Primeiras impressões

Google imita e desafia a Apple com novos smartphones Pixel e Pixel XL

12 outubro 2016
Conheça as características dos novos Google Pixel e Pixel XL

Pixel e Pixel XL são os primeiros telemóveis desenhados exclusivamente pela Google. A empresa, que já desenvolvia o sistema operativo Android, avança para o controlo total sobre os seus gadgets. A intenção de competir com a Apple é clara.

Imitação da Apple

A Google não quer apenas cativar os utilizadores de Android, mas também converter os utilizadores do iOS. Por isso criou um processo simples para passar todos os dados de um iPhone para os modelos Pixel. A estratégia é semelhante à da Apple com a sua app Move to iOS, que facilita a passagem inversa.

No caso da Google, para facilitar a passagem dos dados é disponibilizado um pequeno adaptador, o Quick Switch (“troca rápida”). É compatível com os iPhone a partir do iOS 8 e os Android com a versão 5 ou superior. Quando o Pixel estiver ligado via Quick Switch ao antigo aparelho, começa a enviar instruções de forma automática para iniciar a troca de dados. A decisão de imitar a Apple é, por isso, uma boa novidade para o utilizador.

O design dos modelos é bastante convencional e semelhante ao dos iPhone. Estão disponíveis em versões de 32 GB e 128 GB e três cores: preto, prateado e azul. A diagonal de ecrã do Pixel é de 5 polegadas e a do Pixel XL de 5,5.

A vontade de competir com a Apple está ainda patente na resolução da câmara, de 12 megapixels, que se anuncia como a melhor do mercado. Em breve comprovaremos a sua qualidade em laboratório.

Os modelos Pixel mantêm a entrada jack de 3,5 mm para auriculares, ao contrário dos novos iPhones. São à prova de salpicos, mas não imergi-los em água, e possuem sensor de impressão digital. O processador é o Snapdragon quadcore 821. Possui 4 GB de memória RAM e ligação USB-C.

O Google Assistant é a nova versão do Google Now, uma das grandes novidades do Android 7.1 e outro aspeto que o aproxima da Apple, já que surge como resposta à famosa Siri. Outra vantagem dos Pixel face aos restantes modelos com o Android 7.1 é que o software surge tal como a Google quer e não colado a uma interface desenvolvida por outro fabricante.

Também na forma de comercialização a Google parece imitar a Apple que há algum tempo começava por disponibilizar os seus novos modelos num grupo restrito de países. As versões de 32 GB dos Google Pixel e Pixel XL estão a ser vendidas nos Estados Unidos pelo equivalente a € 649 e 769, respetivamente. Já as de 128 GB custam 749 e 869 euros.

Os preços, ligeiramente mais elevados do que os dos anteriores smartphones Google, colocam estes novos gadgets entre os produtos de gama alta, um grupo que inclui modelos como o iPhone 7 e o Samsung Galaxy S7.