Notícias

Televisores inteligentes precisam mesmo de antivírus?

A dúvida surgiu após a Samsung aconselhar aos clientes americanos a monitorização de televisores inteligentes para evitar pirataria. Estes aparelhos precisam de cuidados especiais?

  • Dossiê técnico
  • António Alves
  • Texto
  • Inês Lourinho
23 outubro 2019
  • Dossiê técnico
  • António Alves
  • Texto
  • Inês Lourinho
AntiVirus Televisores

iStock

A mensagem foi apagada no mesmo dia, face à reação dos consumidores e da imprensa especializada. O sistema operativo que a Samsung utiliza - o Tizen - valida todas as aplicações que podem ser colocadas na sua loja, sendo esta a única forma de instalá-las nos televisores. O fabricante anuncia ainda serviços que se propõem prevenir a introdução de malware nos aparelhos e na rede dos utilizadores, assim como a encriptação dos dados que fluem entre smartTV e servidores. Portanto, impõe-se a questão: qual a necessidade de os utilizadores correrem um antivírus?

É verdade que nenhum equipamento ligado à net está 100% seguro. Mas aquilo que exigimos dos fabricantes, sustentados nos testes que fazemos em laboratório, é que apliquem as melhores práticas de segurança cibernética, para minimizar os perigos. Além de métodos de encriptação e autenticação adequados, é vital disponibilizar atualizações de segurança ao longo do tempo de vida expectável destes televisores, porque novas vulnerabilidades podem surgir a qualquer instante.

Não apoiamos a ideia de deixar aos utilizadores a obrigação de intervenções periódicas para detetar vírus. Até porque a LG (WebOS) e a Panasonic (My Home Screen) não têm software de verificação do lado do consumidor, nem tão-pouco opções relacionadas. Também contam com lojas de apps fechadas e alegam medidas de segurança em consonância com as melhores práticas. A Sony e a Philips, que utilizam o Android TV, permitem instalar apps de lojas que não a Play Store, o que aumenta a versatilidade e a livre concorrência, mas lhes retira algum controlo sobre a questão da segurança. Ainda assim, permitem instalar antivírus e possuem, sobretudo a Sony, opções de verificação e edição de permissões.

E se dispõe de um Samsung, o que fazer? Os aparelhos de 2018 e 2019 não incluem menus com a função de monitorização em tempo real - esta “vigilância” processa-se sem que o consumidor tenha de intervir ou sequer dela se aperceba. Já os televisores mais antigos preveem a função. Recomendamos que a mantenha sempre ativa. Siga o percurso: Definições > Sistema > Definições avançadas > Segurança inteligente > Monitorização em tempo real.

Em qualquer dos casos, para minimizar os riscos, antes de conectar uma pen ou outro aparelho ao televisor, corra um antivírus e verifique se o equipamento é inofensivo.

Já para encontrar o televisor à medida das necessidades, pesquise diagonais, resultados do teste e preços no nosso comparador de televisores.

 

Este artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais se for indicada a fonte e contiver uma ligação para esta página. Ver Termos e Condições.