×

Cookies

Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.

A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pela DECO PROTESTE. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

 

Saber mais

Ar condicionado

Os aparelhos de ar condicionado do tipo inverter são cada vez mais procurados para substituir os convencionais. Arrefecem e aquecem com menos flutuações de temperatura, e desumidificam o ar. Podem ser usados apenas como ventoinha. Além disso, são eficientes e bastante poupados.

Os modelos mono-split são compostos por uma unidade exterior ligada diretamente a uma unidade interior. Nos modelos multi-split, uma unidade exterior está ligada a 2 ou mais unidades interiores.

Boas práticas

Escolha a potência adequada à divisão onde vai instalar o ar condicionado. Se for baixa, não conseguirá arrefecer ou aquecer em condições e o aparelho funcionará em esforço. Se for muito elevada, a eficiência diminui e desperdiça dinheiro. Fechar as portas e janelas, correr os estores quando o sol bate, regular a temperatura (22ºC no Inverno e 25ºC no Verão), ou desligar o aparelho quando não está ninguém em casa, poupa energia e o ambiente.

Manutenção

O aparelho de ar condicionado requer cuidados periódicos. Siga as instruções ao limpar os filtros e as grelhas. Operações mais complexas, como procurar fugas, proceder à recarga e verificar o sistema elétrico, devem ser feitas por técnicos qualificados para o efeito.

A instalação destes equipamentos deve ser feita por empresas certificadas

Se a instalação for executada por terceiros, não propostos pelo vendedor, o instalador responde pelos problemas. Em caso de defeito na entrega, rejeite a instalação ou aceite-a sob reserva. Estes direitos mantêm-se para os defeitos detetáveis até 2 anos.

Caso o vendedor ou o instalador não resolvam o problema de imediato, reclame por carta registada com aviso de receção. Casos mais problemáticos são resolvidos nos centros de arbitragem de conflitos de consumo ou nos julgados de paz.

Pode pedir o serviço a uma empresa ou contratar manutenção a longo prazo para um acompanhamento mais frequente, mas antes sonde o preço e as condições.

Custos

Cuidado com o preço: o mesmo aparelho pode custar mais umas centenas de euros, consoante a loja. Tenha em conta o custo da instalação. Os valores variam com o tipo de construção da casa, a dificuldade de montagem e a distância face à loja.

Consulte o nosso guia de compras.

Bombas de calor

As bombas de calor têm vindo a ganhar terreno no aquecimento de água. Além de ecológicas e eficientes, são uma boa opção quando a instalação a gás não é possível ou requer obras de grande envergadura. São também uma alternativa aos termoacumuladores, sobretudo se não quiser ficar dependente da tarifa bi-horária.

Existem bombas de calor murais monobloco (instaladas na parede), que utilizam o ar interior da divisão para extrair o calor para o aquecimento da água, e bombas murais split. As últimas são compostas por uma unidade exterior conectada a uma unidade interior que armazena a água a aquecer.

Ao optar por uma bomba de calor, é provável que tenha de reforçar a potência contratada. Analise se o aumento de aparelhos elétricos (placa de indução, forno elétrico e bomba de calor) é compatível com a potência contratada e se a instalação será capaz de suportar as necessidades elétricas de todos os equipamentos.

Ariston Lydos Hybrid – uma bomba de calor e um termoacumulador

O modelo Ariston Lydos Hybrid é uma bomba de calor com um apoio elétrico capaz de produzir água quente sanitária de modo muito eficiente do que quando comparado com um termoacumulador clássico.

Comparando os custos de utilização anual deste equipamento com um termoacumulador clássico, da mesma capacidade, a poupança ultrapassa os € 400 após 5 anos de utilização (usando a tarifa simples). Também é mais vantajoso que um esquentador a gás butano ou propano. Para os mesmos 5 anos de uso, a poupança ultrapassa os € 750. Contudo, se o esquentador usar gás natural, a vantagem é muito mais reduzida. Este sistema apenas é mais vantajoso do que um esquentador a gás natural após 10 anos de utilização.

Cenário de utilização recomendado

Considere uma necessidade mínima de 40 litros de água quente sanitária por dia e por elemento do agregado. Ou seja, para um agregado de duas pessoas, um modelo com capacidade para 80 litros deverá ser suficiente. Para uma família de três pessoas, o ideal será uma bomba de calor de 120 litros.

Na escolha do equipamento, tenha em conta o seu perfil de consumo de água quente (número de banhos quentes por dia, banho de chuveiro ou de imersão, etc.). Pondere dar uma margem no caso de os banhos serem tomados todos de seguida, para que a última pessoa não fique com a água fria.

Instalação destes equipamentos deve ser feita por profissionais

Os modelos com capacidade para uma ou duas pessoas, regra geral, cabem nos locais previstos para os esquentadores existentes nas cozinhas. Os aparelhos maiores requerem mais espaço, pois têm 165 a 200 cm de altura e 60 cm de largura. O local onde vai ser instalado deve ter ligação à rede de água e de eletricidade.

Contacte um instalador recomendado pelo fabricante, para garantir que a escolha é viável e bem feita. Em caso de dúvida, contacte a ARISTON para saber quais os instaladores recomendados na sua área de residência.

Mecânica da campanha

Até ao final do ano, pode beneficiar de um desconto de € 75 na compra de uma bomba de calor da marca Ariston, modelo Lydos Hybrid wi-fi, nas versões de 80 ou 100 litros, em qualquer loja Leroy Merlin situada em Portugal Continental.

Para usufruir deste desconto, efetue os seguintes passos:

  1. Registe-se na plataforma www.renovaveisemcasa.pt;
  2. Escolha o produto que deseja na Plataforma. Ser-lhe-á enviado, pela DECO PROTESTE, um voucher correspondente ao produto escolhido;
  3. Apresente o voucher (impresso em papel ou no seu smartphone) em qualquer loja Leroy Merlin, no momento que efetivar a compra, para obter o desconto de € 75. O código é válido até dia 31 de dezembro de 2019;
  4. A instalação fica a seu cargo (informe-se na loja ou contrate um especialista certificado).

Sistemas Fotovoltaicos para Autoconsumo

Os sistemas fotovoltaicos para autoconsumo podem produzir uma boa parte da energia necessária para a sua casa. Se produzir mais energia daquela que precisar, pode armazenar em baterias para utilização posterior.

Boas práticas

Na maioria das casas dos portugueses, o consumo energético está concentrado no período noturno, uma vez que durante o dia a ocupação é reduzida. Para este cenário específico, deve optar-se por um sistema de reduzida dimensão, para fazer face aos consumos permanentes — como é o caso do modo em “standby” dos aparelhos eletrónicos —, às boxes para televisão ou aos frigoríficos e arcas congeladoras.

Manutenção

Os sistemas fotovoltaicos para autoconsumo são praticamente livres de manutenção, à parte da limpeza da superfície dos painéis, para retirar as impurezas que aí se possam depositar. Deverá ainda efetuar a remoção de folhas e pequenos lixos soprados pelo vento que se possam acumular na parte inferior dos painéis.

Alguns sistemas permitem monitorizar a produção e enviar alertas automáticos, em caso de uma possível anomalia.

Os inversores devem ser verificados com a periodicidade indicada pelo fabricante. Contudo, deve-se verificar anualmente a eletricidade produzida pelo sistema e verificar se esta está alinhada com o previsto.

A instalação destes equipamentos deve ser feita por empresas acreditadas

Com a recente alteração da legislação a instalação de sistemas fotovoltaicos para autoconsumo é a opção mais atrativa.

Antes de comprar um destes dispositivos, meça ou peça ao instalador para avaliar os consumos da sua habitação para perceber qual é o seu perfil.

Regra geral, um sistema fotovoltaico para autoconsumo é composto por painéis fotovoltaicos (instalados no exterior da habitação, devidamente inclinados e orientados e livres de sombreamento) ligados a um inversor (micro ou de string). Este estará ligado à rede da habitação – ponto de consumo.

Custos

Um sistema para autoconsumo, constituído pelos painéis mais inversor DC/AC e a estrutura para telhado ou terreno/terraço, pode custar a partir de € 400, para uma potência de 200 W, ou até cerca de € 3 000 para uma de 1 500 W.

Embora estes sistemas possam ser instalados pelo próprio utilizador, aconselhamos a contactar um instalador qualificado e credenciado para garantir as melhores condições de funcionamento e de segurança