Primeiras impressões

iPhone X: modelo frágil para um preço elevado

O iPhone X ficou com o ecrã e a parte traseira partidos, quando simulámos uma queda, no nosso teste à resistência. Já o ecrã, a deteção de rostos e o design correspondem às expectativas de avanço anunciadas. 

17 novembro 2017
iphone x

Com um design total em vidro, o iPhone X chegou às lojas com um ecrã OLED que surpreende pelo brilho, negros profundos e precisão de cores. O novo recurso Face ID leva o reconhecimento facial a um nível superior, com resultados quase sem falhas.

O iPhone X é o mais caro da história da Apple. Em Portugal, está à venda em duas versões: de 64 GB desde € 1178 e de 256 GB desde 1352,90 euros, ainda sem grandes oportunidades de desconto nas lojas online.

Ver resultados do teste do iPhone X e mais modelos

O fim do botão Home

O novo iPhone descarta o familiar botão Home, permitindo ter o maior ecrã de sempre da Apple sem aumentar o tamanho do telefone.

Sem o botão Home, os utilizadores devem dominar novas formas de controlar o aparelho. Para alternar entre aplicações, por exemplo, o utilizador deve pressionar a parte inferior do ecrã e, de seguida, deslizar o dedo para cima. Vão aparecer as opções com as aplicações que estão abertas. Para sair de uma aplicação e voltar ao ecrã principal, deve também pressionar a parte inferior do ecrã e deslizar o dedo no sentido ascendente.

Para os que não abdicam do botão Home é possível tê-lo em versão “software”, que pode ser mostrado em qualquer lugar nas extremidades do ecrã. Para ativá-lo, deve ir a Definições e selecionar AssistiveTouch.

Como também já não vai poder aceder ao Siri (o assistente pessoal inteligente) através do tradicional botão Home, agora passa a carregar no botão de ligar/desligar. Para desligar o aparelho deve pressionar o botão ligar/desligar e o de aumento de volume ao mesmo tempo.

O Face ID funciona quase sempre

A função Face ID é rápida e fácil de configurar. Para funcionar, basta centrar a cara dentro de um círculo que aparece no ecrã. Ao mover a cabeça lentamente, até completar o círculo, em 30 segundos a câmara TrueDepth mapeia as suas feições. Este processo terá de ser repetido uma segunda vez para que a informação do seu rosto fique memorizada.

Depois disso, o telefone está preparado para reconhecê-lo. Para desbloquear o aparelho, coloque-o em frente à cara durante um breve instante para permitir que reconheça as suas feições. Ao reconhecê-las, o pequeno cadeado junto ao topo do ecrã abre-se e o utilizador tem acesso ao telefone.

Para se ter uma ideia melhor das capacidades do Face ID, testámos a aplicação em diferentes cenários, com variações de condições de luz e em pessoas com diferentes tons de pele.

Utilizaram-se diferentes tipos de iluminação para simular a luz do dia, o ambiente de uma sala de estar típica, de restaurante mal iluminado e na escuridão completa. O Face ID funcionou sempre.

Os poucos casos em que o Face ID não funcionou tão bem foram, por exemplo, quando o telefone foi posicionado num ângulo nos limites do campo de visão. Pode acontecer quando está numa sala de conferências e pretende desbloquear o telefone de uma forma discreta. Quando o utilizador fechou os olhos, não houve desbloqueio.

Ecrã OLED traz melhorias significativas

O iPhone X estreia a tecnologia OLED nos ecrãs dos iPhones, tecnologia que já é utilizada há algum tempo em aparelhos de outras marcas. No teste, o ecrã do iPhone X foi comparado com os melhores ecrãs OLED que pertencem aos smartphones Samsung Note 8 e LG V30. Também foi comparado com o ecrã LCD do iPhone 8. As vantagens desta tecnologia foram confirmadas nas análises realizadas a estes aparelhos, em que usámos várias imagens e padrões de teste.

Nos ecrãs OLED, os níveis são mais profundos, as cores mais precisas e os ângulos de visão mais amplos. São notórias diferenças em relação ao ecrã LCD do iPhone 8.

Mas o iPhone X apresenta uma ligeira vantagem em relação ao Note 8 e uma vantagem um pouco maior em relação ao LG V30. O ecrã apresentou cores mais precisas e é um pouco mais brilhante, o que faz sobressair os detalhes subtis nas fotos.

A tecnologia OLED nesta versão pode ser um dos fatores para a menor duração da bateria, um dos aspetos que desilude no iPhone X. Apesar da capacidade da bateria ser quase tão boa como a do iPhone Plus 8, o tempo total de autonomia é significativamente menor.

Please fill the source and the alt text 
Comparámos o desempenho do ecrã OLED do iPhone X com os ecrãs do Samsung Note 8 e do LG V30. 
 

A pouca resistência é um dos pontos fracos

O ponto fraco deste aparelho parece ser a resistência e é aconselhável que seja utilizado com uma capa de proteção. O iPhone X não teve problemas com os testes de água e submersão, mas as primeiras duas amostras falharam no teste de resistência. Com a queda, o primeiro dispositivo partiu o ecrã e o segundo a parte traseira.

Pontos fortes

  • Qualidade da câmara a tirar fotos e no modo vídeo. 
  • Ecrã de excelente qualidade.
  • Reprodução de som com boa qualidade no leitor de música. 

Pontos fracos

  • Pouco resistente às quedas.