Guia de compras

Televisores: guia de compras

29 junho 2020
Numa loja de eletrónica, na secção dos televisores, um jovem casal observa alguns dos televisores em exposição. O homem do casal é moreno, enverga uma camisa azul e calças claras, com um cinto castanho, e abraça a mulher. A mulher é loira e veste uma camisa azul-clara e calças cinzentas.

Qual a diferença entre um ecrã LCD e um OLED? A qualidade de imagem é muito influenciada pelo nível de resolução do ecrã? Saiba como escolher um televisor à sua medida.

Início

Na escolha de um novo televisor, a par do preço, deve refletir sobre o uso que lhe dará e sobre as características da divisão onde será instalado.

O tipo de ecrã (LCD ou OLED), a qualidade de imagem, a dimensão do equipamento, o seu gasto energético e a compatibilidade com outras tecnologias são algumas variáveis que deve ter em conta. Para escolher bem, de forma simples e rápida, consulte o nosso teste a televisores.

Os televisores Full HD têm 1080 linhas horizontais de resolução. Nos televisores 4K (Ultra HD), a resolução é duplicada na horizontal e na vertical (3840x2160 px), mas não se traduz num aumento linear da nitidez das imagens em todos os ecrãs. Começam a surgir no mercado modelos com um nível de resolução ainda maior (o 8K), que duplicam novamente o número de píxeis no ecrã no plano horizontal e vertical. Como seria de esperar, os primeiros modelos com esta resolução pertencem, invariavelmente, a uma gama alta, são dispendiosos e começam nas diagonais de imagem de 55 polegadas.

Os nossos testes indicam que a diferença de nitidez na visualização de conteúdos 4K (ainda não dispomos de estudos para os 8K) começa a ser notada nos ecrãs a partir de 46 polegadas. Nos ecrãs com 55 polegadas ou mais, a diferença de nitidez torna-se muito notória. Atualmente, muitos dos modelos acima das 40 polegadas e quase todos acima das 55 polegadas já incluem painéis 4K, pelo que este aspeto não é problemático.

A esmagadora maioria dos canais que constam dos pacotes dos operadores de TV não estão disponíveis em 4K. Esta resolução só está disponível em alguns serviços de streaming de vídeo (ex: Amazon Prime Vídeo, Netflix Premium, YouTube) ou em algumas consolas de jogos mais recentes (como a Sony PS4 Pro ou a Microsoft Xbox One X). Ou seja, os televisores 4K têm de recorrer com frequência ao seu upscaller. Se, por exemplo, estiver a ver um vídeo Full HD (1080 linhas) num televisor 4K (3160 linhas), este tem necessariamente de preencher as linhas em falta (interpolação). A qualidade do upscaller é um fator determinante para a qualidade que obtém quando vê conteúdos de resolução inferior.

Cada vez mais televisores possuem tecnologia HDR, que permite obter maior contraste e uma palete de cores mais vasta quando visualiza conteúdos HDR. O HDR potencia o realismo de algumas cenas – sobretudo cenas no exterior, que conjugam áreas da imagem com muita luz natural e zonas de sombra -, mas torna-se quase impercetível em cenas com pouco contraste. Os vídeos em HDR são ainda mais raros do que os 4K: são encontrados em serviços de streaming de vídeo (por exemplo, na Netflix com o plano de subscrição “premium”, no YouTube ou na Amazon Prime Video).

A presença de menções como Motionflow XR 1000Hz ou Perfect Motion Rate 1400Hz, PMI 1600 ou 800 PQI não são indicadores claros da fluidez de imagem, nem da qualidade final que o aparelho obtém. Trata-se de designações comerciais, variáveis de fabricante para fabricante, e, como tal, não são diretamente comparáveis.


Imprimir Enviar por e-mail