Notícias

Proteja o seu telemóvel com uma app antivírus

Início

As ameaças podem estar em aplicações, emails ou sms. Testámos 22 aplicações para Android e nem todas são eficazes.

  • Dossiê técnico
  • João Miguens e José Almeida
  • Texto
  • Isabel Vasconcelos
10 janeiro 2019
  • Dossiê técnico
  • João Miguens e José Almeida
  • Texto
  • Isabel Vasconcelos
antivirus smartphone

iStock

Os smartphones Android vêm equipados com algumas funções da Google que os protegem de software malicioso, mas é possível aumentar a segurança com uma app antivírus. Há aplicações gratuitas e pagas, sendo que as últimas incluem mais funcionalidades. Testámos 22, mas constatámos que nem todas são eficazes. Incluímos no teste o Google Play Protect, o software de segurança da marca, integrado nos dispositivos a partir da versão 8 do Android.

Garantir a segurança do aparelho

Para aumentar a segurança, é importante manter o sistema operativo e as aplicações sempre atualizadas. Mas certifique-se de que provêm da loja oficial da Google, para limitar o risco de infetar o dispositivo. A partir da versão Android 8, tem de autorizar a instalação de apps provenientes de uma loja não oficial. Nas versões mais antigas, verifique se, nas definições, está desativada a possibilidade de instalar aplicações de origens desconhecidas.

Antes de instalar uma app, pesquise na net se é segura, sobretudo se for pouco conhecida ou descarregada. Analise a linguagem e desconfie se tiver muitos erros ortográficos ou logótipos que parecem imitações imperfeitas de outros conhecidos. Atente ainda nas permissões pedidas: se forem demasiadas ou desnecessárias, desconfie.

Ao receber e-mails ou mensagens com ligações, não se precipite, sobretudo se o remetente for desconhecido. Caso o link dê acesso a alguma oferta, avalie se é credível antes de avançar.

Faça cópias de segurança regulares do conteúdo do smartphone. Deste modo, poderá recuperar dados pessoais e outras informações, caso o aparelho seja infetado, perdido ou roubado.

Se costuma usar o serviço de homebanking do seu banco, aceda sempre através da aplicação ou do site oficiais. Nunca utilize uma rede wi-fi pública. Não permita o login automático e termine sempre a sessão após fazer uma transação.

Não grave os nomes de utilizador nem as palavras-passe na aplicação de navegação. Também evite ter esta informação numa app ou num ficheiro, acessível a todos no dispositivo.

Como saber se o telemóvel está infetado

  • Fique alerta para custos desconhecidos na fatura. Pode significar que uma app maliciosa registou o número do telemóvel em serviços de valor acrescentado.
  • Caso o consumo de dados aumente muito, é possível que algum vírus esteja a usar a ligação à net.
  • Se o aparelho ficar lento e aquecer sem motivo ou se a bateria esgotar mais rápido do que o habitual, fique atento. Poderá estar infetado com um programa malicioso que esteja a ser executado em segundo plano. Pode inclusive estar a ser usado para transações de criptomoeda.
  • Se encontrar apps que não se lembra de ter instalado, pode ter uma aplicação maliciosa que o faz por si.
  • Quando surge um pop-up inesperado ou uma falsa mensagem de vírus é sinal da presença de “intrusos”.
  • Aplicações que falham com frequência podem ainda indiciar que algo não está bem com o aparelho. 

Imprimir Enviar por e-mail