Notícias

Sabe como ser um turista mais sustentável?

Início

É possível sermos turistas respeitadores da sustentabilidade? Claro que sim. Conheça as certificações e os selos dos alojamentos para facilitar a sua escolha.

24 maio 2022
turismo sustentavel

iStock

É possível viajar para um local e respeitar a sustentabilidade desse destino turístico? Além do que arruma na mala, deve levar também a atitude de um turista adaptado aos tempos que correm: uma atitude consciente e de respeito pelo local. Se puder fazer a viagem numa alternativa ao carro ou ao avião, melhor. Antes da partida, procure um alojamento que cumpra as suas responsabilidades ambientais, sociais e económicas. Para uma decisão informada, tem várias opções de selos de sustentabilidade, selos ambientais ou outros. Existem vários selos de sustentabilidade, ambientais e ainda um outro, mais específico, o Miosótis Açores. Explicamos aqui os selos presentes em Portugal. Os de sustentabilidade têm maior abrangência de critérios reconhecidos em diversas áreas e realizam auditorias. Denotam que há uma preocupação da gerência em fazer uma gestão ambiental da casa, com práticas de eficiência energética e de poupança em recursos fundamentais, como a água. Mas que também empregue com dignidade os profissionais que são a sua força motriz. E, porque não, que tenha laços sólidos com as comunidades locais, quer os fornecedores, quer a comunidade agrícola, e venda produtos locais. À chegada, tente fazer as "perguntas certas", como diz o presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo, que as revela na entrevista que nos concedeu.

E como poderemos escolher? Existem seis selos de sustentabilidade nos alojamentos turísticos em Portugal: Biosphere, Earth Check, Green Globe, Green Grouth 2050, Green Key, Travelife. Todos, regra geral, tentam dar a resposta, do lado do turismo, aos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, integrados na Agenda 2030 da ONU. Estão associadas 169 metas, a alcançar daqui a oito anos, que atravessam quase todos os problemas que afetam a humanidade. A sustentabilidade é transversal a todos eles. Mas a Organização Mundial do Turismo destaca o contributo mais específico que o setor pode dar para objetivos como trabalho digno e crescimento económico, produção e consumo sustentáveis e relativos aos oceanos, mares e recursos marinhos. Os selos de sustentabilidade são reconhecidos pelos consumidores, que assim podem escolher estabelecimentos que implementaram medidas de sustentabilidade.

Critérios de sustentabilidade reconhecidos

Os selos Biosphere, Earth Check, Green Globe, Green Grouth 2050, Green Key e Travelife seguem os critérios de sustentabilidade definidos pelo Conselho Global do Turismo Sustentável, que podem ser centenas em alguns casos. Mas não os seguem de forma homogénea: têm indicadores diferenciados para o seu cumprimento. A Biosphere define os critérios e deixa a liberdade de seleção aos alojamentos, desde que selecionem o mínimo definido por área. Os restantes (Earthcheck, Green Globe, Green Growth 2050, Green Key e Travelife) indicam critérios fixos obrigatórios a serem cumpridos pelos alojamentos e incluem outros, opcionais. 

E como é que os alojamentos obtêm os selos? Numa primeira fase, definem a política de sustentabilidade e utilizam a plataforma da entidade certificadora para fornecer a documentação requerida, e assim demonstrar o cumprimento dos critérios. 

Falámos muito de critérios até aqui, mas convém concretizá-los. Basta para isso um exemplo: para conseguirem chegar ao Green Grouth 2050, os alojamentos turísticos têm de provar que respeitam a construção sustentável, os direitos humanos, a política ambiental e de compras, a conservação da biodiversidade e o envolvimento das comunidades locais, entre outros critérios de diversas áreas, num sistema de pontuação. 

Auditorias independentes garantem a obtenção de selo

Para a obtenção do selo, são realizadas auditorias no alojamento por entidades independentes. É o que acontece no caso do Biosphere, do Earthcheck, do Green Globe, do Green Growth 2050 e do Travelife. As auditorias do galardão Green Key são realizadas por um representante da comissão nacional com o mesmo nome.

Há incentivos para a melhoria contínua dos alojamentos: as certificações Earthcheck, Green Globe e Green Growth 2050 aplicam vários patamares de avaliação, de acordo com os anos de certificação ou a adesão a critérios mais exigentes.

Mas o melhor é confirmarmos mesmo junto dos próprios estabelecimentos, ou de algumas plataformas de reservas online que já incluem informação sobre a sustentabilidade dos alojamentos. O Booking, ao qual recorrem largas massas de turistas, apresenta o selo Travel Sustainable, mas baseia-se nas autodeclarações dos alojamentos para dar informações sobre as medidas, sem auditoria independente.

Um selo só para os Açores

Outro exemplo interessante é o dos Açores. O arquipélago tem um selo exclusivo para os seus estabelecimentos, o Miosótis Açores, que inclui critérios ambientais. É realizada auditoria pela comissão de avaliação e atribuído o galardão pela Direção Regional do Ambiente dos Açores.

O que representam os selos de sustentabilidade nos alojamentos turísticos?

  

Os selos podem ser bons indicadores para um turista sustentável. Afinal, o setor, ainda a recuperar dos confinamentos pandémicos, quer redefinir-se. E, segundo o Conselho Mundial de Viagens e Turismo, contribuía para 17% do PIB nacional em 2019.

Junte-se à maior organização de consumidores portuguesa

A independência da DECO PROTESTE é garantida pela sustentabilidade económica da sua atividade. Manter esta estrutura profissional a funcionar para levar até si um serviço de qualidade exige uma vasta equipa especializada.

Registe-se para conhecer todas as vantagens, sem compromisso. Subscreva a qualquer momento.

Junte-se a nós

 

O conteúdo deste artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais com o consentimento expresso da DECO PROTESTE, com indicação da fonte e ligação para esta página. Ver Termos e Condições.