Como testamos

Barras de som: como testamos

27 outubro 2017
teste a barras de som

27 outubro 2017
Para a avaliação das barras de som, o critério principal é a qualidade sonora na reprodução de música em estéreo.

A avaliação das barras de som é feita através de testes de audição, por um painel de quatro utilizadores (dois músicos profissionais e dois especialistas em áudio), num estúdio equipado com paredes não paralelas, cortinas espessas e materiais isolantes nos locais necessários, segundo as recomendações da IEC (International Electrotechnical Commission).

As músicas são operadas em estéreo e com igual volume sonoro, que origina uma pressão sonora de 84 dB a dois metros de distância.

Utilizamos várias fontes sonoras que representam o tipo de utilização mais comum que estes aparelhos devem ter, como o som injetado através de aparelhos ligados por cabo de áudio digital, por USB e emparelhados por Bluetooth.

Som estéreo com aparelho ligado por cabo de áudio digital

Para este teste foi utilizado um leitor de CDs de referência, ligado às barras de som através de um cabo digital ótico (sem perdas). Esta situação representa a máxima qualidade sonora que é possível obter com estas barras de som. A fonte (CD de áudio) não tem compressão, o que resulta numa ótima qualidade.

Som estéreo com pendisk por USB

Neste caso, começámos por converter as faixas de música de teste para formato MP3, com uma taxa de compressão de 320Kbps (o que corresponde a um nível de qualidade bastante adotado). As músicas foram depois transferidas para uma pendisk e ligada às barras de som com entrada USB (este teste não pode ser feito nas restantes barras de som).

Som estéreo através de Bluetooth

Tal como no teste para pendisk, neste caso também convertemos as faixas de música de teste para formato MP3. Depois, as músicas foram transferidas para um smartphone com bluetooth (A2DP e aptX). Esse smartphone foi emparelhado com as barras de som, para as quais depois se fez o streaming de áudio.


Imprimir Enviar por e-mail