Notícias

Televisores: a Seleção joga melhor com a nossa tática

Portugal joga melhor em 4K?

Sim e... não. Num televisor full-HD, as imagens são compostas por 1080 linhas horizontais com 1920 pontos cada. Nos 4K, a resolução é duplicada nos planos horizontal e vertical, ou seja, estes painéis têm 2160 linhas com 3840 pontos cada. Logo, existem quatro vezes mais píxeis, o que resulta em maior densidade de informação. Há quatro anos, quando os 4K surgiram, limitavam-se aos modelos de gama alta, e tinham diagonais elevadas e preços proibitivos. O paradigma mudou e, agora, a grande maioria dos modelos que analisamos inclui painéis 4K para diagonais desde as 40 polegadas.

Porém, a qualidade da imagem depende de inúmeros fatores, como a capacidade de reproduzir cores naturais, o contraste, a fluidez, a ausência de ruído e a nitidez. Resumindo, também é possível encontrar boa qualidade em resoluções inferiores.

Além disso, de nada vale investir centenas de euros num televisor 4K se não for possível aceder a conteúdos com a mesma resolução. As opções atualmente disponíveis passam por serviços de streaming de vídeo, como a Netflix e o YouTube, e por gravações com algumas câmaras de vídeo, máquinas fotográficas e smartphones. Canais de televisão em 4K, mesmo nas plataformas pagas, para já, são bastante escassos. Nada garante, assim, que os jogos do Mundial sejam transmitidos em resolução 4K. Mas não será isso que nos impedirá de vermos a Seleção nas sua melhores cores, e menos ainda o brilho cintilante das jogadas, a definição dos passes ou o contraste de talento face aos adversários.