Notícias

Testámos cinco formas de pintar a casa

Início

O que é melhor para pintar aquela parede grande lá de casa? E para os pequenos detalhes, como rodapés ou cantos? Fizemos o teste a pistolas, rolos e uma esponja de pintura. Confira os resultados e veja o vídeo.

03 abril 2018
pinturas

João Ribeiro

A casa precisa de ser pintada, mas não faz ideia do que usar para ser mais eficaz e mais barato. A resposta é como tudo na vida: depende. Antes de tudo, deve saber que superfícies vão ser pintadas e deve fazer alguns preparativos. O nosso técnico, Alexandre Marvão, deixa algumas pistas: antes de tudo, “as pessoas devem avaliar se a su­perfície que vão pintar está em boas condi­ções e aproveitar para fazer as reparações dos defeitos e dos furos: arrancar toda a tin­ta que esteja já a descascar, e aplicar sobre essa reparação massa própria, deixar secar bem e lixar”. Por outro lado, se a parede tiver sujidades, há que fazer a limpeza, lavar com detergente neutro, eliminar bem todos os restos de detergente e deixar secar.

Ainda antes de pintar, isole muito bem todo o es­paço, tanto o chão como portas, janelas e locais que não queremos pintar (pelo me­nos, com aquela cor). A partir daqui, é só deitar mãos à obra.

pinturas

Convidámos a blogger Joana Coutinho (na foto, junto ao nosso técnico, Alexandre Marvão), autora do Dicas de Casa, que há um ano e meio se dedica a dar conselhos sobre todas as atividades que podemos desenvolver pela manutenção e pelo bom funcionamento de uma casa. Joana juntou-se a nós para este teste a cinco sistemas de pintura: uma pistola com compressor de tinta incorporado (€ 59), outra pistola, mas com o compressor externo (€ 104), um rolo com extensor e autoalimentação de tinta (€ 36), um rolo tradicional (€ 9, incluindo o tabuleiro) e uma esponja de pintura (adqui­rida na net por € 26). Dedicámos uma secção a cada um, com o veredicto da nossa convidada. Veja ainda o vídeo do nosso teste.