Notícias

Rótulo europeu ajuda a poupar água e energia

Qual o equipamento que gasta menos água e energia? O Rótulo Unificado Europeu de Eficiência Hídrica e Energética é a bússola que responde à questão e o passaporte para poupar milhares de litros de água e centenas de euros por ano.

  • Dossiê técnico
  • Fábio Aparício
  • Texto
  • Deonilde Lourenço
03 março 2021
  • Dossiê técnico
  • Fábio Aparício
  • Texto
  • Deonilde Lourenço
Chuveiro, em grande plano, a debitar água

iStock

Em Portugal, o potencial de eficiência hídrica está calculado entre 30 a 50 por cento. Significa que, por um lado, existem perdas de água na rede e, por outro, que não poupamos água como deveríamos e poderíamos. Se utilizássemos equipamentos mais eficientes, o montante a pagar na fatura seria substancialmente reduzido. Um pouco por toda a Europa, cada país concebeu rótulos que dão conta da quantidade de água e de energia consumidas pelos equipamentos utilizados na casa de banho. Numa época em que tanto se fala em sustentabilidade, a poupança de recursos é inadiável.

Lançado no início de 2019, o Rótulo Unificado Europeu de Eficiência Hídrica e Energética pretende unir os vários rótulos num só e difundir a mesma escala e imagem, simplificando a mensagem e respondendo às perguntas: quantos litros de água gasta este equipamento e quão eficiente é do ponto de vista hídrico e energético? A questão da eficiência energética aplica-se, por exemplo, a torneiras com sensores, que se ligam e desligam automaticamente, ou a colunas de duche com sistema de hidromassagem. Após uma fase de transição, em 2021 deverá ser o único rótulo a constar em autoclismos, chuveiros e torneiras. Mais de 160 marcas e 12 mil produtos, num total de 13 categorias, entre torneiras de casa de banho e de cozinha, autoclismos, chuveiros e banheiras, já utilizam o rótulo unificado europeu de eficiência hídrica e energética.

Exemplo de um rótulo de torneira eficiente

 
O Rótulo Unificado Europeu de Eficiência Hídrica e Energética, na imagem, exibe, no máximo, três ícones que detalham características técnicas de poupança do equipamento.
 Além de uma zona dedicada ao consumo de água e de energia, este rótulo contém os ícones técnicos do equipamento onde se detalham as características que cooperam para a poupança, como a resistência à temperatura mais elevada e o temporizador. 
 
Caudal independente de pressão: o caudal da torneira é constante, sem depender da pressão da rede. Para que a torneira se encontre nas duas melhores categorias do rótulo, terá obrigatoriamente de possuir esta característica.
 
Cold start: a posição central do manípulo da torneira é referente à água fria. O manípulo apenas funciona na posição central (água fria) e na posição à esquerda (água quente). Com esta funcionalidade, quando a torneira se encontra na posição central, não existe consumo de energia para aquecer a água.

Controlo por sensor: após a utilização, a torneira ativada por sensor terá de se desligar, no máximo, até dois segundos. O tempo total de funcionamento não pode ultrapassar os dois minutos.

 
Eco-stop: resistência à abertura máxima. Quando se abre o manípulo da torneira, há um bloqueio antes da abertura total.
 
Resistência a temperaturas extremas: quando se gira o manípulo da torneira para a esquerda (água quente acima dos 38º C), o utilizador sente um bloqueio que dificulta a colocação do manípulo nesta extremidade. É possível, assim, poupar energia no aquecimento da água.
 
Termóstato: as torneiras com termóstato mantêm a temperatura da água constante, independentemente da variação na pressão da rede. Nos sistemas de duche, permite desligar a água durante o banho. Quando se volta a ligar a torneira, a temperatura será exatamente a mesma, poupando água e energia. As torneiras com termóstato vêm calibradas de fábrica com um sistema de segurança que as regula para 38º C.  

Como distinguir o chuveiro que gasta menos água

Recorramos a um caso prático. O Rótulo Unificado Europeu de Eficiência Hídrica e Energética indica, por exemplo, quais são os chuveiros que gastam menos água. Apresentamos, na ilustração em baixo, dois chuveiros da mesma marca com desempenhos díspares. Se cada duche durar cinco minutos, numa família de quatro pessoas, a diferença entre a água consumida pelos dois equipamentos é de 440 litros diários ou 160 mil litros num ano. O chuveiro mais eficiente é mais caro, mas o retorno do investimento dá-se em quatro meses. Consoante o valor da tarifa da água por município, a poupança anual com o chuveiro mais eficiente pode ultrapassar os 150 euros.

 

 
 

Consumo de água acima do necessário

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), cada indivíduo precisa de 110 litros de água para satisfazer as necessidades diárias. Mas dados da Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR) revelam que, em 2018, cada português consumiu 122 litros de água potável por dia. Na rotina doméstica, o grande sorvedouro é a higiene pessoal, onde se incluem banhos e duches e o uso do autoclismo. Numa casa, representam 37% e 31%, respetivamente, do consumo total de água. Daí que intervir nos equipamentos mais gastadores (chuveiros, autoclismos e torneiras) se tenha tornado urgente. Numa época em que os discursos da emergência climática marcam a agenda nacional e internacional, os fabricantes começam a adaptar os produtos e a destacar-se pelas preocupações ambientais. 

Seja um consumidor mais sustentável

Portugal e o mundo: a escassez e a falta de água potável

Alentejo e Algarve comungam de uma palavra: seca. A ausência de chuva nestas regiões implica que, de ano para ano, as consequências se façam sentir. Mais de 40% da reserva anual de água, conservada em albufeiras, barragens, captações subterrâneas e lagos naturais, é gasta a sul de Portugal, onde a escassez hídrica está classificada como de risco elevado. Para os próximos 20 anos, as previsões não são tranquilizadoras, segundo o estudo Aqueduct Water Stress Projections, do World Resources Institute, ONG ambientalista. Em 2030, o cenário de seca poderá estender-se à maioria do território português. E, para 2040, estima-se que as zonas de Lisboa e do Algarve venham a despender mais de 80% das reservas anuais de água. A fraca pluviosidade, limitando a vida das populações a curto, a médio e a longo prazo, exige múltiplas soluções e mecanismos para mitigar os efeitos da escassez de água. Alguns encontram-se ao alcance de qualquer pessoa e em objetos do dia-a-dia, como torneiras e chuveiros. 

Saúde, redução da pobreza, segurança alimentar, paz, direitos humanos e ecossistemas do planeta são dimensões nas quais a nossa sobrevivência se fundamenta e que dependem da... água. Mas a escassez, a poluição, o stresse hídrico, o saneamento e a higiene humana são questões dramáticas que vieram para ficar. Estima-se que mais de dois mil milhões de indivíduos não tenham acesso aos serviços básicos de saneamento e higiene. Em causa não está unicamente a falta de abundância, mas também a qualidade da água.

Uma das faces visíveis da emergência climática ao nível mundial é a escassez de água. A dificuldade generalizada no acesso a água potável poderá levar a que mais de 700 milhões de pessoas se desloquem de uma região para outra. Um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU para 2030 é precisamente garantir o acesso universal e equitativo a água potável. A utilização racional e consciente torna-se, cada vez mais, uma obrigatoriedade para quem ainda dispõe deste recurso.

Junte-se à maior organização de consumidores portuguesa

A independência da DECO PROTESTE é garantida pela sustentabilidade económica da sua atividade. Manter esta estrutura profissional a funcionar para levar até si um serviço de qualidade exige uma vasta equipa especializada.

Registe-se para conhecer todas as vantagens, sem compromisso. Subscreva a qualquer momento.

Junte-se a nós

 

O conteúdo deste artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais com o consentimento expresso da DECO PROTESTE, com indicação da fonte e ligação para esta página. Ver Termos e Condições.