×

Cookies

Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.

A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pela DECO PROTESTE. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

 

Saber mais

Ar condicionado

Os aparelhos de ar condicionado do tipo inverter são cada vez mais procurados para substituir os convencionais. Arrefecem e aquecem com menos flutuações de temperatura, e desumidificam o ar. Podem ser usados apenas como ventoinha. Além disso, são eficientes e bastante poupados.

Os modelos mono-split são compostos por uma unidade exterior ligada diretamente a uma unidade interior. Nos modelos multi-split, uma unidade exterior está ligada a 2 ou mais unidades interiores.

Boas práticas

Escolha a potência adequada à divisão onde vai instalar o ar condicionado. Se for baixa, não conseguirá arrefecer ou aquecer em condições e o aparelho funcionará em esforço. Se for muito elevada, a eficiência diminui e desperdiça dinheiro. Fechar as portas e janelas, correr os estores quando o sol bate, regular a temperatura (22ºC no Inverno e 25ºC no Verão), ou desligar o aparelho quando não está ninguém em casa, poupa energia e o ambiente.

Manutenção

O aparelho de ar condicionado requer cuidados periódicos. Siga as instruções ao limpar os filtros e as grelhas. Operações mais complexas, como procurar fugas, proceder à recarga e verificar o sistema elétrico, devem ser feitas por técnicos qualificados para o efeito.

A instalação destes equipamentos deve ser feita por empresas certificadas

Se a instalação for executada por terceiros, não propostos pelo vendedor, o instalador responde pelos problemas. Em caso de defeito na entrega, rejeite a instalação ou aceite-a sob reserva. Estes direitos mantêm-se para os defeitos detetáveis até 2 anos.

Caso o vendedor ou o instalador não resolvam o problema de imediato, reclame por carta registada com aviso de receção. Casos mais problemáticos são resolvidos nos centros de arbitragem de conflitos de consumo ou nos julgados de paz.

Pode pedir o serviço a uma empresa ou contratar manutenção a longo prazo para um acompanhamento mais frequente, mas antes sonde o preço e as condições.

Custos

Cuidado com o preço: o mesmo aparelho pode custar mais umas centenas de euros, consoante a loja. Tenha em conta o custo da instalação. Os valores variam com o tipo de construção da casa, a dificuldade de montagem e a distância face à loja.

Consulte o nosso guia de compras.

RCP: eu acho que se deveria explicar como é composto: “Os modelos mono-split são compostos por uma unidade exterior ligada diretamente a uma unidade interior. Nos modelos multi-split, uma unidade exterior está ligada a 2 ou mais unidades interiores.” Não sei se vês a necessidade de reforçar que tem sempre de haver uma unidade exterior ligada por tubo de cobre e cabo elétrico à unidade interior.

Salamandras a pellets

Na escolha de uma salamandra tenha em atenção a área que pretende climatizar e adeque a potência do aparelho em conformidade. Há modelos que podem ser ligados a canalizações de ar para aquecer divisões contíguas. A capacidade do depósito é outro aspeto importante e dita a autonomia do equipamento.

Boas práticas

Valorize a segurança do sistema. Avalie a segurança elétrica, o acesso a partes ativas sem ferramentas, as temperaturas superficiais e dos componentes internos e o risco de queimaduras ao manusear a salamandra ou a reabastecer o depósito de pellets. É necessária uma chaminé para a exaustão dos gases de combustão e uma entrada de ar para o sistema.

Manutenção

Verifique a capacidade do depósito interno de pellets da salamandra: maior depósito, maior autonomia. Quanto mais baixas forem as emissões de poluentes para a atmosfera (CO, CO2, NOx e partículas), melhor. O custo de utilização anual das salamandras ronda os € 336, de acordo com os nossos testes.

A instalação destes equipamentos deve ser feita por empresas qualificadas

A maior dificuldade a ter em conta prende-se com a colocação da chaminé no exterior: pode vir a necessitar de uma autorização do condomínio ou da câmara municipal. Depois, há pequenas questões técnicas. Dado que as salamandras de pellets são aparelhos pesados (alguns modelos têm mais de 100 kg), é necessário verificar se a estrutura do local da instalação suporta esse peso. É também importante cumprir as distâncias de segurança da salamandra em relação a materiais inflamáveis como, cortinados, sofás, móveis, etc.

RCP: aqui, indicar que na instalação deve-se garantir o cumprimento das distâncias de segurança da salamadra a materiais inflamáveis (cortinados, sofás, mobílias...).

Vai necessitar ainda de um espaço seco e com boa acessibilidade para armazenar os pellets. A capacidade de carga dos modelos domésticos ronda os 15 a 25 kg, o suficiente para 8 a 10 horas de funcionamento à potência máxima.

Custos

O preço de uma salamandra a pellets pode variar entre os € 800 e os € 5 000, consoante a sua potência, versatilidade e material de construção. Alguns modelos permitem a programação das horas de funcionamento e paragem, possibilitando o aquecimento da casa quando chegar. Outros, permitem a ligação a condutas para o aquecimento de quartos não contíguos. Há modelos de instalação livre, no meio da divisão, e outros são tipo “insert” – para substituir um recuperador a lenha, por exemplo.

Sistemas Fotovoltaicos para Autoconsumo

Os sistemas fotovoltaicos para autoconsumo podem produzir uma boa parte da energia necessária para a sua casa. Se produzir mais energia daquela que precisar, pode armazenar em baterias para utilização posterior.

Boas práticas

Na maioria das casas dos portugueses, o consumo energético está concentrado no período noturno, uma vez que durante o dia a ocupação é reduzida. Para este cenário específico, deve optar-se por um sistema de reduzida dimensão, para fazer face aos consumos permanentes — como é o caso do modo em “standby” dos aparelhos eletrónicos —, às boxes para televisão ou aos frigoríficos e arcas congeladoras.

Manutenção

Os sistemas fotovoltaicos para autoconsumo são praticamente livres de manutenção, à parte da limpeza da superfície dos painéis, para retirar as impurezas que aí se possam depositar. Deverá ainda efetuar a remoção de folhas e pequenos lixos soprados pelo vento que se possam acumular na parte inferior dos painéis.

Alguns sistemas permitem monitorizar a produção e enviar alertas automáticos, em caso de uma possível anomalia.

Os inversores devem ser verificados com a periodicidade indicada pelo fabricante. Contudo, deve-se verificar anualmente a eletricidade produzida pelo sistema e verificar se esta está alinhada com o previsto.

A instalação destes equipamentos deve ser feita por empresas acreditadas

Com a recente alteração da legislação a instalação de sistemas fotovoltaicos para autoconsumo é a opção mais atrativa.

Antes de comprar um destes dispositivos, meça ou peça ao instalador para avaliar os consumos da sua habitação para perceber qual é o seu perfil.

Regra geral, um sistema fotovoltaico para autoconsumo é composto por painéis fotovoltaicos (instalados no exterior da habitação, devidamente inclinados e orientados e livres de sombreamento) ligados a um inversor (micro ou de string). Este estará ligado à rede da habitação – ponto de consumo.

Custos

Um sistema para autoconsumo, constituído pelos painéis mais inversor DC/AC e a estrutura para telhado ou terreno/terraço, pode custar a partir de € 400, para uma potência de 200 W, ou até cerca de € 3 000 para uma de 1 500 W.

Embora estes sistemas possam ser instalados pelo próprio utilizador, aconselhamos a contactar um instalador qualificado e credenciado para garantir as melhores condições de funcionamento e de segurança