exemplo) e cores claras;
  • tome duche de água tépida ou fria para baixar a temperatura do corpo;
  • procure ambientes frescos ou climatizados mesmo durante a noite.

Algumas pessoas são mais sensíveis aos efeitos provocados pelo fumo, sobretudo crianças, grávidas, idosos e quem sofre de doenças respiratórias e cardíacas. Se possível, devem permanecer no interior dos edifícios com as janelas fechadas e utilizar ar condicionado, em modo de recirculação. O excesso de calor também é perigoso, nomeadamente para doentes renais, diabéticos e obesos.

Desinfetar a água da torneira

Durante um incêndio, a água da torneira pode ser afetada. Não é preciso deixar de a beber, mas convém desinfetá-la. Ferva a água durante cinco minutos (a partir do momento da fervura) e adicione uma gota de limão para melhorar o sabor. Verta a água para um jarro que possa tapar e guarde num local fresco. O ideal é deixá-la repousar durante um dia antes de a beber.

Não ligue o ar condicionado se não tiver a certeza de que está equipado com um filtro eficiente para remover as partículas. Caso seja necessário, tape as frinchas existentes na casa com panos molhados.

As autoridades só aconselham a evacuação se existir risco de vida. Nessas situações, deve obedecer rapidamente, mas com calma, e ajudar as crianças, os idosos e as pessoas com deficiência. Não perca tempo a recolher objetos pessoais.