Voltar

Escolher um colchão com bom desempenho ambiental

Em casa

Especialistas

iStock

Os modelos com ótimo desempenho ambiental e boa classificação nas restantes provas em laboratório recebem o selo de Escolha Verde da DECO PROTESTE. Saiba em que consistem os testes ambientais dos colchões.

A sustentabilidade é uma das prioridades da DECO PROTESTE. Por esse motivo, tem vindo a adaptar os seus programas de teste para avaliar o desempenho ambiental dos produtos analisados. Os detergentes da roupa e loiça foram os primeiros. Este ano, junta os colchões à lista dos produtos com selo de Escolha Verde. Todos os novos modelos testados contemplam agora o desempenho ambiental na classificação global.

Quais os colchões elegíveis para o selo de Escolha Verde?

Como pode verificar no gráfico abaixo, além da durabilidade e da qualidade de construção do colchão, a DECO PROTESTE verifica se o produto dispõe de capa lavável e se é fácil separar as várias camadas que o compõem: alguns apenas têm quatro camadas, outros chegam a ter 15, por vezes, coladas, dificultando a reciclagem. Averigua também a pegada de carbono dos materiais que compõem o colchão, ou seja, o seu impacto ao nível ambiental. Para este último parâmetro, todos os componentes são separados e pesados, para se poder calcular a pegada de carbono de cada modelo em teste.

Critérios avaliados no desempenho ambiental dos colchões

Os modelos com classificação máxima neste conjunto de critérios podem conquistar o selo de Escolha Verde, desde que obtenham um bom desempenho global nos restantes testes (firmeza, conforto, etc.). Descubra-os no comparador de colchões da DECO PROTESTE. Nos filtros, selecione "As nossas recomendações".

Como ser um consumidor sustentável

Ajudamos os consumidores a escolher produtos mais sustentáveis, avaliando o desempenho ambiental dos produtos e atribuindo o selo de Escolha Verde da DECO PROTESTE aos modelos que aliam um bom desempenho a uma baixa pegada ambiental. Os fabricantes acabam, igualmente, por ver recompensado o seu esforço por conceberem produtos com matérias-primas recicladas e recicláveis, por exemplo, e com uma qualidade de construção que garanta uma grande longevidade.

No que toca a colchões, estes duram em média, oito a doze anos. Mas, com alguns cuidados, todos nós podemos esticar mais um pouco este prazo de validade. Na mudança de estação, aproveite as grandes limpezas para aspirar e limpar a fundo os colchões lá de casa. Caso tenham capa removível, lave-as na máquina. Para evitar deformações nas partes onde o corpo faz mais pressão, vire o colchão ao contrário e rode-o da cabeceira para os pés, pelo menos, duas vezes por ano. Caso só tenha uma face utilizável, gire-o apenas da cabeça para os pés. Além de prolongar o tempo de vida do colchão, as limpezas permitem combater os ácaros, seres microscópicos invisíveis que se escondem no pó e nas camas. Não picam, mas os seus dejetos podem causar alergias respiratórias e nos olhos.

Quando o colchão perder espessura, estiver muito velho, deformado e começar a sentir as molas ou irregularidades, é altura de o substituir. Informe-se bem sobre o colchão ideal para si e veja quais os melhor classificados no comparador da DECO PROTESTE. Esta ferramenta online indica também onde encontrar o modelo dos seus sonhos ao melhor preço perto de si. Ao optar pela loja mais barata poderá poupar mais de cem euros, nalguns casos.

O que fazer com o seu colchão velho? Se estiver num estado ainda razoável, procure vendê-lo ou doá-lo a alguém ou instituição de solidariedade social. Pode também perguntar ao vendedor do colchão novo se pode retomar o antigo ou, ainda, agendar com os serviços municipais uma data para a sua recolha.

Veja também